Júlio César fecha o gol. E daí? A obrigação dele é essa

Quando é que alguém, no nosso dia-a-dia nos elogia por fazer nosso dever? Quase ninguém. Às vezes, a gente se mata de trabalhar, ganha mal, fica devendo na praça, chega em casa “morto” e ainda tem de aguentar mulher enchendo a paciência por falta de dinheiro. A maioria do povão brasileiro vive tal drama os 365 dias do ano. Só por que o Júlio César vem atuando bem no gol do Corinthians, sou obrigado a ficar elogiando? Não senhor. Ele está lá para isso mesmo. Aliás, pelo que sei, muito bem pago, sem falar que veste a camisa do Todo Poderoso, líder absoluto do Brasileirão e maior clube do Brasil. Maior honra que essa não existe.

Júlio andava no mundo da Lua. Mal conseguia esticar o braço e levava gols no ângulo superior a toda hora. Deve ter treinado muito e corrigiu a falha. Ora bolas, era para ter agido assim há mais tempo. Levou um peru na final do Paulistão contra o Santos. Prejudicou o time diante do Goiás, no Brasileirão, no empate de 1 a 1. Tomou gol 100 do humilhado Rogério Ceni. Esgotou a cota de erros. No banco de reservas está o gigante Renan. Se bobear, Júlio perde a posição e não recupera nunca mais.

E assim caminham as obrigações e a mediocridade…

1, 2, 3, 4, 5 e quase perdi o fôlego com goleada histórica

Foto: Fernando Dantas/Gazeta PressNem o mais otimista dos corintianos poderia imaginar um placar desses. Nem eu, que adoro um 7 a 0, em sã consciência arriscaria o 1, 2, 3, 4, 5 a 0 do Todo Poderoso sobre o São Paulo. Pior que o Corinthians merecia até mais. Quando marcou o terceiro, tirou o pé de vez. Mesmo assim, saiu o massacre.

Falaram a semana inteira do centésimo gol de Rogério Ceni de novo sobre o Timão. Ledo engano. O goleiro símbolo da torcida são-paulina falhou no gol de Liedson (o primeiro) e ainda levou um tremendo peru na batida de Jorge Henrique de fora da área. Pobre Rogério. Espero que os bambis entendam ser ele o menos culpado dessa vergonha. Vai, Corinthians e Volta, Carlitos Tevez…

E tenho dito!

Santos leva o tri da Libertadores nas costas do menino Neymar

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Já vi um jogador ganhar título praticamente sozinho. Ronaldo na Copa do Brasil em 2009 pelo Corinthians. Rogério Ceni, o Mundial de Clubes contra o Liverpool, pelo São Paulo. Garrincha, as Copas de 1958 e 1962. Neto, o Brasileirão de 1990 pelo Corinthians. E agora Neymar, na conquista santista da Libertadores 2011.

O menino da Vila foi decisivo em todos os jogos. Dividiu um pouco as glórias com Ganso, Elano e o técnico Muricy Ramalho, que botou ordem no galinheiro. Mas Neymar foi estupendo, magnífico, sensacional.

O choro solitário no meio-campo lembrou aquele de Pelé, em 1958, após vencer a Copa na Suécia. Talvez sejam as lágrimas dos gênios da bola, aquelas que só correm pelo rostos dos campeões, dos talentosos, dos justos, dos humildes, dos valentes e das crianças. E sem perder a ternura jamais. Obrigado, Neymar. Deus lhe pague…

E tenho dito!

Passeata gay com clássico no Pacaembu vai dar muita confusão

No próximo final de semana o clássico entre Corinthians e São Paulo vai dar o que falar. Dentro de campo, Rogério Ceni poderá fazer o centésimo de novo em cima do Júlio César, do Timão, sempre instável debaixo dos três paus. Fora de campo, os gays e os uniofrmizados irão se encontrar e aí a coisa fica feia.

Não vamos fingir: existe um grande preconceito no futebol contra homossexuais. Dos clubes para as arquibancadas é um pulinho de nada. Imaginem encontros entre os truculentos das torcidas no metrô com os gays querendo apenas liberar os instintos.
O certo seria alguém mudar o local do jogo. Para mim, está fácil. É só inverter os mandos. No primeiro turno, fica valendo o Morumbi. No returno, o Pacaembu, sem nenhum advento perigoso paralelo.

Tomara que prevaleça o bom senso.

E tenho dito!

“Papai”Tite protege Júlio César e Timão paga o pato

Impressionante. O goleiro Júlio César deve ter um padrinho muito forte dentro do Corinthians. Quanto mais falha, mais prestigiado está. Com a chegada do goleiro Renan o que se esperava era ver o jovem valor em ação. Afinal, o ex-arqueiro do Avaí até para seleção brasileira foi e não duvido que seja chamado para Sub-20. No entanto, no Corinthians nem sempre 2 e 2 fazem 4.

Tite pode dar ao Júlio César a faixa de capitão, só para mostrar que o camisa 1 está com a bola toda. Por quê tanto cuidado, tantos dedos com um goleiro apenas razoável? O técnico Tite é teimoso; o vice Roberto Andrade e o diretor de futebol Duílio Monteiro Alves sem atitude. E onde está o gerente de futebol, Edu Gaspar? Será preciso a intervenção de Andrés Sanches para evitar um infarto coleitvo da Fiel quando a bola vai para o gol defendido por Júlio César?

E assim caminha a mediocridade…

Reformas e novos estádios são conversa fiada da Fifa

O Pacaembu deu um show de organização na despedida de Ronaldo, na última terça-feira, na presença de mais de 30 mil pessoas. E fica a pergunta: será mesmo que a Copa 2014 precisava de novos estádios (reformados ou construídos)? A exigência da Fifa é, no mínimo, curiosa para não dizer suspeita. Na Copa da África do Sul, fizeram estádios bem no meio ds savanas. Está na cara que era dar uma boa reformada e pau e bola. E tem mais: quem vai pagar pelo Mundial somos nós, povão brasileiro, e mais ninguém.

E tenho dito!

Itaquerão tem acesso melhor do que o Morumbi

Os mitos sobre a dificuldade de chegar ao futuro estádio do Corinthians, o Itaquerão vão sendo destruídos. Segundo o jornalista Wanderley Nogueira, da TV Gazeta e da Jovem Pan, do Morumbi ao marco zero de São Paulo (Praça da Sé) são 22 km. Daí para o Itaquerão, apenas 20 Km. E mais: a Estação do Metrô Itaquera está somente 50 metros da futra Praça Esportiva. Falta mesmo ampliar as pistas da Radial Leste. Será fácil o povão chegar à Casa da Fiel.

http://youtu.be/D_r1L9WZsE4

Adeus de Ronaldo deve servir de exemplo para CBF

Quantos ídolos passaram pela seleção brasileira nos últimos 40 anos e não tiveram uma despedida dígna?

Anote aí: Tostão, Careca, Clodoaldo, Gérson, Rivellino, Cafu, Rivaldo e até Zico, sem falar de Rivaldo que ainda está em atividade no São Paulo. Que o adeus de Ronaldo sirva de exemplo e que outros sejam eternizados pela reconhecimento oficial ainda em vida. Depois de morto, muito obrigado por nada.

Assista também: http://www.youtube.com/watch?v=EKHjVOv-BN0&feature=player_embedded

Paternalismo de Tite irrita e Fiel quer estreias já no Timão

O técnico Tite, do Corinthians, se mostra paternalista demais em relação ao grupo de jogadores do clube. Chegaram três bons reforços: o goleiro Renan, o atacante Emerson Sheik e o meia Alex.

O treinador ainda não confirmou ninguém como titular. Saiu em defesa do goleiro Júlio César, deixou Sheik se aquecendo um tempão contra o Flamengo e sobre Alex nem gosta de comentar. Tite gosta de proteger Danilo, Morais e o bom garoto William. A pergunta que se faz é a seguinte: precisa disso?

Assista:

http://www.youtube.com/watch?v=sh7qa0rmJfU&feature=player_embedded

Vaias para a seleção brasileira de Mano que ela merece

Foto: AFP

Tem que vaiar mesmo essa seleção de Mano Menezes. Como bom técnico gaúcho, vive de preocupações defensivas. Manda marcar até o técnico adversário no banco de reservas. Depois, desesperado, sai para cima buscando uma vitória. Contra a Holanda, em Goiás, publico protestou com razão mesmo. Time só viveu das arrancadas de Neymar.

E mais: todo mundo nervosinho. Fred furou dentro da pequena área; Robinho idem. Vamos ver o que vai rolar contra a Romênia, na despedida de Ronaldo, terça-feira, no Pacaembu.

Churrasco amigo da Fiel

Um churrasco amigo marcou, neste sábado, o “registro de posse” da Fiel sobre o Itaquerão. Valeu a comemoração com jeito de protesto. No entanto, ir ao local e dar uma espiada como estão as obras é a obrigação de todo corintiano. Quem gosta do Timão precisa fiscalizar, como na época do Plano Cruzado, onde as donas de casa eram as “Fiscais do Sarney”.

Não deixe de assistir: http://www.youtube.com/watch?v=WjGdI9bfiTQ&feature=player_embedded