Bate-bola!

A partir de hoje, o “Na Cara do Gol” conta com mais um quadro. Trata-se do “Bate-bola”. Cinco perguntinhas que serão feitas rotineiramente a personalidades. O tema, claro, o esporte.

O “Bate-bola” de estreia é com o jovem Willian, ex-camisa 10 do Corinthians e que hoje defende as cores do Shakhtar Donetsk.

1) Você estava insatisfeito no seu início no futebol ucraniano, chegou a pensar em voltar… E hoje? Já está perfeitamente adaptado?
Sim, estou com certeza. O começo é difícil mesmo em qualquer lugar que você vá, mesmo na Europa. Não é fácil se adaptar ao país, à lingua, ao futebol e, principalmente, ao frio.

2) Quais foram os problemas mais significativos?
A língua e o frio! Tive muitas dificuldades com a língua. No país também não há muito o que fazer, onde ir. O frio é intenso. Tudo isso dificulta.

3) Quais as chances do Shakhtar Donetsk na Liga dos Campeões? (O Shakthar enfrenta a Roma pelas oitavas-de-final)
A ideia é continuar passando de fase. Vai ser difícil, afinal na Champions (League) jogam os maiores clubes da Europa, mas temos chances de avançar. Temos qualidade, por isso acredito que temos condições de passar.

4)E o Corinthians? Na Libertadores vai enfrentar o Deportes Tolima, da Colômbia, numa fase eliminatória…
Acho que o Corinthians também tem chances de passar e de até conquistar a Libertadores. Vai ser difícil, claro, mas o grupo é bom. Precisa de alguns reforços pra fazer esse grupo ainda mais forte, mas tem boas condições. É favorito!

5) Você pensa em voltar a jogar no Brasil?
Eu penso em um dia voltar, mas não agora. Quero continuar na Europa. Quando tiver uns 30 anos (Willian tem 22) talvez volte ao Brasil. Claro que no futebol tudo pode acontecer e, por isso, não descarto a possibilidade de voltar ao Brasil antes, mas não é minha intenção. Quero ficar na Europa até os 30.