Brasil no caminho certo

Mowa press

Não interessa se o árbitro errou a favor ou não. Se prejudicou a equipe da casa e ajudou o visitante. O que interessa é que a Seleção Brasileira jogou muito bem no primeiro tempo e não precisava da ajudado homem do apito no primeiro gol. Foi bola na mão.

Tendo um pouco mais de tempo para treinar, Mano pode conseguir impor sua filosofia de jogo, moderna, marcando a saída de bola do adversário e atacando com velocidade e com qualidade. Pena que está durando apenas 45 minutos e, como todos sabem, o jogo ainda tem 90 minutos.

No segundo tempo contra os americanos, que jogavam com um uniforme que me fez lembrar do Elefante da Noroeste, o Linense, nosso selecionado ficou vulnerável demais ao deixar de pressionar a saída de bola do adversário.

Nas bolas cruzadas na área brasileira, quando Thiago Silva não cabeceava, era um Deus nos ajude. Rafael, que pega quase tudo, sai pouco nas bolas altas e, por falta de entrosamento, o posicionamento dos demais defensores deixa a desejar.

Pelo menos, ano não precisa queimar uma das vagas para os acima de 23 anos com goleiro. Leva Ralf ou Arouca e Paulinho. Já sei, ele não vai fazer isso. Bem, não interessa quem ele vai levar de veterano para a Olimpíada, o importante é que ele já sabe como devemos jogar. É só pedir para o Marcelo agir mais com o que tem dentro da cabeça e não só com os pés.

É isso ai, o Brasil precisa jogar bem, com regularidade, os noventa minutos. Meio tempo pode ser suficiente para obter uma vantagem e nem sempre o suficiente para garantir uma vitória. Mesmo com Oscar sendo o melhor em campo. Só não vou dormir aliviado porque o Mano continua com a estratégia de fazer substituíção aos 44, 45, 46 minutos. Para que?  Currículo do jogador?

Que coincidência, foi só o Kia chegar perto da Seleção que o meia Oscar resolveu encerrar a pendëncia com o São Paulo? Bertolucci é representante do Kia e agente do jogador. Kia se encontra com Andrés. Qualquer semelhança é mera coincidência.

Enquanto isso nas pistas

Não sei o que é pior: o aproveitamento do ataque do Corinthians em bolas cruzadas ou torcer para os pilotos brasileiros da Fórmula 1 e da Indy?

Na Fórmula 1, até o vovô Schumacher consegue, pelo menos nos treinos, ficar na frente, dar alegria para os alemães e para a sua legião de fãs. Enquanto isso, os nossos brasucas só participam.

Na Indy então, Tony Kanaan numa relargada passa cinco pilotos, em outra já na liderança faltando 8 voltas, consegue ser ultrapassado por três adversários.

Mais uma vez ficou a sensação do prazer encalhada, enroscada, refugada, adiada e o que mais existir rimando com da.

Péssimo início para o Corinthians

Divulgação / Atlético/MG

Em um campeonato que nos últimos anos foi decidido por diferença minima , quem deixa de ganhar seispontos já pode ser considerado fora da luta pelo título?

Creio que ainda não, mas se a competição for equilibrada, vai ser díficil recuperar.

O Corinthians ainda não pontuou, como outros também não. No jogo contra o Atlético Mineiro, colocando em campo a formação titular, vimos que o desgaste da decisão contra o Vasco ficou evidente. Muito mais o mental do que o físico.

O goleiro Cássio mostrou em duas oportunidades a falta de confiança para sair do gol ou segurar a bola. Em uma delas, sofreu o gol da vitória mineira marcado por Danilinho, que mede um pouco mais que 1m50, de cabeça, sem sair do chão. Cassio ficou no meio do caminho, nem antecipou nem ficou para fazer a defesa.Em outro chute, mesmo que cruzado, que é difícil para o goleiro, largou no pé de André, que, para felicidade corintiana, estava impedido.

Não dá para entender porque o árbitro Wilton Pereira permitiu que o goleiro Cássio usasse camisa amarela, se os integrantes da arbitragem estavam vestindo amarelo? Pereira precisa tomar a iniciativa de mostrar o cartão amarelo antes de ser pressionado pelos jogadores, chegar até a linha de fundo em sua diagonal, ter coragem de expulsar quando o atleta merece, como Fábio Santos aos 32 minutos, embora tenha sido só aos 38 e ter autoridade para executar um bola-ao-chão. Os jogadores precisam ficar a uma distâcia que permita que a bola toque agrama para ser disputada. Se nem isso consegue, como vai ter coragem para tomar decisões importantes?

Alô Mano Menezes. Quero mais da Seleção!

  • Mowa Press

Fico pensando comigo.  Qual a experiência positiva que o técnico Mano Menezes obtém ao fazer uma substituição aos 46 minutos do segundo tempo? O que acrescenta? Você, no lugar do Bruno Uvini, não sentiria vontade de mandar o treinador para bem longe, aquele mesmo, palavrão feio! É brincadeira!

Ganhando o jogo por 3 a 1, dominando um adversário mais fraco que time da série B do Brasileiro, coloca o garoto que nem toca na bola. Vai pro escambau Mano. E não é a primeira vez que ele faz isso. Será que o gaúcho carrega um trauma da época que foi jogador sem muito recursos técnicos?

A Seleção fez um primeiro tempo, para quem treina apenas um dia, empolgante mas, no segundo, mostrou que não dá para o torcedores  se
empolgarem. Com 3 a 0, contra uma baba, o goleiro Jefferson precisa dar balão pra frente. Vamos criar coragem e condições de sair jogando de traz quando? Com quem? Contra quem?

E não adianta ficar pensando em Muricy, Felipão ou quem quer que seja.

Não temos tempo para treinar nem talentos. O que será que Mourinho, que estava no estádio, pensou? Só Pepe Guardiola para dar jeito?

Aqui é trabalho meu filho!

Pinheiros x Brasília

Brito Junior - Divulgação

Para aqueles fanáticos por basquete, sensacional o que proporcionaram Brasília e Pinheiros no jogo 4 das semifinais. Empate no final do quarto tempo com o cronômetro zerado e dois lances livres convertidos pelo geladérrimo Nézinho.
Primeira prorrogação empatada, porque Alex não foi tão eficiente quanto seu companheiro Nézinho e Marquinhos do Pinheiros fez uma cesta de três faltando 11 segundos. Final do jogo com vitória da equipe do bravo ClaudioMortari por 109 a 105.
Agora, teremos o quinto jogo domingo em São Paulo. Dá-lhe Pinheiros, clube onde meu filho mais velho faz parte da história gloriosa da natação pinheirense e brasileira.

Série B começa esquentar

Caramba, como podem duas equipes criarem tantas situações de gol e o jogo ficar zero a zero ? Isso mesmo. Guarani e Boa Esporte criaram inúmeras oportunidades,  mas não marcaram um golzinho para alegria dos seus torcedores.

Se os atacantes foram incompetentes, os goleiros Juliano do Guarani e o veterano Max, 37 anos, do Boa, se consagraram.
Foi um daqueles placares zerados, que o torcedor deixou o estádio cheio de comentários, satisfeito e com muitas receitas de como se faz para marcar um gol.

Na arquibancada ou no sofá é muito mas fácil.

Em Natal, ABC e Joinville não criaram tantas oportunidades mas, quando o time catarinense marcou, o assistente  Marcos Brigido invalidou, equivocadamente, marcando impedimento.

Lance difícil, mas que consagra ou ferra o assistente. Depende do seu posicionamento na linha da zaga. Os catarinenses poderiam atravessar o Brasil mais felizes.

Pensa que é só na elite do futebol brasileiro que a dança das cadeiras dos técnicos acontece?

Na série B elas mudam de posição mas, como na série A, são ocupadas pelas mesmas bundas. O São Caetano trocou Marcio Araujo por Sergio Guedes.

A profissão é ingrata para quase todos,  mas ninguem larga!

Dida lusitano

AFP

Parabéns para a Portuguesa que resolveu dar uma oportunidade para que o goleiro Dida volte a praticar o futebol profissional novamente, depois de dois anos inativo.

Ele gostaria mesmo era de poder ter voltado ao Corinthians mas, ninguém quis arriscar. Ou não confiaram no que ele é capaz ou não tinha comissão?

Para quem é um ídolo na história contemporânea do clube, não receber nenhum telefonema é muito frustrante. Se vai dar certo ou não, só lá na frente vamos saber, mas que vale a pena investir , isso é fato.

A Portuguesa já fez isso antes com Zagallo e Roberto Dinamite. E o retorno foi satisfatório. Parabéns!!

Léo, o símbolo santista

Djalma Vassão - Gazeta Press

E agora? Vamos ter na final da Libertadores uma equipe querendo repetir a façanha de 49 anos atrás ou quem pode ser campeão pela primeira vez? Isso mesmo, foi difícil mas o Santos eliminou o Vélez, nos penaltis e faz uma das semifinais contra o Corinthians.

Será um clássico paulista com grife internacional. E a arbitragem vai ser
paulista, brasileira ou do exterior?

É uma pena que a Conmebol não permita que os dois brasileiros se
encontrassem apenas na decisão. É o regulamento, ora bolas.

Neymar não marcou, Ganso não pipocou, mesmo com artroscopia marcada para essa sexta feira, Alan Kardec carimbou e levou a decisão para os pênaltis e Léo, que entrou no lugar de Juan e deu o passe para o gol, aproveitou, mais uma vez, para desabafar.

Alguém precisa orientar o Léo que, mesmo veterano, parece bebê chorão e, ao invés de aproveitar os momentos de felicidade e alegria para saborear o doce mel que sua competêcia proporciona, fica enaltecendo o inimigo, até então oculto, não o impede de ser melhor aproveitado por Muricy.

Quem não dá valor a voce Léo? É a diretoria, ou ‘Muricy? Se não tem coragem de revelar quem o atrapalha, viva os momentos alegres plenamente e pare de ser ranzinza “véinho”

Paulistas riem, cariocas choram

AFP

Diferentemente dos clubes paulistas, o futebol carioca chorou a eliminação, na mesma noite,
de dois fortes representantes na Libertadores. O técnico Abel Braga não merecia o que aconteceu com o Fluminense.

Dentro do Engenhão, como há algum tempo no Maracanã, o tricolor decepciona sua torcida ao empatar com o Boca, sofrendo o gol aos 45 minutos do segundo tempo.

Não podemos esquecer que no jogo em Buenos Aires, vencido pelo Boca, o árbitro Buitrago não marcou pênalti para o Flu, quando um defensor argentino coloca o braço na bola e expulsou o lateral Carlinhos.

A classificação do Boca ficou bem encaminhada no jogo de ida.

Na volta só precisou abotoar o caixão.

São Paulo mostra força

Rubens Chiri/ www.saopaulofc.net

Confesso que não acreditava na classificação do São Paulo na Copa do Brasil.

O Tricolor eliminou o Goiás no Serra Dourada com méritos. Só empatou e não ganhou de virada porque o árbitro Fabricio Neves anulou um gol legítimo de Rodolfo.

Inventou falta que só ele viu. Ninguém apoiou em ninguém, como ele justificou ao fazer o gesto para que todos entendessem o que ele havia marcado.

É o futebol paulista matando os demais estados de inveja.

Palmeiras e São Paulo na semifinal da Copa do Brasil, Corinthians e Santos semifinalistas da Libertadores. 

Clássico paulista dentro da competição internacional e uma possível final que vale vaga na Libertadores. Interessante demais