Jogo tenso e o Palmeiras largou na frente

Em um jogo cheio de lances discutíveis, Palmeiras e Santos iniciaram a decisão do Paulistão 2015 com vitória alviverde por 1 a 0, gol de Leandro Pereira no primeiro tempo.

O Palmeiras ainda teve um pênalti a seu favor aos 10 minutos do segundo tempo mas, Dudu chutou no travessão desperdiçando a chance de aumentar a vantagem para o segundo jogo na Vila Belmiro.

A equipe comandada pelo técnico Oswaldo de Oliveira não jogou bem e não conseguiu tirar proveito de ficar com um jogador a mais com a expulsão do jovem Paulo Ricardo no lance que resultou em pênalti para o Palmeiras.

Ele ficou segurando Leandro Pereira de fora da área até dentro da área. Muita inocência, ainda bem, para os santistas, que Dudu errou. Aliás, não entendi porque o árbitro correu até a marca do pênalti para mostrar que havia marcado pênalti. Tenso, nervoso e inseguro, acabou errando e mostrando o cartão vermelho para David Braz. Informado pelo assistente Carlos Nogueira, corrigiu o erro.

As equipes jogaram todo o segundo tempo comandadas pelos auxiliares Luiz Henrique e Serginho Chulapa, já que o árbitro Vinicius Furlan expulsou Oswaldo de Oliveira e Marcelo Fernandes por reclamações ao termino do primeiro tempo.

O lance que merece discussão é o que resultou no único gol do jogo. Cleiton Xavier toca a bola na direção de Robinho que, impedido, abre as pernas mostrando para mim que não queria jogar deixando a bola ir até Lucas que cruza para Leandro Pereira fazer o gol.

O assistente Anderson Coelho viu que Robinho estava impedido ou não? Entendeu o assistente que Robinho não quis jogar a bola estando em condição irregular? A ação de Robinho não tirou ninguém do Santos da jogada, tanto é que Victor Ferraz continuou correndo para a bola e ninguém reclamou. Apenas Chiquinho, no lançamento, ergue o braço, ele que estava acompanhando Lucas.

Se ninguém marcar no próximo jogo, o gol do título continuará sendo discutido.

Outro lance que deixou os palmeirense bravos foi o de um possível pênalti de Geuvânio em Rafael Marques. O jogador santista vai na perna esquerda do palmeirense que, desequilibrado, erra o chute e cai. A bola sobra para Robinho que chuta para marcar e Wladimir defende com o pé, evitando o segundo gol do Palmeiras.

O árbitro estava muito próximo da jogada e não faz gesto algum, nem de vantagem nem de levar o apito à boca.

Será que o apitador entendeu que foi uma jogada normal ou ele deu vantagem e Robinho desperdiçou? Mas, pênalti tem vantagem? Tanto quanto as faltas que acontecem fora da área, o árbitro pode aplicar a lei da vantagem sim em lance de pênalti.

Mesmo não estando na súmula já que não foi relacionado, Valdívia foi citado pelo árbitro já que, no intervalo, disse aos árbitros “que era uma vergonha, um roubo”. Se for citado pelo Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista o palmeirense poderá será punido com suspensão. Ele não tem que cumprir automática já que não foi expulso.

A tensão atrapalhou demais o desempenho das duas equipes. O Santos sentiu muito a ausência de Robinho, jogador que deixa os companheiros mais seguros e confiantes quando ele está em campo. Até o equilibrado técnico palmeirense perdeu a classe quando procurou um lugar no meio da torcida para poder orientar a equipe após ser expulso.

Ficou em pé na frente de quem pagou ingresso e ainda achou ruim ao ser questionado pelo torcedores. É mole? Ele pode ser vice campeão de novo, será?

 

O árbitro da decisão

Definida a arbitragem para o jogo que inicia a decisão do Paulistão.  Só nos resta torcer para que o novato e promissor árbitro Vinicius Furlan consiga ser feliz, junto com seus assistentes, como foi no clássico Palmeiras  x São Paulo, lembram-se?

Foi uma verdadeira prova de fogo para ele e pelo jeito foi aprovado.  Comandará Palmeiras x Santos, tendo nas bandeiras os não menos competentes e experientes Carlos Nogueira Junior e Anderson Coelho. O reserva também é, apesar da pouca idade, bem rodado, Guilherme Ceretta de Lima.

Teoricamente, para muitos, o primeiro jogo sempre é mais tranquilo já que ninguém quer ser punido e ficar de fora do espetáculo final que acontece no segundo jogo quando teremos a foto oficial e a volta olímpica.

Porém, sempre algum babaca acaba aprontando e temos aqueles que gostam de desafiar o árbitro. Mesmo estando pendurado faz alguma besteira passível de punição e implora para o juizão não lhe tirar da final. Ficar de fora ou não não é problema do árbitro e sim, do jogador indisciplinado.

No Paulistão deste ano Furlan já pitou seis vezes e os mandantes venceram cinco e o visitante uma vez. Fez um jogo do Palmeiras e esteve no clássico Santos 2 x Palmeiras 1, como quarto árbitro. Mesmo sendo a escala definida através do sorteio, sabemos que só participa dele os nomes de quem é aprovado pelas duas equipes. Então só nos resta torcer para que tudo corra bem. Que a arbitragem tenha sorte e competência.

A Libertadores vai pegar fogo!!

Libertadores da América 2015. E quem falou que os confrontos não seriam espetaculares se deu muito mal. As oitavas de final, serão daquelas de arrepiar qualquer torcedor.

Cinco brasileiros, quatro argentinos , um mexicano, um equatoriano, um uruguaio, um paraguaio, dois colombianos e um boliviano.

E jogos espetaculares logo no primeiro mata-mata de oitavas de final. Como não se emocionar com um Boca x River de “prima”. O Boca Juniors com a melhor campanha da história na primeira fase, 18 pontos em 18 possíveis.

No lado “millionário” , um time jovem que sofreu até os últimos minutos para conseguir a classificação.

Entre os brasileiros, Internacional e Galo logo nas oitavas. Pena, viu!! Achava que esses dois poderiam evoluir mais na Libertadores, mas um já ficara no caminho.

No outro, São Paulo x Cruzeiro. O tricolor vem motivado pela super partida contra o Corinthians. Mais do que isso, a chama , o espirito da Libertadores foi reativado no tricolor paulista.

Já o Corinthians, tem uma tarefa mais fácil (na teoria). O Guarani do Paraguai. Será que o timão avança fácil???

Nos outros confrontos, o Nacional deve passar pelo Emelec, o Santa Fé pelo Estudiantes, O Tigres pelo Sucre e o Racing pelos uruguaios do Wonderer. Palpite.. Palpite hein!!!

Arbitragem confusa na quebra do tabu!!

Justificar a derrota para o São Paulo apontando equívocos da arbitragem torna-se cômodo demais, ou não?

O Corinthians perdeu porque foi inferior tecnicamente, taticamente, na disposição e necessidade. Superior mesmo, só na indisciplina. Fisicamente a equipe está deixando a desejar já faz algum tempo e a desculpa é sempre a mesma: cansaço, físico e mental.

Então, como entender as escalações que o técnico Tite coloca em campo para iniciar os jogos e as substituições? Há ou não há alguma coisa diferente entre as palavras e as atitudes? Qual é a verdade verdadeira?

Coincidentemente, os dois jogadores que mais aprontaram e provocaram disciplinarmente no clássico contra o Santos e Palmeiras, Emerson Sheik e Mendoza, e não foram expulsos, no confronto com o São Paulo viram o cartão vermelho e, principalmente Sheik, prejudicou muito o Corinthians deixando seus companheiros com um jogador a menos a partir dos 19 minutos do primeiro tempo.

Para um time que já estava sendo sufocado, a diferença numérica facilitou para que Luiz Fabiano e Michel Bastos, com a colaboração do goleiro Cássio, fizessem os gols que deram a vitória e consequente classificação Tricolor para  a fase seguinte da Libertadores.

O árbitro Sandro Meira, o brasileiro melhor qualificado atualmente no quadro internacional brasileiro, estava tenso com o ambiente premeditadamente criado pelo presidente são-paulino e preferiu pecar pelo excesso do que pela omissão.

Ele não viu o que Sheik fez com o adversário Tolói, porém, informado por um dos integrantes da arbitragem, possivelmente o Assistente Fabrício Vilarinho, expulsou o corintiano quando, no máximo, com muita boa vontade, uma advertência com o amarelo já seria o suficiente. Mas, Sheik precisava ter feito o que fez? O pisão que recebeu do zagueiro, na disputa da bola, poderia ter sido descontado numa disputa de bola, ou não?

Para o segundo tempo, com um jogador a menos e 2 a 0 no lombo, o técnico Tite colocou em campo Spinoza, no intervalo, outro jogador que sente mais prazer em tumultuar do que em jogar e, logo aos 10 minutos, tenta agredir Luiz Fabiano.

O braço esquerdo do corintiano acerta de raspão o peito e o braço direito do adversário. Imediatamente e de forma irresponsável como sempre, Luiz Fabiano que havia sido advertido com o amarelo aos sete minutos por reclamar acintosamente contra o assistente Vilarinho, coloca as duas mãos no rosto e se joga no chão.

Palhaçada pura do são-paulino que foi advertido pela segunda vez e, consequentemente, corretamente expulso, o mesmo acontecendo com o atacante corintiano. Se o técnico Tite e a diretoria tivessem puxado a orelha dos indisciplinados será que eles teriam repetido o comportamento?

Outro jogador que deveria ter sido punido com o cartão amarelo foi Centurion que, após disputa de bola com Elias e ser empurrado com o braço na altura do tronco, caiu na grama com as mãos no rosto. O árbitro preferiu conversar apenas com Elias, que se desculpou. Que o técnico Milton Cruz e a diretoria fiquem atentos com o comportamento do seu jogador que é melhor simulando do que jogando bola.

A postura do técnico Tite merece todo o respeito mas, nem por isso, tudo o que ele fala e jura devo acreditar. Ele disse que não sabia que se o Corinthians marcasse um gol o seu adversário na sequência da Libertadores seria outro, o Atlético Mineiro e não o Guarani paraguaio.

E o pessoal do São Paulo, que vai pegar o Cruzeiro, não sabia?  Numa dessas, vai que alguém faz um gol contra, por uma infelicidade qualquer e? Tem corintiano achando que o time perdeu de propósito só para ter um adversário, teoricamente, mais fraco.

Os confrontos para a fase eliminatória ficaram assim: River x Boca, São Paulo x Cruzeiro, Guarani x Corinthians, Montevidéu x Racing, Emelec x Atlético Nacional, Tigres x Sucre, Estudiantes x Santa Fé e Atlético Mineiro x Internacional. Aliás, a classificação do Galo foi mais uma prova de fé. Os mineiros iniciaram o jogo eliminados e necessitando de uma vitória por dois gols. Saiu na frente com Pratto, errou um pênalti com Guilherme e, no finalzinho do jogo, Rafael Carioca acertou um chutaço e fez a alegria de quem compareceu no horto. Será que os gaúchos também vão ser derrotados na bola ou na fé?

Santos e Palmeiras na decisão

Os finalistas do Paulistão já são conhecidos e não faltou emoção, futebol bem jogado, lindos gols e belas defesas nos jogos em que o Palmeiras derrotou o Corinthians por 6 a 5 nos pênaltis depois de 2 a 2 nos 90 minutos e o Santos eliminou o São Paulo por 2 a 1. A pergunta que não quer se calar é: o Corinthians perdeu ou não a invencibilidade no Paulistão?

O jogo foi eliminatório e uma equipe foi a vencedora, o Palmeiras por 6 a 5 nas penalidades. O Corinthians está eliminado com a melhor campanha invicto ou derrotado? A certeza é uma só, a discussão nunca terá um consenso.

Estádio com mais de 39 mil torcedores quase ficou em silêncio não fosse a alegria dos poucos palmeirenses presentes que comemoraram o gol de Vitor Ramos, aos 15 minutos, após cruzamento que a bola toca em seu braço e o goleirão Cássio, com todo aquele tamanho, não sair do gol. O placar mexeu com o emocional dos jogadores e o jogo ficou muito difícil para o jovem árbitro Thiago Peixoto manter a disciplina. A falta de respeito dos jogadores com os apitadores é muito grande, com a conivência dos treinadores.

A virada corintiana veio ainda no primeiro tempo através de Danilo, sempre ele, de cabeça aos 33 minutos e com um chutaço do colombiano Mendoza de fora da área no cantinho esquerdo de Fernando Prass, para delírio d massa corintiana.

De virada é mais gostoso, ou não? Ainda mais em cima de um adversário tão rival e tradicional como é o Palmeiras. Mas, não seria dessa vez não. Já sem Valdívia em campo, substituído por Gabriel Jesus, que nem quis cumprimentar o técnico, o Palmeiras empatou com Rafael Marques, de cabeça, e, mais uma vez a bola passeou pela área pequena corintiana e o goleirão Cássio plantado no gol.

Com medo de arriscar e ser surpreendido, as duas equipes procuraram manter a posse da bola e decidir nos pênaltis. E, mais uma vez, não faltou emoção O Palmeiras iniciou as cobrança com Robinho, exímio cobrador de faltas que chutou a bola pra torcida.

Fábio Santos fez 1 a 0, Rafael Marques empatou, Renato Augusto levou para 2 a 1, Vitor Ramos igualou, Fagner fez 3 a 2, Cleiton Xavier empatou novamente em 3 a 3, Ralf manteve o aproveitamento, 4 a 3, Dudu encerrou a primeira fase de cobradores palmeirenses deixando o placar em 4 a 4.

Elias foi o encarregado de efetuar a quinta cobrança corintiana e, marcando, colocar o Timão na final. Mas, para infelicidade do corintiano o goleiro Fernando Prass, talvez, inspirado em Marcão, defendeu deixando o placar empatado em 4 a 4 e um erro para cada equipe.

Na segunda série, aquela que continua sendo chamada de “série alternativa”, até parece que a primeira de cinco não é alternada, teve apenas duas execuções para cada lado. O Palmeiras passou na frente com Kelvin fazendo 5 a 4, Gil empatou e Jackson fez 6 a 5. Petros tinha que marcar mas, a mesma mão esquerda que Prass esticou e não defendeu o chute de Mendoza durante o jogo, foi a mesma que pegou o pênalti de Petros e classificou o Palmeiras para a decisão, 6 a 5. O interessante é que o goleiro do Palmeiras não tinha informações sobre a maneira de cobrar pênaltis de Elias e Petros, justamente os que ele defendeu. É mole?

A arbitragem de Thiago Peixoto foi regular porém, acertou ao interpretar, se é que viu, lance acidental a bola que toca no braço de Vitor Ramos antes de fazer o primeiro gol palmeirense e como bola na mão o chute de Cleiton Xavier que atinge o ante-braço esquerdo de Ralf, dentro da área corintiana. A falta de experiência em clássicos e de vida, já que é jovem, pesou e atrapalhou sua conduta no momento de se impor e ser respeitado. Dizem os mais experientes que “o tempo é o senhor da razão”.

O adversário será o Santos que chega à sua sétima final consecutiva. Jogando na Vila Belmiro o Santos foi superior o tempo todo e o São Paulo voltou a ser o mesmo dos tempos que era comandado por Muricy Ramalho. Será que os jogadores já estão derrubando o interino Milton Cruz?

O Santos fez 1 a 0 numa bela jogada individual de Geuvânio que pegou a bola na sua intermediária e atravessou todo o campo até chegar próximo da área são-paulina e acertar um petardo indefensável para Ceni. Como pode uma equipe com três volantes e três zagueiros deixar o adversário carregar a bola numa distância assim sem ser combatido ou derrubado?

No segundo tempo o artilheiro do Paulistão, Ricardo Oliveira, depois de perder dois gols feitos fez o seu décimo gol e abotoou o caixão do Tricolor, 2 a 0. Robinho aproveitou para deixar o campo e continuar sendo poupado para a grande final já que estava sentindo dores na coxa esquerda. No finalzinho do jogo, quando a torcida santista gritava olé Luiz Fabiano, impedido, diminuiu, 2 a 1. Nos minutos finais o São Paulo pressionou mas não foi o suficiente sendo derrotado e eliminado, podendo se dedicar inteiramente a Libertadores. Quarta-feira terá no Morumbi o também eliminado Corinthians. Quem sofrerá duas derrotas seguidas em clássicos? Uma derrota Tricolor significa eliminação da Libertadores.

 

São Paulo na torcida pelo Corinthians??

Foi sofrido, foi difícil mas o São Paulo conseguiu vencer o Danúbio, de virada, 2 a 1, lá em Montevidéu e continua vivo na Libertadores, dependendo só de si para conseguir a classificação.

O futebol que o Tricolor jogou foi condizente com o gramado ruim e pequeno do estádio Luiz Franzini, que pertence ao Defensor SC. O vento forte também contribuiu para dificultar ainda mais os limitados jogadores das duas equipes. Fisicamente a equipe da casa morreu nos minutos finais.

No primeiro tempo o São Paulo conseguiu ser dominado pelos uruguaios que ainda não venceram na competição. Melhorou no segundo tempo mas, mesmo assim, saiu perdendo com um gol de Sosa que acertou um foguete da intermediária e o goleirão Rogério Ceni aceitou.

Pato, de cabeça, empatou e Centurion fez o gol da vitória, também de cabeça, aos 45 minutos. O Assistente peruano Luis Murillo foi corajoso em não erguer a bandeira já que a posição do atacante são-paulino era legal, porém, duvidosa.

A classificação do grupo 2 tem o Corinthians liderando com 12 pontos, São Paulo está com 9, San Lorenzo soma 6 e o Danúbio continua com zero. O jogo desta quinta-feira entre Corinthians e San Lorenzo, na Arena Corinthians, além de importantes para os envolvidos diretamente também interessa ao Tricolor. Se o Timão vencer o São Paulo joga por um empate na rodada final contra o rival alvinegro.

A vitória são-paulina complicou os planos do técnico Tite. Será que ele vai usar um time misto, titular ou reserva contra os necessitados argentinos logo mais. Não podemos esquecer que domingo teremos a rodada semi-final do Paulistão quando o Corinthians enfrentará o Palmeiras e o São Paulo vai para o litoral encarar o Santos. Que sinuca, heim?

O tempo de descanso para os corintianos será menor, enquanto o Palmeiras só treina. O Santos também jogou na quarta pela Copa do Brasil e poupou seus principais jogadores. Mesmo assim, eliminou o Londrina ao vencer por 1 a 0, gol de Elano.

Vamos aguardar para ver quem será mais criativo nas desculpas aos ser eliminado do Paulistão.

Erro grotesco em Corinthians x Ponte

A nossa arbitragem voltou a ocupar posição de destaque no noticiário esportivo após a rodada eliminatória do final de semana. Infelizmente, um erro grotesco foi cometido pelo assistente Vicente Romano Neto no jogo em que o Corinthians venceu a Ponte Preta por 1 a 0, encerrando a participação dos campineiros no Paulistão.

Equivocadamente foi marcado impedimento de Renato Cajá quando ele aproveitou um rebote do goleiro Cássio e fez 1 a 0 para a Macaca. Cajá estava atrás da linha da bola no momento do chute, portanto, sua condição era legal.

A vitória por 1 a 0, gol de Renato Augusto depois de uma bela triangulação com as participações de Jadson e Vagner Love, mostra bem como foi difícil a melhor equipe do campeonato superar seu tradicional adversário.

Tá certo que o Corinthians não vem jogando tão bem, apresentando uma queda de produtividade preocupante. A equipe não pôde contar com o artilheiro Guerrero, internado com suspeita de dengue. Antes da semi-final com o Palmeiras o Timão joga quinta-feira pela Libertadores contra o San Lorenzo.

Completando a rodada que abriu as quartas-final no sábado, o São Paulo derrotou o Red Bull Brasil por 3 a 0 com gols de Rogério Ceni, Pato e Ganso. Sob o comando interino de Milton Cruz, jogadores que nada estavam produzindo com Muricy Ramalho resolveram se empenhar um pouco mais após a saída do técnico. Ficou bem nítido que o antigo treinador estava sendo sabotado, num total desrespeito com o clube, sob a conivência dos diretores.

Se não, vejamos. A equipe continua sendo comandada por dois integrantes que auxiliavam Muricy, MIlton Cruz e Tata. O que eles conseguiram mudar, implantar, que o antigo treinador não deixava ou não praticava? O posicionamento do Ganso, do Pato, do Michel Bastos? Estão de brincadeira, né? E ainda tem cara-pálida que diz que jogador não derruba técnico. E se tivesse então? Mas, se a equipe já está na semi-final do Paulistão contra o Santos, as coisas continuam complicadas na Libertadores. Quarta-feira o jogo será em Montevidéo contra o Danúbio.

O Palmeiras também teve muitas dificuldades para eliminar o Botafogo com a presença de um pouco mais de 35 mil torcedores. O placar também foi de 1 a 0 numa marra desgramada, gol de Leandro Pereira, de joelho, aos 26 minutos do segundo tempo.

Pressionado pela imbecilidade da Federação Paulista de Futebol ter aceitado vender espaços no uniforme do árbitro para dois patrocinadores do Palmeiras, o árbitro Marcelo Rogério optou em pecar pela honestidade e, na dúvida, a decisão era sempre contra o Palmeiras. Se as regras são interpretativas, os malandros que se explodam.

Mesmo assim, agiu corretamente ao marcar falta de Eli Sabiá no goleiro Fernando Prass. O jogador do Botafogo cabeceou o braço esquerdo do goleiro que soltou a bola que já estava em suas mão após a cobrança de escanteio. Na sequência, a bola bate na cabeça de Sabiá e vai para Bruno Costa, impedido, marcar o gol que daria a vantagem no placar de 1 a 0 para o Botafogo, aos 5 minutos de jogo. Então, tivemos no mesmo lance falta em Prass e impedimento de Bruno Costa.

O Botafogo não tem do que reclamar. O árbitro deveria ter marcado pênalti de Gimenes em Dudu, quando o lateral botafoguense empurrou o atacante palmeirense pelas costas após um cruzamento. Um outro possível pênalti envolvendo os dois jogadores não foi, corretamente, marcado. Dudu segura o lateral pelo braço e o defensor segura o atacante pela camisa. Os dois caíram dentro da área e o árbitro deixou o jogo seguir.

Os Assistentes do Marcelo Rogério tiveram pouco trabalho. Porém, Danilo Manis marcou impedimento equivocado do palmeirense Lucas no primeiro tempo e deixou de marcar a posição irregular do botafoguense Zé Roberto no segundo tempo.

Talvez, ele não tenha erguido a bandeira porque Zé Roberto chutou para fora, perdendo o gol. Talvez. Já o Assistente Fabrício Moura foi perfeito no lance que Dudu fez 1 a 0 e ele marcou impedimento aos 22 minutos do segundo tempo. Quando Valdívia toca na bola, desarmando o adversário e passando para o companheiro, Dudu está adiantado.

Será que a Federação precisava mesmo estampar Crefisa e FAM Faculdades das Américas nas camisas dos árbitros? Será que os árbitros, que já não recebem direito de arena, também não vão ser remunerados pela publicidade? E ainda tem quem chama os árbitros de ladrões.

O jogo mais tranquilo para a arbitragem foi a vitória do Santos de 3 a 0 contra o XV de Piracicaba, com gols de Robinho e Ricardo Oliveira, ambos de pênaltis, e Lucas Lima numa bobeada de Fabiano na saída de bola da defesa do Nhô Quim.

Aliás, a tarde não será facilmente esquecida pelo lateral do XV. Ele fez o primeiro pênalti em Lucas Lima no primeiro tempo de perdeu a bola no terceiro gol santista para o próprio Lucas Lima, melhor jogador em campo. Com dores na coxa esquerda, Robinho foi substituído no início do segundo tempo.

Guilherme Ceretta de Lima foi o árbitro e ficou bem a vontade para apitar o jogo. As duas equipes ficar descontentes com a escalação dele. Quando isso acontece é melhor do que um clube criticar e o outro elogiar. Os Assistentes não tiveram trabalho nenhum. Apenas um impedimento no primeiro tempo de jogo. Que moleza!

Grande x pequenos no Paulistão

A última rodada de classificação do Paulistão se contrastou entre alegria e tristeza. Enquanto jogadores do XV de Piracicaba e Linense vibravam e festejavam pelos objetivos  alcançados, integrantes da Portuguesa e do Penapolense deixavam os gramados cabisbaixos, levando para os vestiários o peso do rebaixamento em suas carreiras.

Gosto  amargo que técnico vencedor e campeão como PC Gusmão está experimentando com o time de Penápolis. A classificação final reflete bem os equívocos administrativos destes dois mais Bragantino e Marília, equipe com a pior campanha de todos os campeonatos reunindo a elite paulista.

Para clubes considerados pequenos, é bem mais lucrativo participar de uma divisão inferior disputando o título do que ficar numa divisão superior com o objetivo apenas de não cair. A cidade se mobiliza mais e a presença de torcedores é bem maior.

Há motivação e o público pagante é bem superior. A Federação Paulista também precisa parar com a exigência da construção ou ampliação dos estádios considerados “acanhados”. Hoje temos enormes estádios com públicos diminutos. Verdadeiros elefantes brancos pelo interior paulista.

Quem teve a coragem de comparecer ao Morumbi, pouco mais de cinco mil torcedores, viu um São Paulo com mais determinação em campo, mostrando que a saída do técnico Muricy Ramalho motivou alguns jogadores tipo “sutiã com bojo”, aqueles que enganam pra caramba a correrem mais. Vale lembrar que estrelas como Ceni, Toloi, Michel Bastos, Souza, PH Ganso, Kardec e Denilson não estavam em campo.

O placar de 3 a 0 mostrou bem a superioridade do Tricolor contra a Lusa. Se em toda a rodada a arbitragem foi boa, não havendo erros que interferissem no resultado e na classificação final, o árbitro Alessandro Darcie cometeu um equívoco no terceiro gol são-paulino marcado por Hudson. O pênalti que ele marcou em Cafú, para mim não aconteceu.

Porém, na cobrança pelo próprio Cafú e defendida pelo goleiro Rafael Santos, tivemos invasão da área por jogadores das duas equipes o que a regra manda que o pênalti seja cobrado novamente independentemente da definição.

O terceiro erro da arbitragem foi confirmar o gol de Hudson que cabeceou o rebote do goleiro por ser um dos invasores. Se o árbitro não voltou a cobrança deveria ter marcado tiro-livre-indireto contra o jogador do São Paulo.

A vitória combinada com o empate do Palmeiras contra o Ituano em 2 a 2, deixou o Tricolor com a terceira melhor campanha geral somando 32 pontos e o rival em quarto com 31.

O Linense se livrou do rebaixamento ao ganhar do Red Bull Brasil, em Campinas, por 1 a 0, gol marcado no finalzinho do jogo. A vitória do “Elefante”rebaixou o Penapolense que perdeu para o São Bento por 1 a 0. Como são cidades e clubes vizinhos, a região noroeste perde um representante que foi muito bem no ano passado. Vitória pessoal do técnico Narciso, demitido pelo Penapolense e um dos salvadores do Linense. É a vida.

Também tivemos festa em Piracicaba. O XV empatou em 2 a 2 com o Corinthians e confirmou sua classificação para a fase quartas-de-final que terá os seguintes confrontos: São Paulo x Red Bull Brasil, Corinthians x Ponte Preta, Palmeiras x Botafogo e Santos x XV de Piracicaba. Os confrontos serão Sábado e Domingo com vantagem de campo para os “grandes” Havendo empate no tempo normal teremos prorrogação e, continuando empatado, os grandes passam por terem melhor campanha. Será que teremos zebra como no ano passado?

Reta decisiva no Paulistão

A última rodada de classificação do Paulistão terá jogos envolvendo adversários dos grupos 1 contra 3 e 4 enfrentando 2. De um total de 10 jogos, oito são de muita importância para os dois ou um dos adversários. Será um bom teste para os árbitros da Federação Paulista.

No jogo São Paulo x Portuguesa, o Tricolor será comandado interinamente pelo Milton Cruz já que Muricy Ramalho deixou o comando da equipe. O São Paulo, 29, precisa dos pontos para ficar numa condição melhor que Palmeiras e Santos na classificação geral. A Portuguesa, 13 pontos, necessita da vitória e da combinação de resultados para não ser rebaixada para a série A-2 paulista. Jogo que deverá exigir muito da arbitragem pela situação dramática da Lusa e o momento atual que vive o Tricolor.

Embora esteja numa condição melhor na tabela, 15 pontos, o São Bernardo não pode dar mole contra o invicto e rebaixado Marília (nenhuma vitória) para não ser surpreendido na combinação de resultados. O tranquilo Red Bull Brasil, 24, já garantido para enfrentar o São Paulo nas quartas-de-final, recebe o desesperado Linense que, com 13 pontos luta contra o rebaixamentoN

Numa situação mais cômoda o Rio Claro, 16 pontos, precisa de pelo menos mais um para não depender de ninguém. O adversário é o Santos lá na Vila Belmiro que, com 31 pontos pode ser alcançado por Palmeiras com 30 e São Paulo com 29 na classificação geral. O Palmeiras vai até Itu enfrentar um adversário tranquilo para o último jogo. Não se classifica nem está ameaçado. Alguém vai querer vencer, ou não?

Olha só que interessante o confronto entre o Penapolense com 15 pontos e quatro vitórias contra o tranquilo São Bento que está com 18. O jogo será na cidade de Penápolis e a equipe da casa precisa vencer para tentar a classificação e ao mesmo tempo não correr o risco de ser rebaixada.

É um olho na parte de cima e outro no rabo. Ah, para se classificar, mesmo vencendo, ele torce contra o XV de Piracicaba que enfrenta o invicto Corinthians lá no Barão da Serra Negra. O Nhô Quim está com 17 pontos e cinco vitórias. O Timão vai perder a invencibilidade?

Para completar a relação de confrontos decisivos o Capivariano faz um clássico regional recebendo a Ponte Preta. Com 13 pontos a equipe da casa luta contra o rebaixamento e a Macaca, que já está classificada com 27, vencendo, vai a 30 e torce contra o São Paulo para ficar com a quarta melhor campanha geral. Legal né?

Nos outros dois jogos que completam a rodada não existe briga direta pela classificação nem pelo rebaixamento mas estará em jogo uma possível classificação para uma das divisões do Brasileirão.

O Mogi Mirim com 20 pontos recebe o Botafogo que tem 19 e o rebaixado Bragantino recebe o Osasco Audax, que está com 19 pontos e vai tentar conseguir uma vaga mesmo que seja por indicação da FPF.

Além da tristeza que as torcidas dos clubes rebaixados estarão sentindo, também teremos, ao término da rodada, muitos profissionais desempregados. A vida útil para alguns clubes considerados pequenos do futebol brasileiro, e não só de São Paulo, dura apenas três meses. É a vida. É bonita mas é sofrida, ou não?

Timão com vantagem no Paulistão

No confronto entre os dois melhores times do futebol paulista deu empate, 1 a 1. Para o Santos ficou o gostinho de ter quebrado os 100%  de aproveitamento do Corinthians na competição e não perder no estádio do Timão.

O primeiro tempo foi dominado pelo Corinthians que poderia ter ido para o intervalo com um placar elevado se não fosse a incompetência dos seus finalizadores e a excelente atuação do goleiro Vladimir fazendo defesas consideradas milagrosas se redimindo da péssima atuação que teve contra o São Bento, falhando nos dois gols que sofreu. Só não conseguiu evitar o gol de cabeça de Felipe.

O Santos mudou seu comportamento no segundo tempo e comandou as ações pressionando a saída de bola corintiana e com trocas de passes rápidas chegou ao gol de empate com Ricardo Oliveira aproveitando um cruzamento de Chiquinho e cabeceando sem possibilidades de defesa para Cássio.

Talvez, por terem forçado muito o ritmo de jogo na etapa inicial os jogadores do Corinthians demonstraram um desgaste físico maior, tanto é que o técnico Tite fez alterações após ouvir o preparador físico. Enquanto o Santos descansou na semana, o Timão jogou pela Libertadores.

Disciplinarmente os jogadores tiveram comportamento distintos. No primeiro tempo a arbitragem de Vinicius Araújo foi tranquila mas, quando foi exigido no segundo tempo, deixou de se impor e se fazer respeitar.

Apelou para o uso do cartão amarelo e mesmo assim foi omisso quando deveria ter expulsado Emerson por ter pisado com maldade na perna de Renato. Até o assistente de Copa do Mundo, Marcelo Van Gasse, marcou tiro de meta para o Santos em uma jogada de Fagner que a bola não saiu do campo de jogo.

O resultado garantiu ao Corinthians o primeiro lugar geral na classificação, não podendo ser alcançado restando ainda uma rodada, garantindo para o seu novo estádio todas as decisões.

Com uma arbitragem desastrosa de Luiz Martinucho, o Palmeiras venceu o Mogi Mirim no sábado por 3 a 1 com dois gols de Dudu e um de Robinho. Giovane diminuiu com um belo gol.

Com a vitória garantida, jogadores palmeirenses pendurados com dois cartões amarelos forçaram mais uma advertência com faltas desnecessárias porém, uteis para as pretensões. O juizão entendeu que Vitor Hugo, ao trombar com o adversário, mereceu o segundo amarelo e o expulsou equivocadamente.

O Tricolor continua jogando muito mal estando em campo com titulares ou reservas, experientes ou novatos e, em Ribeirão Preto, perdeu para o Botafogo por 2 a 0, gols de Vitor e Gimenes.

Mais uma vez jogadores de quem se espera muito foram meros figurantes. Pato e PH Ganso não jogaram nada pelo o que ganham e potencial que têm. Uma lástima para desanimo do técnico Muricy Ramalho que deve jogar a toalha mais uma vez. Talvez, uma licença médica será a solução a ser tomada pela diretoria para substituição do treinador.

Tivemos na rodada do Cariocão o famoso Fla x Flu com vitória do Mengão por 3 a 0 e muita revolta do atacante Tricolor Fred, expulso pelo segundo cartão amarelo quando o árbitro Wagner Magalhães entendeu que o artilheiro simulou ter sofrido uma falta. Acontece que ele encenou muito na queda mas, que ele foi tocado foi pelo adversário. Ao deixar o campo deu declarações pedindo para acabarem com o campeonato carioca.

Suspenso pelo Tribunal da Federação Carioca, o técnico Vanderlei Luxemburgo não compareceu ao Maracanã. Jogadores das duas equipes entraram em campo e perfilaram com as mãos na boca lembrando o gesto que o técnico do Flamengo fez ao colocar um pedaço de esparadrapo na boca. A torcida rubro-negra também acompanhou nos gestos com apoio dos tricolores.

O campeonato ainda não definiu os quatro classificados para as semi-finais. Flamengo e Botafogo estão garantidos enquanto Vasco, Madureira e Fluminense disputam as outras duas vagas. Na última rodada que será disputada no meio de semana o Vasco enfrenta o Volta Redonda na cidade do aço e o Fluminense também joga fora contra o Madureira. Vamos aguardar como será comportamento dos integrantes das arbitragens.

Em Minas Gerais não teremos o já manjado clássico na decisão do título. A surpreendente Caldense conseguiu se manter no primeiro lugar e terá como adversário o Tombense na semi-final. Cruzeiro e Atlético fazem a outra semi-final.

Os vencedores disputam o título. Muito bom para o futebol do interior ou para aqueles que administram com seriedade clubes considerados pequenos obterem classificação para a decisão do título estadual.

Com essa bolinha que o São Paulo está jogando o Red Bull Brasil vai atropelá-lo e tem plenas condições de chegar na semi-final e final. A equipe de Jaguariúna, que manda seus jogos em Campinas no estádio da Ponte Preta, pode ser finalista do Paulistão. Ou não?