Domínio total

Foto: AFP

Foto: AFP

Bristol (EUA) – O que salta à vista nos resultados da Maratona de Berlim, disputada neste domingo na Alemanha, é que continua, sem sinais de esmorecimento, o esmagador domínio dos corredores do leste africano na distância, sobretudo os de Quênia. Atentem para o seguinte: entre os homens, os oito primeiros foram de Quênia, seguidos por dois japoneses. Quer dizer, nenhum europeu, americano ou latino-americano entre os dez primeiros.

Entre as mulheres, as duas primeiras foram da Etiópia, seguidas por uma ucraniana, uma queniana, uma etíope, uma russa, outra queniana, uma alemã, uma britânica e outra etíope.

Não há entre as mulheres um domínio tão claro por parte dos países africanos como entre os homens, mas é importante ressaltar que, por razões culturais, foi apenas recentemente que mulheres africanas começaram a praticar esporte e competir em eventos internacionais. A tendência é que sua presença cresça, assim como seus resultados.

Não houve quebra de recordes em Berlim, o que deve ter decepcionado o queniano Geoffrey Mutai, grande favorito da prova. Como eu explico em um “post” abaixo, Mutai está aborrecido com o fato de não ter sido selecionado por Quênia para a Olimpíada de Londres este ano e queria o recorde para mostrar que ele é o melhor do mundo no momento.

O recorde continua com seu compatriota Patrick Makau, com 2:03:38, em Berlim, no ano passado. Mas o resultado de Mutai neste domingo (2:04:15) também é excelente. A chegada da prova foi muito disputada, com Dennis Kimetto, que é companheiro de treinos de Mutai, apenas um segundo atrás.

Os tempos femininos foram bons. A primeira colocada, Aberu Kebede, conseguiu 2:20:30, e a segunda, Tirfi Tsegaye, 2:21:19. As duas melhores marcas femininas continuam com a britânica Paula Radcliffe, com 2:17:18 em Chicago, em 2002, e 2:15:25 em Londres, em 2003. Há porém uma controvérsia quanto ao tempo de Radcliffe em Londres, onde ela correu junto com homens.

Com a progressão das africanas é bem provável que o próximo recorde mundial feminino venha a ser daquele continente, como já é o masculino há bom tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>