Aplauso, direito e respeito.

Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Ele foi um dos mais importantes no ano que passou. Pode mesmo ter sido o mais importante. Seja pelos gols que fez, seja pelos passes perfeitos que ofereceu a colegas que marcaram pelo Verdão. Mais do que justo reconhecer que garantiu resultados e pontos importantes para sua equipe.

Na linguagem do torcedor, terá sido meio time, com lances decisivos que, nos empates, evitaram derrotas e, nas vitórias, o consagraram como indispensável.

Se seu time caiu de divisão, certamente não terá sido por falta de grandes atuações suas. Individualmente, cumpriu o que lhe cabia. Coletivamente, fez por sí e por outros, em diversas ocasiões.

Claro que me refiro a Marcos Assunção. Um jogador exemplo. Suas palavras reproduzidas aqui em nosso site são típicas de um profissional mais que cumpridor. Passou disso. Foi dedicado. Foi leal e generoso dentro e fora de campo.

Ao exercer seu direito de não contar mais com seu trabalho, o Palmeiras tem que, no mínimo aplaudi-lo pelos golaços salvadores que marcou, entender seu direito a um reajuste salarial e, enfim, fazer uma declaração pública de respeito pelo quanto honrou a gloriosa camisa verde-branca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>