Oi, nois aqui traveis

Pois é, mais um período de férias por ordem médica e… oi, nois aqui traveis… como diz a música. O fato é que perdi os dois últimos meetings do Brazilian Tour, em São Paulo e no Rio. Mas fica a boa vitória da Maurren no Ibirapuera e o ótimo tempo do 4×100 m masculino no Engenhão (resultados no site www.cbat.org.br).

E fica a marca da organização brasileira de eventos atléticos de nível mundial. Já se vão quase 10 anos que o País é sede de um circuito de competições com atletas dos quatro cantos do mundo. É bom ressaltar que as competições acontecem em cidades de estados diferentes.

Particularmente este ano o Brazilian Tour foi importante, não apenas porque atletas puderam buscar a qualificação olímpica, como Rosângela Santos, nos 100 m. Foi também uma preparação de alto nível para as grandes competições da temporada, que terá o auge exatamente na Olimpíada de Londres. Oportunidade também para observação de eventuais necessidades de correções nos treinamentos de alguns atletas.

Agora, temos competições no exterior com brasileiros. Fabiana Murer fará sua estreia na Diamond League de Eugene, Mauro Vinícius competirá na Europa e a seleção brasileira disputará o Ibero-Americano na Venezuela. E no fim de junho teremos o Troféu Brasil/Caixa em São Paulo. Depois, foco total nos Jogos de Londres.

E vamos que vamos, conforme o bordão do grande Osmar Santos.

Michael Mathieu faz história no Brazilian Tour

Na véspera do Meeting de Uberlândia, o terceiro dos cinco do Brazilian Tour, um nome já fez história no circuito: Michael Mathieu, das Bahamas. O velocista ganhou os 200 m em Belém com 20.16 e bateu o recorde nacional das Bahamas.

Parece pouco, mas o recorde anterior pertencia a ninguém menos que Dominic Demerite, antigo campeão mundial indoor da distância, e que tinha 20.21 desde 2002. Em Fortaleza optou por correr os 100 m, mais como preparação para os 200 m, e mesmo assim venceu, com 10.30.

Na maior cidade do Triângulo Mineiro, amanhã, fará os 400 m, e ninguém duvida que possa obter uma boa marca. “Sou um corredor de 200 m e quero garantir minha vaga na Olimpíada”, disse Mathieu. “Para mim, correr os 100 m e 400 m é uma coisa eventual, no começo da temporada, ajuda na preparação para os 200 m”, concluiu.

Na mesma prova estão inscritos o norte-americano Kerron Clement, que já fez a distância em 44.48, e o jovem brasileiro Anderson Henriques, que busca o índice olímpico de 45.17.

A largada do Brazilian Athletics Tour

O principal circuito do Atletismo na América Latina será aberto neste domingo pela manhã, no Mangueirão, em Belém do Pará. Trata-se do Brazilian Athletics Tour 2012, que terá cinco Meetings em cidades de diferentes Estados do País.

tletas de nível mundial competirão no domingo 6 no Mangueirão, que por sinal reuniu em três ocasiões diferentes mais de 40 mil pessoas para ver o GP.

Maurren Maggi, Keila Costa, Fábio Gomes da Silva, Mauro Vinícius da Silva, Jadel Gregório, Ana Cláudia Lemos, Rosângela Santos, Sandro Viana, Aldemir Silva Júnior, Oludamola Osayomi, Alexandria Anderson, Greg Nixon, Trecia Smith, Mabel Gay, são algumas das atrações que mais uma vez receberão o aplauso do público.

Há um fato emocionante a relatar aqui: os paraenses, notadamente os moradores de Belém, gostam de esporte. Não apenas do futebol, embora jogos do Paissandu e do Remo tenham bom número de espectadores.

Mas a verdade é que todos os eventos esportivos têm a hospitalidade local. Seja atletismo, natação, boxe, tudo. O fato é que os atletas gostam de competir em Belém.