Riquelme sí, pero nó

Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Certo dia, em Buenos Aires, visitei um agente de viagens encarregado de conseguir-me um lugar num voo entre a capital e Mendoza. Assim que entrei, de longe perguntei pela reserva. Resposta do simpático: “Sí, pero nó…”

Estava me informando que quase tinha conseguido me incluir no voo. Só que não deu.

Lembrei-me dele, agora, que Paulo Nobre, o presidente do Palmeiras, desfaz toda esperança de Riquelme jogar na equipe.

Desde o início do vem-não vem, achei que era difícil dar certo. No dia em que o craque recebeu seu prêmio das mãos de Flavio Prado e Michelle Gianella na noite do TROFÉU MESA REDONDA, ficou evidente que ele estava mesmo querendo vir para o Brasil.

Foi, portanto, o MESA REDONDA da TV Gazeta que aguçou o interesse do mercado nacional. Depois daquilo, todos sabemos, não foram poucos os interessados pelo seu futebol. Um a um, porém, os clubes foram deixando o assunto prá lá, até que o Palmeiras mostrou firmeza em seu interesse. Mesmo depois que o ex-presidente Tyrone foi à Argentina fazer tratativas pessoais com o craque, pairava baita dúvida. Ou seja, podia ser que sim, mas também podia ser que não.

E chega o momento em que Brunoro, o homem do futebol do Verdão na nova administração, em poucas palavras conclui o tema ao dizer com clareza não achar que pudesse Riquelme dar certo no Verdão. Fim das expectativas.

Foi “sí” por pouco tempo. Pena, seria mais uma estrela de alta classe em nosso futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>