Petros é herói e verdugo na vitória do Timão contra o Galo

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

O futebol é caprichoso. Cheio de mistérios e situações curiosas. Na vitória do Corinthians de 1 a 0 sobre o Atlético MG, na Arena Itaquera, nesta quinta-feira, o artilheiro da noite desempenhou o papel de herói e de verdugo. Petros colocou a equipe em terceiro lugar na tabela do Brasileirão, mas levou um cartão amarelo sem necessidade. Como à tarde, teve a pena de meses reduzida a três jogos de suspensão pelo Tribunal da CBF, terá de ficar fora da equipe por quatro. Menos mal. Afinal, aquela trombada com o árbitro diante do Santos teve uma supervalorização, um exagero por parte da TV e de quem gostaria de ver o Timão na rua da amargura.

O gol do polêmico volante, aliás, caiu do céu.Bobo o Galo mineiro não é. No primeiro tempo o Corinthians passou um sufoco. O técnico Levir Culpi mandou os jogadores para cima, em busca da vitória, nem tomando conhecimento do adversário. Ainda bem que o tal Luan, que sempre decide, não estava muito inspirado. Muito menos Jô ou Tardelli. Na base do toque de bola e explorando as velocidades de Romero e Luciano, o treinador Mano Menezes apostou no contra-ataque e nas chegadas ora de Elias, ora de Ralf como “elemento surpresa”.

Vitória merececida. Principalmente pelo excelente segundo tempo. Timão mostrou ótimo condicionamento físico. Manteve o ritmo forte durante os 90 minutos e envolveu o adversário. Levou a partida na manha do gato. Ou seja, soube como cozinhar o Galo.

E tenho dito!

Protegido por Lula, Sanchez só deixa CBF se quiser

Djalma Vassão/Gazeta Press

Djalma Vassão/Gazeta Press

Depois da queda do técnico Mano Menezes, ficou bem claro um cenário: Ricardo Teixeira e todos que estavam com ele estão fora dos planos da presidenta Dilma. Embora a CBF seja uma entidade privada, está com um “interventor” sim. Afinal, José Maria Marin é extamente o que? Sem dúvida, o porta-voz do Planalto Central.

O vice-presidente da República, Michel Temer, é o responsável pela realização da Copa 2014. Dilma não quer mais escândalos. Pegou mal para o País o envolvimento de João Havelange e Ricardo Teixeira em trambiques internacionais entre CBF e Fifa. Além disso, obras de estádios e de infraestrutura estavam atrasadas. Como ficam os compromissos assumidos por Lula há quase cinco anos atrás?

Mano caiu, mas por trás dele tem um edifício gigante desabando também. Andrés Sanchez, o gerente de futebol, porém, pode ser mantido. Afinal, quem se arrisca a desafiar o nosso querido Lula, o dono do Brasil?

E tenho dito!

Tite é o cara para a assumir a Seleção e Mano cai tarde demais

AFP

AFP

Demorou e lá se foi o técnico Mano Menezes ladeira abaixo. Nada mais justo. Ele entrou para fazer uma renovação e malogrou. Deu um pouco de azar, afinal a nova geração só tem Neymar. Talvez Oscar, daqui a algum tempo. O fato é que Mano não encaixou. O presidente da CBF, José Maria Marin, sentiu o momento e resolveu colocar o dito cujo no olho da rua após a conquista do bicampeonato do tal Superclássico das Américas.

E agora? Bem, Tite é a solução sem dúvida. O Corinthians é hoje um time moderno, sem estrelas, que marca bem, ataca rápido e sabe utilizar o moderno 4-2-3-1 como nenhum outro no Brasil. E mais: Tite é um cara dígno, decente, família, amigo, honesto com os jogadores, não se mete em negócios paralelos, estuda futebol e tem uma dignidade do tamanho do coração da Fiel torcida.

Para conquistar a Copa de 2014, vamos precisar de tudo isso e muito mais.

E tenho dito!