Gazeta Esportiva

Arquivos do mês: janeiro 2012

A associação entre medicina e hospital é muito comum. A maior parte dos médicos vive essa rotina de consultório e jaleco branco, no entanto, existem aqueles que trocam tais lugares por gramados e quadras. É nesse contexto que vive o médico do esporte.

            A profissionalização de atletas e a organização de clubes esportivos permitiu a criação de comissões técnicas cada vez mais especializadas. Hoje, fazem parte dessa comissão: técnico, auxiliar técnico, preparador físico, fisiologista, fisioterapeuta e médico, entre outros. A participação de cada um desses profissionais tem se tornado cada vez mais importante a medida que crescem as exigências físicas dos atletas.

            Dentre as funções do médico estão: avaliações periódicas de atletas, diagnóstico e tratamento das lesões e doenças mais comuns entre os atletas, prevenção de lesões, atendimento de emergência e primeiros socorros, reabilitação, acompanhar e criar programas de retorno progressivo ao esporte, orientar outros membros da comissão técnica e atletas. Sendo assim, deve ter conhecimentos em cardiologia, traumatologia, fisiologia do exercício, biomecânica, nutrição, atendimento de emergência.

            Para exercer todas essas funções com maestria é necessário investimento em estrutura e em profissionais de diversas disciplinas. Em um departamento médico, assim como nos esportes coletivos ninguém faz nada sozinho, é preciso trabalhar em equipe. O treinamento dos profissionais envolvidos é fundamental, ter conhecimento do esporte, conhecer o padrão de movimento do gesto esportivo e relacionar com lesões específicas. Restrição de sono, hábitos alimentares, uso de álcool, cigarro e drogas também podem implicar em queda de rendimento e doenças.

            A preparação do médico pode ser realizada através de cursos de atualização como é o caso do curso “Team Physician” de órgãos como American College of Sports Medicine (ACSM) e International Federation of Sports Medicine (FIMS), existem também cursos de pós graduação na área, muitos médicos vem de outras especialidades como é o caso da Ortopedia e da Cardiologia, atualmente, já existe há 5 anos residência de Medicina do Esporte e do Exercício.

            Fica a cargo do departamento médico a compra de medicamentos, equipamentos de resgate, mala de campo, organização de enfermaria e ambulatório. Outro problema muito comum é atuar em outras localidades, como obter o material ou exame necessário em outras cidades, estados ou países. Problemas relacionados as leis que regem os esportes como é o caso da lista de medicamentos que não podem ser utilizados por atletas, também, devem ser de conhecimento de toda comissão técnica.

Leonardo Kenji Hirao

Medicina do Esporte e do Exercício

Grupo de Medicina Esportiva do Hospital das Clínicas – FMUSP