Salvemos o CR Tietê

Moção de Solidariedade do Panathlon

Na última quarta-feira, dia 21 de novembro, em Assembléia Geral realizada em seu convívio mensal, o Panathlon Club São Paulo decidiu por unanimidade e aclamação dar uma Moção de Solidariedade ao Clube de Regatas Tietê, cujo teor é o seguinte:

 

O Panathlon Club São Paulo, filiado ao Panathlon International, não pode deixar de manifestar a sua solidariedade ao Clube de Regatas Tietê num momento em que ele enfrenta o risco de extinção, resultado de uma ação de natureza política do município de São Paulo.

Este clube foi uma das mais gloriosas agremiações esportivas do Brasil, tendo dado uma grande contribuição à população do nosso país pelos motivos que se seguem:

  • Foi um baluarte na história do remo, natação, atletismo e da maioria das modalidades olímpicas da Capital Paulista.
  • Com recursos próprios, ampliou o espaço físico que passou a ser ocupado, incorporando as áreas que já foram do São Paulo FC (da Floresta), em 1935, onde construiu a principal pista de atletismo do país, sede dos nossos principais campeonatos durante quase meio século.
  • O Tietê também incorporou áreas que, de 1912 a 1926, haviam sido o estádio do Corinthians, e de 1926 a 36, da AA São Bento. Nesse local foram construídas quadras de tênis que revelaram Maria Esther Bueno, a maior tenista da história do esporte brasileiro.
  • Campeões brasileiros e sul-americanos saíram de suas pistas, como Bento de Camargo Barros (Pastelão), Álvaro de Oliveira Ribeiro, José Carlos Figueiredo Ferraz (que chegou a ser prefeito de São Paulo), Luiz Pagliari, Domingos Pugliese e outros.
  • Em 1934 o Tietê, com recursos próprios, construiu a primeira piscina olímpica (50 metros) do país e formou a maior equipe de natação da temporada.
  • Seu valioso patrimônio, formado por nomes e instalações, representa um dos maiores marcos da memória esportiva de nossa nação e, portanto, em qualquer momento deve ser altamente considerado. Este natatório, planejado e executado pela construtora Lindenberg, foi pago com dois anos de antecedência.
  • Aproveitando-se de um período de decadência originado pela gestão de maus dirigentes, as autoridades municipais renovaram a licença de ocupação das áreas atualmente ocupadas por outras sete entidades (algumas profissionais), mas marginalizaram justamente o Clube de Regatas Tietê, a grande glória de São Paulo, para quem conhece a história do esporte de nossa terra.
  • Considerando-se que esta marginalização foi feita por motivos oportunistas e políticos, a medida em questão merece a maior reprovação de todas as pessoas e entidades conscientes da escala de valores de nossa cidade. O Tietê, durante mais de um século, exerceu uma missão social que sempre foi atribuição do poder governamental. Ele não deveria jamais receber o ônus do imposto do poder público.

 

Fica aqui bem registrada ao Clube de Regatas Tietê a solidariedade do Panathlon Club São Paulo, entidade que exerce a missão estatutária que lhe foi confiada pelo movimento panathlético mundial, missão essa reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional, pelo Comitê Internacional do Fair Play e outras entidades que lutam em favor de um esporte valorizado por toda a sociedade.

Um comentário em “Salvemos o CR Tietê

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>