Romarinho cala o Boca

Djalma Vassão/Gazeta Press

Djalma Vassão/Gazeta Press

Mama mia, que jogo!  A torcida do Boca cantou o tempo todo, até fiquei tonta em casa com o som, parecia um mantra. O estádio Alberto Jacinto Armando, vulgo La Bombonera, é realmente mítico. O clima lá não é tenso, é MUUUITO tenso.

O jogo foi muito difícil, mas o Corinthians não se encolheu e não entrou na catimba dos argentinos, principalmente de Erviti, que tentou desestabilizar o Sheik a qualquer custo.

A defesa do Timão esteve impecável, muito competente como sempre, não é à toa que é a melhor defesa da história da Libertadores. Alessandro foi muito bem.

Os hermanos tiveram bastante posse de bola, trabalharam muito bem no início do segundo tempo, apertaram o Corinthians, até que saiu o gol com Roncaglia. Festa em La Bombonera. O estádio quase veio abaixo.

Mesmo assim o Corinthians não se intimidou. A festa teve outro nome e outro dono: Romarinho. A estrela entrou no lugar de Danilo e no primeiro toque na bola marcou o gol. Inacreditável! Que frieza! Surge a jóia corintiana. O iluminaaaaaado!

No final, aos 46 do segundo tempo, até a trave estava a favor do Corinthians.

A decisão vai ser no Pacaembu. Dale Corinthians! O Timão está com uma mão na taça.

A casa caiu: Leão é demitido

Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

O time estava desarrumado. Essa foi uma das justificativas do presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, para a demissão do treinador Émerson Leão. Foram oito meses tentando comandar o clube: 44 jogos, 26 vitórias, 6 empates e 12 derrotas. Tentando porque o treinador não tinha autonomia dentro do clube. O próprio Juvenal Juvêncio disse que no São Paulo, técnico não diz quem deve ser contratado. “Aqui a gente contrata quem quer e põe pra jogar”, afirmou o presidente.

Enfim, por essa afirmação e por outras, percebemos que não existe harmonia entre direção e equipe. Não existe sintonia entre qualquer treinador que seja e o comando do time. Uma pena.

A desorganização na direção do São Paulo se reflete dentro de campo. Muito estranho, ainda mais vindo de um clube que já foi exemplo de ótima administração e competência. Mas isso, por enquanto, é coisa do passado…

É o time do povo na final da Libertadores!

Djalma Vassão/Gazeta Press

Djalma Vassão/Gazeta Press

O Corinthians realmente tem uma defesa excelente, pouco vazada e muito consistente, mas confiar só nisso para levar a Libertadores pra casa, não dá. Tanto que tomou o gol no primeiro tempo. O Santos começou fazendo a lição de casa com Neymar.

O Peixe teve completa posse de bola no primeiro tempo. O Corinthians atacou apenas em algumas jogadas de contra- ataque. Willian na cara do gol, quando deveria ter dado uma pancada na bola, recuou para o goleiro Rafael. Ok, vamos considerar o nervosismo… mas o Timão teve dificuldades de passar do meio de campo, realmente falta um matador ao time.

Segundo tempo. Outro jogo. O Corinthians entrou menos recuado e Liédson substituiu Willian. Aos dois minutos, Danilo, o artilheiro do time na Libertadores, fez o gol. Alívio para a torcida e confiança para a equipe.

Faltavam 3 minutos pro jogo acabar, as bombas ainda não estouravam. Os corintianos sabem que o jogo só termina quando acaba e, em se tratando de Corinthians, tudo poderia acontecer. E aconteceu a festa corintiana no apito do árbitro.

Corinthians classificado para a final da Libertadores. Aleluia!

Agora quem dá a bola é o Corinthians!

Fernando Dantas/Gazeta Press

Fernando Dantas/Gazeta Press

Que jogo, que espetáculo!

O primeiro tempo foi um show de tática e técnica da defesa do Corinthians. Ao contrário de outras decisões em que a equipe estava visivelmente nervosa, o Corinthians jogou de cabeça erguida, teve mais posse de bola e nem parecia estar na casa do adversário. O time como um todo esteve perfeito. Anulou a principal estrela do Santos e ainda conseguiu converter com  Émerson Sheik.

No segundo tempo o Santos cresceu e Neymar perdeu um gol feito. Aliás, a jóia santista acertou poucas jogadas e não fez a diferença.

O clima foi ficando tenso, os jogadores se estranharam e quem ganhou na catimba foi o Santos com a expulsão de Sheik.

Cássio teve uma atuação brilhante. Muito confiante, o goleiro tem feito a diferença e dado segurança à defesa corintiana.

Até a iluminação da Vila Belmiro não aguentou tanta emoção e cedeu. O apagão deu uma esfriada nos ânimos porque os jogadores estavam em clima de guerra.

Nota zero para alguns torcedores do Santos que arremessaram copo d´água e até um capacete de polícia no goleiro corintiano. Muito feio.

O placar é bom para o Corinthians, dá uma boa vantagem ao time de Parque São Jorge, mas ainda há muita bola pela frente com os 90 minutos no Pacaembu. Se o Corinthians entrar “sossegado” em campo, o Santos vai levar a melhor porque irá com tudo pra cima do Timão. No entanto, se o time de Tite jogar com a confiança e determinação que demonstrou nesta quarta-feira, será o campeão da Libertadores. E tenho dito!

Perder é ruim, mas perder pra Argentina é pior

AFP

AFP

Perder é ruim, mas perder pra Argentina é pior ainda. O Brasil teve um bom desempenho em campo, mas encarar o melhor time da Argentina não é pra qualquer um…

O Brasil finalizou mais, tocou mais, mas do outro lado tinha um tal de Messi que desequilibrou. O cara tem faro de gol e apesar dos gols de Rômulo, Oscar e Hulk não conseguimos vencer. Depositamos todas as fichas em Neymar, mas ele não marcou, no entanto, fez uma boa partida. Mas na boa, ainda não tem comparação com o Messi. É duro falar isso, mas esse argentino é espetacular e vive um momento fora do comum.

Queria que Neymar tivesse marcado pra calar a boca do Sorín, que agora é comentarista de TV, e chamou o nosso menino de Neymal, mas tudo tem seu tempo.

Acho que a defesa brasileira é ruim e precisa comer muito arroz com feijão. Ainda não temos um atleta do nível do Lúcio que inspire total confiança.

Marcelo, expulso, disse que perdeu a cabeça e deu uma “porrada” no Lavesi. Esse é o problema do Marcelo: um grande jogador, mas de temperamento extremamente forte.

No final, Neymar pediu a camisa do Messi. Pois é, temos todos que nos render ao hermano: foi dele o show dentro de campo.

Ronaldinho Gaúcho tem jeito?

Ronaldinho chegou ao Flamengo como superastro em 12 de janeiro de 2011, mas o amor acabou. Aquele que um dia prometeu dedicação e amor à nação rubronegra,  saiu pela porta dos fundos do clube na sexta-feira passada e cobrando uma dívida de mais de 40 milhões de reais.

A passagem de Gaúcho pelo Fla teve bons momentos, como aquele clássico contra o Santos com vitória do time carioca por 5 a 4. Nesse período, foram 74 jogos, 28 gols e apenas um título pelo clube, o Campeonato Carioca. No geral, o retrospecto não é dos melhores. 

Mais rápido do que poderíamos imaginar, Ronaldinho se apresentou hoje ao Atlético Mineiro. Com salários bem mais baixos (por volta de 300 mil reais) e contrato só vai até o final da temporada, será que Ronaldinho ainda tem gás e futebol pra mostrar? O espaço é seu.