Matriz de Irresponsabilidades

Divulgação

Divulgação

Bristol (EUA) – Entre a ideia e a realidade cai a sombra, diz o famoso poema de T. S. Eliot. É isto o que se passa com as obras para a Copa de 2014 e tudo indica que iremos pelo mesmo caminho para a Olimpíada de 2016.

Alguns garantem que Charles de Gaulle jamais afirmou que o Brasil não é um país sério. Tudo seria invencionice da imprensa, mas podemos lembrar, a propósito, a conhecida expressão italiana: se non è vero, è ben trovato.

As notícias estão nos jornais: o anunciado minucioso planejamento para a Copa de 2014 transformou-se numa peça de ficção. Os projetos foram proclamados com festas e estardalhaços: o mundo iria conhecer do que o Brasil é capaz.

Agora noticia-se mais um adiamento da entrega da reforma do Maracanã para a Copa das Confederações. Os responsáveis pela obra no momento podem dizer apenas que a entregarão no último dia possível. Quem quer apostar que não entregarão, ou que entregarão inacabada? Afinal, não seria novidade. Isto foi precisamente o que aconteceu  à época dos preparativos para a Copa do Mundo de 1950, quando o grande estádio ficou inacabado não por um dia, não por uma semana, não por um mês, mas por muitos anos.

Das 82 obras programadas para a Copa de 2014, na chamada Matriz de Responsabilidades, somente três permanecem dentro do prazo e do orçamento. Diante de tal constatação, é claro que, a partir de agora, o tal documento tem  que ser conhecido como Matriz de Irresponsabilidades.

Em poucas e curtas palavras, tudo está sendo feito à última hora, no sufoco, no tapa, no peito e na raça, ao largo do orçamento. O pior é compreendermos que tudo está sendo feito assim exatamente para justificar o desrespeito  aos limites orçamentários.

Mas, ao fim e ao cabo, todos cantarão: “A Copa do Mundo é nossa, com brasileiro, não há quem possa….”

Um comentário em “Matriz de Irresponsabilidades

  1. o mais escandaloso é que a reforma do maracana está saindo pelo mesmo preço que a construção “do zero” do estádio da juventus de turim, ou seja algo em torno de 270 mi de euros. como isso é possível? o lado positivo, porém, na construção desses estádios no Brasil é que realmente eles são muito bonitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>