Neném e o pedante

AFP

AFP

Bristol (EUA) – “Não há nada de novo sob o sol”, podemos ler em Eclesiastes 1:9. Tal constatação me ocorreu depois de ler uma entrevista do coordenador técnico de nossa Seleção, Carlos Alberto Parreira, sobre o que aconteceu na Copa de 2006, na qual ele era o técnico.

Parreira cita a palestra de um cavalheiro – quem foi, não sei – em seu Footcom, um fórum sobre futebol que, ele, Parreira, organiza todos os anos no Rio de Janeiro. (Parreira, é claro, aproveitou a entrevista para divulgar o seu produto.) Mas o tal palestrante disse que, para a próxima Copa do Mundo, o Brasil vai precisar de jogadores PhD e, ante o pasmo geral, explicou: são jogadores que precisam ser “poor” (pobres), estarem “hungry” (com fome) e terem “desire” (desejo, vontade, que poderíamos traduzir melhor como motivação).

Ora, acontece que há muitos anos um filósofo do futebol brasleiro, Neném Prancha, já tinha dito a mesma coisa num dia em que, assistindo a uma partida do time do qual era técnico, gritou para um jogador: “vai na bola, meu filho, vai na bola como quem vai num prato de comida”.

Parreira, a partir da palestra do pedante em seu Footcom, aproveitou para dizer que em 2006 o que nos faltou foi exatamente o tal PhD. Nossos jogadores, segundo ele, eram super-astros, como Ronaldão, Ronaldinho e Adriano (eu poderia citar outros) que não estavam motivados. E pontificou: “nenhum técnico dá motivação a um jogador, o jogador precisa se automotivar”.

Bem, tenho algumas considerações a fazer. Os tais super-astros desmotivados foram convocados pelo próprio Parreira. Era sabido, por exemplo, que Ronaldão estava mal no Real Madrid. Quando ele voltou para o segundo tempo de nossa primeira partida, contra a Croácia, a passo de cágado (eu escrevi cágado), ficou evidente que dali para a frente Ronaldão não iria mais na bola como quem vai num prato de comida, como de fato não foi. De quem a culpa de sua desinteressada presença na Seleção (lembram-se de sua frase sobre os mais de 80 milhões de dólares que tinha em investimentros?), senão do próprio Parreira?

Eu e muitos outros condenamos a falta de entusiasmo de nossos super-astros na ocasião e, antes mesmo do início do Mundial, cheguei a escrever uma coluna com o título “Les Héros sont Fatigués”, aproveitando o nome de um famoso filme francês.

Acontece também que o novo presidente da CBF afirmou ter nomeado Felipão para a Seleção que disputará a Copa de 2014 por ser um “motivador”. Parreira, braço direito de Felipão, acaba de dizer que não acredita em técnicos motivadores.

Já escrevi aqui no passado que minhas críticas não significam que não vá torcer pela Seleção. Parreira diz que o país todo tem que apoiar a Seleção. Muito bem, apoiarei. Mas não acredito que o entusiasmo popular por nossa Seleção vá ser tão grande quanto Parreira espera. Afinal, nossos torcedores há já algum tempo acham que nossos jogadores são os tais super-astros nadando em dinheiro de que Parreira fala. Muita gente no Brasil está farta de seus excessos, de seu estrelismo, das confusões em que se metem.

Falta a eles o tal PhD de que fala o pedante. Ou a disposição para ir na bola como quem vai num prato de comida, na frase muito mais saborosa de Neném Prancha.

4 comentários em “Neném e o pedante

  1. Se o Sr Parreira sabe tudo isso entao e hora de escolher jogadores com fome,e nao gente que so quer publicidade,por favor nao deixe para fazer decisoes na ultima hora,se tem que trocar de jogador ainda esta a tempo,nao de demais e sim exija demais e aquele que nao quiser ou este disposta que seja substituido a tempo para nao haver mais vexame para nos os que patrocinamos os esportes no Brasil e no mundo.

  2. O Sr. tem plena razão e o Parreira errou em 2006, mas fico feliz que ele diga o que disse na palestra. Talvez ele entenda que ele mesmo errou ( talvez não disse em palavras, mas parece ter reconhecido).

    Sigo a NBA desde o inicio dos anos 1980. O Michael Jordan foi um jogador que venceu, foi considerado o melhor pelos melhores ainda quando jogava e ainda assim se manteve “com fome” para ganhar 6 titulos. Ele ja recebia um salario de quase 3 milhoes de dolares por temporada e recebia mais 2 mi da Hanes, 2 Mi do McDonalds, e mais 30 Milhoes da Nike por temporada. Então, porque ele não parou?
    Acredito que fama e dinheiro não seja a explicação total. Isto éforma de pensar. Educação! Hoje, o Jordan não joga, mas podemos ver jogadores como o LeBron James que ganhou titulo da NBA no ano passado, mas nunca faz corpo mole. Podemos ver o ja bastante “idoso” Kevin Garnett dar sangue, suor e lagrimas dentro da quadra em um jogo que nem conta tanto. Acredito que precisamos de aprender a utilizar o dinheiro de clubes para ajudar a aducar.
    Muitos jogadores do futebol vem de meio humilde. Adriano é uma das muitas causas gritantes. Se tornar um milhonario é provado como algo dificil por muitos estudos conduzidos (um deles é com pessoas que ganham a loteria). Precisamos educar nossos jogadores desde jovem que ser famosos e milhonario não basta. O Messi é o melhor do mundo 4 anos seguidos. O que continua a motiva-lo???
    O Michael Jordan parou quando disse que não conseguia achar nada mais o que provar. Acabou a “fome”, parou de jogar. Eu diria que o Jordan e o Messi tem algo em comum. Educação!

  3. Há coisas no Brasil que não se entende.Por quê esse tal Parreira é tão conceituado é uma delas.Preparador físico na Seleção de 1970, nada mais fez, à não ser ganhar aquela copa de 94, em que todas as seleções presentes pareciam querer desprezar.Como técnico, tem pouquíssima credencial,ganhou quase nada e perdeu bisonhamente a Copa de 2006.Fora a cara de desânimo, que qualquer profissional motivacional iria desprezar na primeira reunião realizada com ele.Felipão precisa se impor e deixar esse fracassado nos bastidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>