A doce primeira vez

Bristol (EUA) – Pela primeira vez em 78 anos, os Estados Unidos derrotaram a Itália no futebol. Mais importante ainda, a vitória, por 1 a 0, foi na Itália. Não foram tantos jogos assim, nestes 78  anos, num total de 11, mas o importante é que até hoje os americanos tinham conseguido apenas três empates e amargado sete derrotas.

Foi uma grande injeção de ânimo para o trabalho de Jurgen Klinsmann, o alemão que recentemente assumiu o lugar de técnico da Seleção Americana. Outro fator considerável foi que a vitória americana foi conseguida sem a ajuda do mais conhecido e melhor jogador do país, Landon Donovan, que está com uma bronquite.

O gol foi de Clint Dempsey, um texano que atua no futebol inglês, numa partida totalmente dominada pelos italianos. Neste sentido, o jogo foi até uma reversão de expectativas, pois os americanos conseguiram fazer aquilo que os italianos sempre executam bem: ficar na defesa e explorar os contra-ataques.

Os americanos colocaram apenas um homem à frente, Jozy Altidore, de origem haitiana, para segurar a bola e tocá-la para um companheiro que viesse de trás. Grande e forte foi o que Altidore, que também joga na Europa, fez: recebeu um cruzamento, protegeu a bola com o corpo, deu um passe curto para Dempsey e este chutou no canto de Buffon.

Os italianos, a meu ver, foram um pouco prejudicados pela arbitragem, que marcou três ou quatro  impedimentos errados contra seu ataque. O ítalo-brasileiro Thiago Motta esteve bem na partida e poderia ter marcado dois gols no primeiro tempo, mas acabou substituído quando o técnico italiano Cesare Prandelli precisou de mais um atacante no segundo tempo.

Os Estados Unidos vão receber o Brasil em fins de maio. Se nossa Seleção não melhorar depressa, vai ser uma parada pra lá de dura, pois Klinsmann vem mostrando que sabe armar o time americano e dar moral a seus jogadores.

Abertura chinesa

Bristol (EUA) – Não há dúvida de que o futebol brasileiro vem perdendo prestígio no cenário internacional. O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, é visto como um cidadão corrupto que só escapa ileso graças a manobras judiciais e ao clima de tolerância que nas últimas décadas vem marcando a FIFA, da qual seu ex-sogro, João Havelange, foi presidente durante muito tempo, e onde o atual poderoso chefão, Sepp Blatter, é também considerado figura suspeita.

Nossa Seleção é no momento uma triste sombra do que foi no passado. Os trabalhos de organização de nossas diversas sedes para a Copa de 2014 vem sendo criticados pela morosidade ou incompetência, quando não ambas. E também, lembremos, corrupção.

A goleada que o Santos sofreu diante do Barcelona na decisão do Mundial de Clubes não serviu para melhorar nosso prestígio.

Enquanto nossa Seleção e, por extensão, nossos clubes perdem espaço, os europeus ganham. Ainda agora noticia-se que Arsenal e Manchester City vão fazer uma partida em Pequim, no dia 27 de julho, para ser exibida ao vivo no Reino Unido às 13 horas. Isto significa que o jogo aconteceré seis horas e meia antes da abertura oficial dos Jogos Olímpicos de Londres.

É um golpe publicitário, tornando o encontro uma parte integral das festividades na Inglaterra, naquele dia. Espera-se uma lotação esgotada no Estádio Olímpico de Pequim, onde o jogo começa às oito da noite.

A partida será também transmitida para o resto do mundo.

Não é a primeira vez que Arsenal e Manchester City jogam na China. Lembremos ainda que em agosto do ano passado o mesmo Estádio Olímpico de Pequim foi palco da decisão da Super Copa Italiana entre Milan e Internazionale, perante 70 mil torcedores.

Enquanto isto, no Brasil, o Corinthians contrata um atacante chinês. Pode até ser ruim de bola, mas já é alguma coisa e sou favorável.

Mais do que na hora

Foto: AFP

Foto: AFP

Bristol (EUA) – Deu na rádio  que a CBF disse ao técnico Mano Menezes que está na hora de  definir a Seleção Brasileira, farta de tantas experiências de resultado duvidoso. Eu diria: mais do que na hora. E, falando em definir, não entendo porque o técnico insiste em Ronaldinho no meio do campo. Será que Mano Menezes está mesmo pensando nele para 2014?

Por um desses azares da vida, um importuno ligou o telefone e, no momento mesmo em que fui atender, a Bósnia fez o gol do empate. Disseram que tudo começou num passe errado de David Luiz. Se foi, perdi este pedaço. Mas deu para ver que, depois, o zagueiro errou ao dar muito espaço ao adversário, sem dizer que Júlio César caiu para o lado errado, numa falha melancólica.

Nosso time preocupa. A defesa deixa buracos no meio, Júlio César está longe de ser o goleiro que já foi, o meio de campo é totalmente sem criatividade, embora tenha melhorado um pouco depois da entrada de Ganso no lugar de Ronaldinho, e o ataque não chega a ser uma ameaça ao adversário.

Do jogo, ficou a promessa de Lucas no pouco tempo em que esteve em campo.

Está mais do que na hora de definir, pois a Seleção assim vai mal.

Parabéns ao Alexandre

Bristol (EUA) – Chegou ao meu conhecimento que meu velho amigo Alexandre Ribeiro que, entre outras coisas, é  tricampeão do UltraMan, no Havaí, salvou um cidadão  que se encontrava à deriva perto das Ilhas Cagarras, em Ipanema, no Rio de Janeiro. Como o quase afogado foi parar lá, a cinco quilómetros da praia, não sei. Talvez o próprio Alexandre possa explicar melhor.

O fato é que nosso herói, que começou sua carreira atlética participando de corridas de longa distância nas Paineiras, também no Rio, quando ainda era adolescente, estava num Stand Up Paddle Board, uma dessas pranchas em que você rema em pé, quando ouviu gritos de socorro e conseguiu resgatar o flutuante indivíduo, de nome Fábio. Como a temperatura da água era de  apenas 18 centígrados, é provável que o Fábio não conseguisse flutuar por muito mais tempo. Ele já estava na água há seis horas. Aliás, pelo que me dizem, estava na água em mais de um sentido.

Uma maneira um pouco drástica de curar excessos etílicos, convenhamos, mas  tudo é carnaval. De qualquer forma, palmas para o Alexandre.

Encenações, só no carnaval

Bristol (EUA) – Em vídeo que está no site da ESPN Brasil, falo sobre as encenações cada vez mais frequentes e acintosas que vemos nas partidas de futebol, dando como exemplo algumas do time do Barcelona, exibidas no YouTube.

Minha pergunta é: para acabar com elas, deveríamos seguir o exemplo do Futebol Americano? Nele  os juízes param o jogo e vão examinar o “tape”, com diversos ângulos e repetições, para tirar as dúvidas.

Até hoje sempre fui contra, por achar que isto prejudicaria a fluidez, o correr normal da partida, que é um dos encantos do futebol. Mas agora que as encenações fazem parte do treinamento das equipes e se tornam cada vez mais comuns, começo a pensar de modo um pouco diferente.

Afinal, é necessário preservar o espírito esportivo, o “fair-play” do futebol. Há ainda outro aspecto a ser considerado: a partir do momento em que, com a ajuda da tecnologia, a punição aos encenadores começar a se fazer sentir, com cartões amarelos e vermelhos, eles passarão a pensar duas vezes antes de tentarem iludir o árbitro e o público.

Encenações, só nas passarelas de carnaval.

Entre a graça e a grosseria

Foto: AFPVirginia Beach (EUA) – Nos Estados Unidos e na Inglaterra, chamar um chinês de “chink” é ofensivo – tão ofensivo, ou mais, do que, no Brasil, chamar um português de “galego” ou um polonês de “polaco”. Acontece porém que a expressão “a chink in the armor” (or “armour”, se quisermos adotar a ortografia inglesa) é inofensiva. Significa o ponto fraco em uma armadura, uma rachadura ou fissura no sistema.

As duas interpretações se combinaram de forma explosiva quando alguns empregados da ESPN americana resolveram, por escrito na Internet e em nota de rodapé na tela, ou oralmente, em comentário,empregá-la em relação ao sino-americano Jeremy Lin, do New York Knicks, nova sensação do basquete na NBA. Jeremy Lin nasceu nos Estados Unidos, filho de imigrantes de Taiwan.

Eles a usaram porque, no jogo com o New Orleans Hornets, perdido pelo Knicks, Jeremy Lin falhou diversas vezes (ele já se redimiu, na vitória sobre o Dallas Mavericks). Os funcionários acharam que a expressão “a chink in the armor” – uma rachadura na armadura – seria uma piada muito engraçada.

Não foi. Foi uma piada de mau gosto. Há uma diferença entre a graça e a grosseria. O resultado é que um empregado foi demitido, outro suspenso por um mês e um terceiro (o que usou a expressão apenas oralmente) advertido.

Cartolas na cadeia

Bristol (EUA) – Infelizmente, não foi no Brasil. Foi na China. O vice-presidente da Federação de Futebol, Yang Yimin, e o Diretor do Departamento de Árbitros, Zhang Jiaquing, foram condenados, respectivamente, a 10 anos e meio e 12 anos de prisão, e multas de 32 mil dólares e 35 mil dólares, por corrupção. Os advogados de ambos disseram que não vão recorrer.

Vocês sabem por que eles não vão recorrer? Porque, nos dois casos, os crimes que cometeram podem resultar em condenação à morte.

Outros diversos cartolas foram também comdenados. Eu ia começar por Duyunqi Qingdau, presidente de um clube importante, mas vi que a lista de dirigentes já no xilindró, ou prestes a para lá seguir, é longa e desisti. Afinal, não é fácil escrever todos  estes nomes chineses.

Enquanto isto, no Brasil…

Clubes no buraco

Bristol (EUA) – No dia 2 de janeiro de 1971 eu estava no Ibrox Stadium, em Glasgow, na Escócia, para assistir ao grande clássico do futebol do pais: Celtic x Rangers. Ao fim do jogo, um tumulto, um corre-corre, resultou na morte de 66 pessoas esmagadas e asfixiadas nas estreitas escadas que levavam da arquibancada ao nivel da rua.

Rangers x Celtic sempre foi o Fla-Flu da Escócia. Na verdade, mais do que isto, pois a Liga Escocesa, como a Liga Espanhola, é a Liga de dois times só. Agora o Rangers está no buraco, com sua insolvência financeira judicialmente decretada. O time deve mais de 77 milhões de dólares, só ao Imposto de Renda, sem contar as multas. Não tem como pagar, por isto foi imposta a intervenção sobre suas finanças.

O Rangers tem ainda muitos outros credores e não se sabe se poderá continuar a existir. Fica a pergunta: e o campeonato escocês ficará sendo o campeonato de um time só? Se a grande rivalidade Celtic x Rangers acabar (o Celtic é predominantemente o time de católicos e o Rangers o time de protestantes), o que será da Liga Escocesa?

A pergunta vale também para o futebol europeu como um todo. Na Inglaterra, o Portsmouth também está com a insolvência decretada, pela segunda vez em dois anos, embora tenha ganho a Copa da Inglaterra em 2008. Michel Platini, presidente da UEFA, já disse que para a temporada 2013-2014 apenas os clubes que puderem provar que tem mais rendas do que despesas  serão admitidos na Liga dos Campeões e na Liga da Europa.

Manchester City, Chelsea, Mílan, Paris Saint-Fermain, Barcelona e Real Madrid já garantiram que vão cumprir a derterminação. Afinal, ela é feita para seu próprio benefício. Toda a economia europeia se encontra em crise e, se os clubes de futebol não se compenetrarem de que também estão sendo afetados, irão juntos para o buraco.

Maratona confirmada

Bristol (EUA) – O Rio vai ganhar uma nova Maratona. Será a Maratona Pro Adidas, que se realizará pela primeira vez no dia 9 de setembro, domingo. O percurso  está medido e certficado. A maratona já está aprovada pela Federação Internacional de Atletismo e será inscrita entre os eventos da AIMS (Associação de Maratonas Internacionais).

A novidade está no percurso, em três voltas de 14 quilômetros mais um trecho de 195 metros, que termina no Monumento aos Mortos da II Guerra, no Aterro do Flamengo. No ano que vem a Maratona terá que ser medida de novo e re-certificada, pois a Perimetral, que faz parte de seu percurso, será derrubada, como uma das obras previstas para a realização da Olimpíada de 2016.

O conceito do percurso porém será mantido, com três voltas de 14 quilômetros mais 195 metros.

A saga de Tevez (2)

Foto: AFPBristol (EUA) – Como eu previ no dia 3 deste mês (vejam  A Saga de Tevez), Roberto Mancini resolveu engulir sua frase “Carlos Tevez jamais jogará outra vez pelo Manchester City enquanto eu for técnico do clube” e, em consequência, o complicado (sim, ele é complicado) argentino estará desembarcando na manhã desta terça-feira na Inglaterra.

Afinal, faltam 13 rodadas para o fim do campeonato inglês, o Manchester City está apenas dois pontos à frente do Manchester United na liderança da tabela, os gols  andam escasseando e Carlos Tevez pode ter todos os defeitos do mundo, mas é um artilheiro nato.

Além do que, é um jogador de muita garra que, quando está em campo, se empenha a fundo, qualquer que seja o relacionamento que tenha fora das quatro linhas com o técnico. Quando o campeonato acabar e nova janela de transferência se abrir, Tevez vai outra vez afirmar que quer sair. Mas os donos do Manchester City já disseram a Mancini e aos seus auxiliares na Comissão Técnica que, no momento, não querem vê-los hostilizando Tevez.