Salto com vara feminino promete emoção forte

Elena Isinbayeva está de volta. No Meeting de Estocolmo marcou 5,01 m e superou seu próprio recorde mundial indoor no salto com vara. Não significa que ela será novamente a atleta praticamente imbatível no salto com vara, posição que ostentava até 2008. Em 2009 não foi bem no Mundial de Berlim, mas depois saltou 5,06 m, recorde mundial absoluto.

Depois do fracasso no Mundial Indoor de Doha em março, resolver fazer de 2010 seu anosabático. Voltou em 2011 sem brilho e não subiu ao pódio no Mundial de Daegu, vencido por Fabiana Murer. No entanto, ao superar novamente os 5 m na capital sueca, mostrou que está novamente no páreo e que irá lutar pelo tricampeonato na Olimpíada de Londres.

Foto Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Fabiana Murer. Foto Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Fabiana Murer, por sua vez, fez um duro treinamento em Lisboa, com o ucraniano Vitaly Petrov. Voltou cansada, mas disse que o camping foi importante para sua preparação olímpica. Ela foca os Jogos de Londres e decidiu não defender seu título indoor no Mundial de Istambul, no mês que vem. Na temporada, vai estrear no GP São Paulo/Caixa em 16 de maio, no Estádio Ícaro de Castro Melo, no Ibirapuera.

O salto com vara feminino promete grandes emoções, portanto. Além de Isinbayeva e Fabiana, outras duas atletas poderão dar o que falar. A britânica Holly Bleasdale, de 20 anos, já saltou 4,87 m este ano e foi a 2ª em Estocolmo com 4,72 m. E a cubana Yarislay Silva, praticamente desconhecida há um ano, antes de ir à final em Daegu e ganhar o PAN em Guadalajara. Foi a 3ª em Estocolmo, com a mesma marca de Holly Bleasdale.

E não se deve esquecer outras atletas experientes. Caso da polonesa Anna Rogowska (campeã mundial em Berlim-2009), da russa Svetlana Feofonova (ex-recordista mundial e medalhista de bronze em Daegu) e a alemã Martina Strutz (vice-campeã mundial na Coreia do Sul).

Atletas votam

José Antonio Martins Fernandes foi eleito presidente da Confederação Brasileira de Atletismo para o mandato 2013/2016. Ele substituirá o atual titular, Roberto Gesta de Melo. Conforme o estatuto da entidade, Gesta permanecerá no cargo até o 1º trimestre do ano que vem.

Fato inédito no esporte brasileiro, atletas tiveram direito de voto. Assim como representantes dos treinadores, dos árbitros e dos clubes. Além, é claro, dos presidentes das Federações Estaduais de Atletismo. Portanto, em ver dos tradicionais 27 eleitores, o colégio eleitoral foi ampliado para 45 integrantes. Destes, 44 estavam aptos a participar da Assembleia Geral da última sexta-feira, dia 10, e 41 compareceram. Destes 41 eleitores, 40 votaram na chapa de Toninho/Warlindo Carneiro, apoiada por Gesta. Houve uma abstenção.

Uma das coisas que mais se pede quando se fala em democratizar as entidades esportivas é que representantes dos atletas possam votar. No caso do Atletismo, têm direito a voto os medalhistas olímpicos. Além de votar na eleição, eles são membros plenos da Assembleia Geral e participam de todas as decisões da CBAt.

Aliás, foi também o Atletismo quem abriu espaços amplos para a manifestação de todas as áreas da modalidade. Tanto que, nos últimos oito anos, foram realizados quatro Fóruns, que dão o norte às ações da Confederação. Cada um desses Fóruns teve perto de 200 participantes, sempre com maioria de atletas. O V Fórum Atletismo do Brasil, por sinal, será este ano.