Porto Maravilha no Mundial de Triathlon

Auckland (Nova Zelândia) – O Rio de Janeiro está construindo seu Porto Maravilha para a Olimpíada de 2016, mas quero dizer aos caros leitores que o Porto Maravilha já existe, num local muito distante, aqui nessas imensidões do Pacífico. É o porto da cidade de Auckland, onde de sábado a  segunda-feira (domingo aí no Brasil) estaremos disputando mais um Mundial de Triathlon – a prova de encerramento da temporada da Federação Internacional de Triathlon.

Aí está está um grupo dentre os 60 brasileiros (os outros estão espalhados pelos arredores), com os canadenses ao fundo, na festa de abertura que se realizou exatamente num dos piers do porto. De lá saiu a “Parade of Nations”, que rumou para outro pier, onde existe um grande anfiteatro chamado The Cloud. Nele se realizou o Jantar de Massas – simples, informal, mas bem melhor do que o de Pequim, no ano passado,  que começou cheio de pretensões e acabou num caos típico de Terceiro Mundo.

O Porto Maravilha de Auckland é cercado de grandes e belos hotéis, lojas de luxo, como Prada, Gucci  e Louis Vuitton, e uma infinidade de restaurantes de categoria. Não pude ainda estar em todos, é claro, mas um simples passeio ao longo dos ancoradouros e piers, cheios de navios, iates e imensos  containers, nos dá água na boca (muito apropriadamente,  para quem está cercado de mar por todos os lados). Para quem gosta de comida italiana, posso recomendar o Portofino e, nele, o Risotto alla Pescatora, com frutos do mar. De sobremesa, o Brandy Snaps. Tudo acompanhado de um bom vinho, Insalata Mista e, ao final, cappuccino.

Detalhe: na Nova Zelândia não se dá gorjeta. Mas comemos tão bem e a garçonette italiana era tão simpática, que demos.

Devo acrescentar que a água do porto é tão limpa, verde clara,  que o fato salta aos olhos, sem necessidade dos chamados “Boletins de Balneabilidade” do Rio de Janeiro – onde, diariamente, o carioca verifica que não deve nadar em praias tão famosas quanto as do Leblon (vocês já pensaram em morar no Leblon e não poder tomar banho de mar?), São Conrado e Pepino (cercadas de prédios luxuosos, já para não falar do Gávea Golf Club) e a Barra da Tijuca (a Miami do Rio de Janeiro), no trecho que vai do Quebra-Mar ao Pepê.

Fico imaginando o dia em que despoluírem a Baía da Guanabara, com seu fantástico cenário, e você puder nadar nos piers do Porto Maravilha em construção. Será que vai acontecer mesmo?

Se acontecer, o Rio terá uma grande vantagem sobre Auckland: a temperatura da água. Aqui, neste meio de primavera no Hemisfério Sul, a água do porto está ainda muito fria, com 15 graus. Todo mundo terá que usar roupa de borracha. Estou preocupado porque mesmo com a minha, num teste de reconhecimento que fiz ontem, fiquei enregelado.

4 comentários em “Porto Maravilha no Mundial de Triathlon

  1. Grandes dicas….boa sorte a todos e em especial ao senhor e sua esposa vou assistir a prova masculina pela TV no Bandsports 21:00hrs no sábado.
    Aí que inveja que dá……. queria estar junto desta galera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>