Tribunaléco suspeito

Bruno Cantini/CAM

Bruno Cantini/CAM

Inacreditável, que o futebol brasileiro, ainda conviva com tantos casuísmo.Enquanto o Dr. Joaquim Barbosa dá show na Suprema Corte, calando os suspeitos e inconvenientes e fazendo Justiça com J maíusculo, no futebol ainda vemos o tribunaléco do futebol com um bando de “aparecidos” legislando, como sempre, de forma suspeita e se intrometendo em tudo, como se estivessem acima do bem e do mal. A suspensão de Ronaldinho Gaúcho entra para o ról das atitudes ridículas, dentre tantas anteriores. Casuísmo puro. Eles não tem capacidade para julgar o lance do jogo contra o Grêmio. Primeiro porque não conhecem e segundo porque não tem isenção. O Fluminense nem precisa, porém foi o grande beneficiário de mais essa palhaçada, que, coincidentemente outra vez, favorece um time do Rio. A postagem, que um dos ridículos tinha feito sobre o Ronaldinho, já deveria impedi-lo de se meter no assunto. Mas, isso só valeria se a coisa fosse séria. Não é o caso. Lamento, que também nesse aspecto, o futebol brasileiro esteja tão atrasado. Tribunalécos desse tipo só existem aqui. O mundo civilizado do futebol já se livrou dessa praga. Aqui insistimos em andar para trás.

Cai fora, Neymar

Foto: Sérgio Barzaghi

Mudei de opinião. Sempre quis, e defendi com veemencia, a permanência de Neymar no futebol brasileiro. Mas, não há condição. O futebol por aqui tem um atraso tático assombroso. Tecnicamente, Neymar é infinitamente melhor que os outros. Assim, não tem como evoluir. O Santos gasta uma fortuna para mantê-lo, deve perder um caminhão de dinheiro, não o negociando, sabendo que em 2014 ele terá passe livre. Mesmo assim não consegue contar com ele. Neymar jogou menos pelo Santos, do que Valdívia, reconhecido dói-dói, pelo Palmeiras. E Neymar não se machuca. Mas, ele tem que servir a seleção brasileira em montões de jogos lixo, tipo “super clássico das Américas”, China, Africa do Sul, Iraque, Japão e outras tranqueiras assemelhadas. O clube, covarde, não protesta e o Santos está até ameaçado pelo rebaixamento, quando, com ele, estaria brigando pelo título. Aí, quando ele, eventualmente é “liberado” pela seleção, tem sempre algum palhaço querendo aparecer em cima do astro. Primeiro aquele terceiro cartão amarelo, por comemorar um gol, que o tirou do jogo com a Portuguesa. E agora, o tal Nielsen não sei das quantas, que o expulsou, porque era o Neymar. Qualquer outro jogador, naquele lance com o Pará, não seria colocado para fora. O André, do próprio Santos,  minutos  depois, deu um tapa no rosto do mesmo Pará e nada aconteceu. Não duvidem que o ridículo tribunal de “justiça” da CBF dê-lhe uma grande punição, para também aparecer e depois diminua, após um pedido de desculpas dele, que inflaria os égos dos ridículos membros do TJD. E tem  os torcedores, invejosos, que vaiaram o único craque do país, até nos treinos contra a Africa do Sul, além de chamá-lo de pipoqueiro, durante o joguinho, em São Paulo.E mais a imprensa com imensa má vontade cobrando, até, que ele faça dessa porcaria de seleção brasileira, um time de futebol. Realmente é muito jogador para ficar por aqui. O Brasil merece neguebas, maikons leites, osvaldos e nikões. Desisti. Cai fora, Neymar. A mediocridade é grande demais por aqui. E seu futebol está fora de lugar.