A maior vergonha na história do futebol!!

FERNANDO DANTAS – GAZETA PRESS

E teve quem afirmou que a nossa seleção jogaria melhor sem o Neymar. É mole?

Poderia não ter sido o vexame que foi mas, infelizmente, nem o garoto poderia salvar. Ele se afundaria junto inclusive, o Thiago Silva também. Claro que tudo é hipótese.

O placar poderia ser outro mas, a derrota viria, como veio, para mostrar que precisamos mudar a estrutura atual se quisermos alcançar quem já está à nossa frente. Não se esqueçam que o Felipão estava com medo do Chile. Do Chile! Como temer os chilenos e não ser humilhados pela Alemanha?

Aconteça o que acontecer, estamos eternizados por esse placar de 7 a 1. Aliás, sete menos 1 é igual a seis. Opa, somos hexa! Vai se f…

Que desculpa mais cômoda essa de que “deu um apagão de seis minutos”. Pô e os demais minutos que jogamos. Por que esperar o término do primeiro tempo para efetuar substituições?

Se os técnicos Felipão, Murtosa e Parreira não conseguem corrigir taticamente com a bola em movimento, trocam-se as peças. De que valeram as informações e indicações passadas pelos “espiões” Galo e Roque Junior?

Felipão preferiu optar pelo trio: religioso, supersticioso e teimoso. Assim não dá nem deu. Então, vamos escalar o que não foi treinado e surpreender a todos, inclusive os escolhidos.

E ter que aguentar a torcida brasileira gritar olé. Já não sabemos torcer e, para enterrar ainda mais a estima dos nossos jogadores, os babacas extravasam suas frustrações humilhando ainda mais.

A soberba dos nossos treinadores contribui para a humilhante derrota. Todos jogaram para não perder contra os alemães, nós, os pentas, fomos pra campo para jogar de igual para igual. Ah, brincou né?

Nem nos rachas e confraternizações de fim de ano gols são marcados com tanta facilidade oriundos de tabelinhas dentro da pequena área. Foi pra acabar com a moral de qualquer anfitrião.

Nosso goleiro não falhou em nenhum gol mas também não fez nenhum milagre e viu Kloose superar a marca de 15 gols do Fenômeno em Copas. Festa completa para os alemães. Merecida.

Valorizamos demais quem está superado. Confiamos muito em quem já viveu bons momentos. O tempo passa e as informações e transformações acontecem em segundos do tempo.

Uma vitória brasileira ou mesmo uma derrota mínima mascararia muita a falta de planejamento, organização e trabalho sério. Continuaria imperando a improvisação, safadeza, teimosia e achismo.

Fugimos do Maracanã pra não repetir antecipadamente o que aconteceu em 1950 e fomos humilhados em Belo Horizonte criando o Mineirazo.

Se você não consegue entender o que aconteceu, não vai aprender e corrigir nunca. Para quem já estava com a mão na taça como campeão um possível terceiro lugar será um premio de consolação para a incompetência.

Vejam o que os holandeses pensam desta decisão de sábado. Não vale nada para quem se preparou para ser campeão. Assim é mais digno.

Confio na Seleção, mesmo sem Neymar!!

Sergio Barzaghi – Gazeta Press

Quem foi mais jogador: Pelé ou Amarildo? Pois é, isto aconteceu na Copa do Mundo no Chile em 1962, sem Pelé fomos bi-campeões e Amarildo arrebentou. Portanto, o Brasil pode ser campeão mais uma vez sem o nosso Pelé de hoje.

Talvez, na ausência de Neymar outros jogadores possam fazer aquilo que só ele queria fazer. Os demais terão mais oportunidades de cobrarem faltas, escanteios, executarem jogadas individuais sem a preocupação de tocarem para o nosso craque.

Será que ele não se recupera em uma semana? Esse rapaz é diferenciado, não sei não se ele não estará em campo na final, claro, se passarmos pela Alemanha. Alguém duvida?

Ainda bem que Felipão falou que contra a Colômbia não seria uma guerra! Se fosse então, heim? Zuniga precisava disputar a bola com Neymar da maneira que disputou? Se o adversário fosse outro, Zuniga teria levantado o joelho na altura que levantou e atingido a coluna?

E o juizão espanhol na dúvida só contra nós, não sei como ele não teve coragem de expulsar o goleiro Julio Cesar. Pênalti ali é pra cartão vermelho ou não?

Contra a Alemanha é bem provável que Felipão coloque Dante no lugar do capitão Thiago Silva, suspenso pelo segundo cartão amarelo. Na Copa das Confederações, quando Dante jogou fez até gol, lembram-se em Salvador?

Outro detalhe importante é que seis jogadores adversários são companheiros de Dante no Bayern. Como bom baiano, superar obstáculos e vencer na vida faz parte da rotina de Dante, então, axé Dante.

Já tive oportunidade de manifestar minha impressão a respeito da maca utilizada pela equipe de socorro aos atletas. Ele pode ser muito prática e segura mas que parece com caixa do IML, parece.

Tem jogador que prefere sair de campo andando do que deitado nela. A imagem de Neymar nela não é agradavel não. Vamos repensar e criar algum equipamento menos chocante, FIFA.

Até quando vamos ter que pagar pelo erro do Nishimura?

 

Só restam oito na Copa das Copas

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Muito mais por coincidência do que por qualidade ou méritos, as oito seleções que terminaram a fase de classificação em primeiro lugar estão nas quartas-de final. Foi muito mais por sobreviverem durante nos 90 minutos ou 120 do que por técnica, ou supremacia tática.

São na realidade verdadeiros sobreviventes das péssimas condições climáticas para a prática do futebol.

A FIFA e o International Board terão que pensar seriamente e encontrarem uma maneira de preservarem fisicamente os talentos que já são raros e chegam na Copa nem sempre nas melhores condições físicas e técnicas.

Se optarem por manter os 30 minutos de tempo extra, que permitam um número maior de substituições. A badalada Argentina só conseguiu eliminar a Suíça sem cobrança de pênaltis porque Di Maria encontrou forças não sei de onde para acertar um chute perfeito no último minuto da prorrogação e passar para fase seguinte. Jogo às 13 horas em São Paulo teve o tempo extra jogado por volta das 15 horas. É mole?

Em um horário melhor porém nem tão fresco, Bélgica eliminou os EUA também com prorrogação de um jogo que começou as 17 horas em Salvador. Ganhou aquela seleção que criou mais oportunidades de gol com atletas que estavam, fisicamente, em melhores condições.

A Bélgica colocou Lukaku em campo só na prorrogação e ele fez a diferença. Depois de 0 a 0 no tempo normal os belgas saíram na frente logo aos 3 minutos com De Bruyne e fechou o primeiro tempo com a vantagem de 2 a 0 com mais um gol de Lukaku aos 14 minutos.

No segundo tempo do tempo extra , os EUA diminuiram com Green  aos 2 minutos. Jones perdeu a chance de empatar aos 3 mas, Lukaku poderia ter ampliado aos 4 e desperdiçou, o mesmo fez Dempsey aos 8 minutos para desespero dos americanos.

O jogo só chegou aos 120 minutos graças ao goleiro Howarrd que salvou dos EUA de voltarem pra casa com uma goleada. Pegou muito e foi, disparadamente, o melhor em campo.

Coincidentemente passam para as quartas-de-final as oito seleções que terminaram a fase de classificação na condição de primeiro lugar de cada grupo. Tudo está conspirando a favor do Brasil.

Não tem bicho-papão com esse clima não é só o time de Felipão produzir um pouco mais que dá para chegar. Vamos chorar menos e jogar mais para sorrirmos de alegria.

Essa seleção já está na história, só cabe a eles escolher a opção: fracassados por perderem mais uma Copa em casa ou consagrados por vencerem pela primeira vez a Copa do Brasil. É só escolher e jogar, né?

Brava Argélia. Eficiente Alemanha!!

Edu Andrade – Gazeta Press

Emocionante o comportamento dos argelinos na derrota para os alemães e consequente eliminação da Copa do Mundo no Brasil. Mesmos limitados tecnicamente, não deram um pontapé nem praticaram o anti-jogo.

Conseguiu sustentar o 0 a 0  no tempo normal sofrendo enorme pressão mas, conseguindo criar raras oportunidades de gol. O goleiro argelino estava inspirado e, mesmo derrotado, foi eleito o melhor jogador em campo.

Na prorrogação prevaleceu o melhor condicionamento físico e a técnica da seleção alemã. Taticamente também soube jogar, principalmente, por sair ganhando de 1 a 0 logo aos dois minutos.

No segundo tempo da prorrogação os alemães adiantaram a marcação dificultando ainda mais a saída de bola dos argelinos e o segundo gol foi questão de tempo e ele só veio aos 14 minutos.

A Argélia desperdiçou alguns contra-ataques justamente por falta de “pernas” no momento de concluir as jogadas mas, mesmo assim, faltando um minutos para o término do tempo extra conseguiu fazer o gol que seria de honra. Ainda teve a oportunidade de empatar mas a péssima condição física impediu.

Agora, teremos Alemanha x França na fase quartas-de-final em pleno Maracanã. Jogo digno das tradições do estádio carioca. Fisicamente os franceses não foram tão exigidos contra a Nigéria, quando venceram por 2 a 0 no tempo regulamentar.

A Copa do Mundo do Brasil  apresenta duas boas inovações dentro do campo de jogo.

O recurso eletrônico para confirmar se a bola ultrapassou totalmente a linha do gol ou não e o spray para marcar onde a bola deve ser colocada e a distância da barreira nas cobranças de faltas, também está servindo de alerta para que a FIFA inove.

Isso cria novas condições para se conhecer um vencedor em jogo que ficar empatado nas fases eliminatórias.

A Copa acontece num período em que os jogadores estão encerrando temporada extenuante. Alguns, fisicamente e clinicamente se apresentam bem abaixo das condições ideais para jogarem 90 minutos, Imaginem 120 minutos em condições climáticas nada favoráveis para o futebol.

Portanto, porque não pensar em acabar com a prorrogação ou então, criar regras específicas de substituições no tempo extra, permitindo que as equipes utilizem mais jogadores.

Se o futebol é classificado como um esporte saudável, não fica nada bem a imagem de atletas se contorcendo de dores ou não conseguindo executar os movimentos que raciocina.

Será que é possível o conservador International Board pensar com carinho nisso?

Para quem viu o trabalho do nosso trio brasileiro trabalhando nos dois jogos anteriores, tenho certeza que não gostou do que apresentaram no jogo Alemanha x Argélia, exceto o assistente Marcelo Van Gasse que foi perfeito.

O assistente Emerson Carvalho errou em lance de impedimento. Lance difícil mas errou e o árbitro Sandro Meira que, coincidentemente, apitou a Alemanha pela segunda vez, adotou critérios diferentes sempre em prejuízo dos argelinos.

Atendendo direitinho o que a FIFA pede, Sandro Meira chamava a atenção para que não tivessem agarrões nas cobranças de escanteios e faltas para a área, mas não teve coragem de marcar pênalti para a Alemanha.

Se não tem coragem de apitar ou recebe ordem para não marcar, porque ficar fazendo discurso? Aliás, vou fazer um bolão para ver quem vai apitar um pênalti de agarrão. É uma vergonha!

Não sei não, mas até o fim da Copa alguém vai marcar um gol de arremesso lateral. Pô, os caras já são fortes, a bola leve e ainda erguem o pé quase um metro de altura nem o árbitro nem o assistente estão vendo? Brincadeira!

Com essa bola, não dá Brasil!!

Sergio Barzaghi – Gazeta Press

Ufa! Será que vai ser igual a participação na Copa de 94? É, mas lá tínhamos talentos individuais suficientes para a conquista do Tetra, e agora? Nem time nem craques em profusão para ficarmos com o Hexa.

Não basta ficar só cantando o hino nacional com garra e emoção. O espetáculo proporcionado pela torcida é lindo mas não ganha jogo, não.

Tá certo que não tem nenhum bicho-papão na Copa, mas a nossa bolinha tá pequena demais cara! Por isso tivemos tanta dificuldade para empatar com México, vencer Croáciae agora o Chile. Eles melhoram um pouquinho e nós pioramos demais.

Ainda bem que será a Copa da consagração do goleirão Julio Cesar. Mesmo tendo dois dos melhores zagueiros do mundo, nosso goleiro vai precisar pegar muito, tanto quanto Taffarel.

Não adianta só ficar esperando que a arbitragem erre sempre a nosso favor. Haverá equívocos contrários, não tão escandalosos mas, precisamos superar isso também. Serão sete seleções pressionando contra os interesses brasileiros.

Agora, o lance de pênalti em Hulk dá para discutir, principalmente depois daquele que marcaram para a Holanda eliminar o México mas, a ajeitada com o braço para marcar o gol não se discute. Seria vergonhoso o Brasil ganhar com aquele gol do Hulk. Aliás, o paraibano está sendo melhor com o braço do que com os pés, viram o pênalti que ele cobrou?

A tabela para nós seria uma teta se estivéssemos jogando parecido com o que apresentamos na Copa das Confederações. Ao contrário, regredimos enquanto adversários pés de ratos evoluíram.

Como será contra a Colômbia? Nossos técnicos precisam resgatar o futebol de Oscar, Paulinho, Fred, Jô, Hulk, Willian. Não me venham com essa conversa de que são jovens, inexperientes. Parreira, Felipão e Murtosa não sabiam disso? Deixaram alguns bois cansados de fora por estarem em má fase e a fase ruim de quem ai está, vamos ter que aguentar até quando?

Assim, não há joelhos que dê conta de tantas promessas.

 

As arbitragens na Copa 2014

Imagino como deve estar sendo difícil fazer as escalas de árbitros da Copa do Mundo no Brasil. Conciliar todos os interesses, geográfico, politico, social, religioso, esportivo, confiança, neutralidade e competência não é uma tarefa fácil de jeito nenhum.

Por incrível que possa parecer, independentemente das conquistas, cada seleção tem o mesmo peso que é o voto da Confederação ou Associação para a FIFA e, como sempre, a cabeça do árbitro sempre está na bandeja para satisfazer os interesses de quem está no poder e, quase sempre, por lá quer permanecer por muito tempo.

Coincidentemente ou não, a arbitragem que tantos comentários proporcionaram de favorecimentos ao Brasil contra a Croácia, nunca mais foi escalada, mesmo com o principal dirigente da arbitragem explicando publicamente que o árbitro japonês havia marcado o pênalti corretamente.

Por outro lado, o assistente colombiano que anulou dois gols legítimos do México contra Camarões, beneficiando o Brasil também, foi mandado de volta para o seu país. Escaldado, o México pressionou muito até aceitar a indicação do árbitro turco para o jogo contra o Brasil.

Nem tudo o que acontece nos bastidores da arbitragem vem a público mas, para o jogo contra a Itália o Uruguai exigiu e conseguiu, que o árbitro fosse de um país hispano.

Conseguiu a escalação do mexicano, um dos melhores que temos, Marco Rodriguez. Para quem conhece seu estilo, percebeu claramente que ele não estava a vontade para tomar as decisões, principalmente contra o Uruguai. Tanto é que a expulsão de Marchisio, mesmo que merecida, foi muito questionada.

Por carregar a condição de melhor árbitro do mundo, o inglês Webb é o mais solicitado para todos os confrontos mais difíceis e decisivos. Imaginem o que o Chile, corretamente, deve ter feito nos bastidores até definirem o nome do apitador para o jogo contra o Brasil.

Coincidentemente, o escolhido foi o inglês, o mesmo que apitou Brasil 3 x Chile 0, dia 28 de junho de 2010, quando o Brasil eliminou os chilenos na Copa passada.

Amanhã, sábado, dia do jogo pelas oitavas-de-final  28 de junho. Será que repetiremos o placar? A quais interesses o inglês estará atendendo: do Brasil ou do Chile? Espero que ele atenda os dele. Apite pra ele e para a dignidade da arbitragem da Copa, mesmo entendendo que Webb é humano e, como tal, também tem os seus interesses profissionais e pessoais.

Você é daqueles torcedores que pensa que “canja e caldo-de-galinha não faz mal pra ninguém” ou “para quem entende um pingo é letra”?

A Copa dos recordes

Celio Messias – Gazeta Press

A Copa do Mundo no Brasil está ficando marcada pela alta média de gols marcados e outros recordes. A Colômbia contribuiu com uma marca ao colocar em campo por alguns minutos o goleiro Mondragon com seus 43 anos de idade, tornando-se o jogador mais idoso a disputar um mundial de seleções. Mondragon não só entrou em campo como fez uma difícil defesa na vitória por 4 a  1 contra o Japão.

Outra marca que merece atenção foi no campo disciplinar. O atacante uruguaio Luiz Suárez foi suspenso pelo Comitê Disciplinar da FIFA por nove jogos, quatro meses impedido de qualquer participação em algo que esteja vinculado ao futebol e multado em 100 mil francos suíços o que corresponde à R$ 250 mil reais.

Entendo ter sido muito rigorosa a suspensão por nove jogos mas, em se tratando de FIFA, não podemos esquecer o que aconteceu há alguns anos com o goleiro chileno Rojas, banido do futebol por uma atitude anti-desportiva.

A mordida de Suárez  no italiano Chiellini serve de exemplo para aqueles que já aprontaram e ainda podem ser punidos e de alerta para quem está com vontade de exceder dentro do campo de jogo.

Mais um acontecimento tem que ser destacado. As seleções da Alemanha e EUA, comandadas por técnicos alemães e muito amigos, se enfrentaram na última rodada da fase de grupos e, ambas, se classificavam com um empate, independentemente do que pudesse acontecer entre Gana e Portugal. Para felicidade dos organizadores da Copa e de quem gosta do futebol, mesmo sendo hoje um negócio muito lucrativo, Alemanha venceu o jogo por 1 a 0, gol de Muller.

Os alemães tentaram do começo ao fim a vitória, tanto é que, no intervalo, o técnico Joaquim Low colocou em campo Kloose, artilheiro das copas junto com Ronaldo com 15 gols e que tenta mais um recorde.

Para alegria dos derrotados, EUA também se classificou com a vitória de Portugal contra Gana por 2 a 1. Se servir de consolo, os ganeses vão embora, pelo menos, com dinheiro no bolso já que receberam a premiação que tanto pressionaram. Só não dá para entender como um avião entra no país abarrotado de dólares. Tomara que tenha sido de maneira legal.

 

Metade da Copa já foi. Que venham as oitavas!!!

AFP

Nem todo placar de zero a zero é modorrento, chato, sem emoção. O jogo Equador x França teve de tudo, quase tudo, menos gol, graças as atuações dos goleiros, principalmente Dominguez, goleiro equatoriano que pegou tudo o que deu.

O que não deu para pegar, foi para fora. Infelizmente, o Equador não conseguiu a vitória necessária e se despediu da Copa com muita dignidade. Mas, a competição exige pontos e as vagas ficaram com França e Suíça, que venceu Honduras por 3 a 0, com gols de Shaquire.

No primeiro tempo, tanto Equador quanto França se pouparam, evitando um desgaste físico precoce com o calor do Rio de Janeiro. No segundo tempo tudo foi diferente no Maracanã.

Logo no começo Antonio Valencia foi expulso e os equatorianos jogaram o tempo todo com um jogador a menos. Por incrível que pareça, taticamente a equipe conseguiu se arrumar em campo e criou muitas oportunidades para marcar gols até o último minuto.

O empate favorecia a França que, nem por isso, deixou de procurar o gol. Em tarde inspirada o goleiro Dominguez impediu de todas as formas a vitória francesa. Mas, com a vitória de 3 a 0 da Suíça, Equador necessitava de, pelo menos, uma vitória por dois gols. Não deu. Talvez, se tivesse em atacar um pouco mais no primeiro tempo, mais uma seleção latino-americana estaria nas oitavas-de-final.

Se faltou gol no Maracanã, sobrou no Beira Rio em Porto Alegre. Argentina venceu a Nigéria por 3 a 2, alcançando 100% de aproveitamento com três vitórias. O placar foi se mexendo logo no início.

Aos três minutos Messi aproveitou um rebote de chute do Di Maria e fez a festa da torcida que coloriu o estádio do Internacional de azul e branco. Não deu tempo nem dos argentinos pararem de gritar gol e a Nigéria já empatava com Musa, num belo chute cruzado. Antes do apito encerrando o primeiro tempo de jogo mais uma vez Messi balançou a rede. Cobrança de falta perfeita e 2 a 1 para a Argentina.

Com a vitória da Bósnia por 3 a 1 contra o Irã, a Nigéria se classificava mesmo perdendo mas, não era isso que eles queriam não. A exemplo do primeiro tempo, os torcedores gritaram gol logo no começo. A Nigéria empatou mais uma vez com Musa, 2 a 2 aos dois minutos. Outra vez a alegria durou pouco. Após a cobrança de escanteio Rojo desviou com o joelho/pé, dentro da pequena área, para fazer 3 a 2 aos cinco minutos.

Até aos 17 minutos do segundo tempo tivemos uma Argentina em campo. Com a substituição de Messi, a seleção argentina se tornou uma equipe comum e a Nigéria só não conseguiu marcar mais gols porque também é muito limitada individualmente. Um lance que merece destaque foi a bola que acertou e quebrou o braço de Babatunde. Uma cena forte e rara no futebol, principalmente em se tratando de jogadores adultos. Olha só a BRASUCA fazendo vitima de fratura.

Os confrontos definidos são: Brasil x Chile, sábado às 13hs no Mineirão, Colômbia x Uruguai, sábado às 17hs no Maracanã, França x Nigéria, segunda-feira, às 13hs no Mané Garrincha, Holanda x México, domingo, às 13hs no Castelão, Costa Rica x Grécia, domingo, às 17hs em Recife e Argentina x Suíça, terça-feira, às 13hs em São Paulo.

Quem perder pega a mala e vaza.

 

FIFA deve punir o mordedor Suárez

AFP

Se não deu para empolgar pelo menos ganhamos. Claro que o placar de 4 a 1na vitória contra Camarões pode até encobrir ou amenizar nossas falhas e defeitos mas, é preciso estar consciente que temos que evoluir mais e rapidamente.

Acabou a fase de testes e o período em que podíamos até perder, agora, perdeu dançou.

Mesmo contra a vontade de Felipão, nosso adversário será o Chile. É uma seleção que, tradicionalmente, não dá para temer, mesmo vivendo o excelente momento atual. Qual jogador deles pode ser apontado como fora de série?

Quem deles seria titular no nosso time? Então, dá para acreditar, sim, que podemos passar para as quartas-de-final. Curiosamente teremos três confrontos envolvendo equipes da América Latina. O vencedor do confronto entre Brasil x Chile enfrentará o vencedor de Colômbia x Uruguai. Será que Brasil x Uruguai se repetirá?

Se acontecer, não será no Rio de Janeiro e sim em Fortaleza. Os uruguaios enfrentam os colombianos no Maracanã. Mesmo não tendo feito uma campanha como os colombianos, o Uruguai vai se apegar ainda mais na crença de poder vencer novamente uma decisão do Maracanã. Time por time a Colômbia leva vantagem mas, não dá para cravar vitória não.

Interessante a elaboração da tabela da Copa no Brasil e seus horários. Talvez, por superstição, o Brasil optou em jogar no Rio só na final e o que foi projetado está dando certo. Agora, colocar Alemanha, Portugal, Itália e Holanda para jogarem duas vezes às 13 horas é uma tremenda sacanagem, ou não?

No jogo que decidiu a segunda vaga do grupo D entre Itália x Uruguai, vencido por 1 a 0 pelos uruguaios, os italianos estavam mortos, imaginem o calor de Natal nesse horário.

Até a Celeste não apresentou a mesma disposição exibida contra a Inglaterra. As coisas ficaram mais fáceis depois da expulsão de Marchisio no começo do segundo tempo. O gol da vitória marcado de costas por Godin, o zagueirão iluminado, veio de um escanteio, onde a falta de um jogador não pesa tanto na marcação.

Se o Comitê Disciplinar da FIFA agir com rigor o Uruguai poderá ficar desfalcado do atacante Suarez. Ele mordeu o ombro do italiano Chielini e poderá ser suspenso dos jogos seguintes. É a terceira vez que o uruguaio morde seus marcadores. Já havia feito isso na Holanda e na Inglaterra onde foi severamente punido.

Tem jogo que não acaba no apito final do árbitro. Nos bastidores a luta continua. Quando não é para a escolha ou veto da arbitragem é para fugir de uma suspensão pesada.

Os confrontos já conhecidos são: Brasil x Chile, 13 horas no Mineirão, Colômbia x Uruguai 17 horas no Maracanã, Holanda x México 13 horas em Fortaleza e Costa Rica x Grécia 17 horas em Recife. Que o sol esteja conosco. Embora, nossa seleção está mais acostumada ao clima europeu do que tupiniquim.

Sandro Meira vai bem na Copa 2014

Jogo interessante fizeram Alemanha e Gana. Depois de um primeiro tempo chato, o segundo foi bem diferente. Alemanha saiu na frente mas tomou a virada e os 2 a 1 para Gana até que foi merecido. Era o jogo da vida deles depois de começarem a Copa perdendo para os EUA. Mas quem tem os reservas de luxo que tem a Alemanha, só perde se o técnico não souber mexer na equipe.

O treinador Joaquim Low colocou em campo Schweinsteiger e o artilheiro das Copas Klose. Adivinhe o que é que deu? Na primeira  bola, no primeiro toque, o danado do Klose empatou o jogo e alcançou a marca de 15 gols, igualando-se ao nosso Ronaldo. E olhe que ele teve a oportunidade de se isolar e fazer o gol da vitória mas, graças a nossa secagem, ele chutou para fora.

Gana também desperdiçou muitos ataques por preciosismo dos seus jogadores. Todos queriam fazer o gol da vitória e, por precipitação e até falta de uma melhor qualidade técnica nas finalizações, ficou numa situação delicada para alcançar a classificação. Torce para que Portugal vença os EUA e, depois, decidirá contra os portugueses, dependendo ainda do resultado de Alemanha x EUA. É, a coisa tá preta.

Mais uma vez a arbitragem brasileira foi muito bem. Sandro Meira mostrou apenas um cartão amarelo, o segundo para Muntari . Esteve muito bem física, técnica e disciplinarmente.

Os dois assistentes acertaram todas as marcações, principalmente dos impedimentos. Atuação perfeita. Ou seja, continuando assim, já que deverá apitar mais uma vez nas fases eliminatórias, o Brasil estará na final da Copa. Com a seleção ou com os árbitros. Ele é muito, mas muito melhor do que o apitador inglês.

Ainda bem que ele não foi contaminado pela ruindade nem interesses dos outros.