O jogo dos zagueiros!

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Mais focado, mais concentrado, mais leve, mais rápido e com mais raça. O time esteve bem melhor do que aquele que vimos contra o Chile e, logo no início, gol do capitão Thiago Silva! Foi demais, redentor, ele merecia depois de toda a carga de críticas negativas que levou quando chorou e não bateu pênalti nas oitavas. Gritei muito! E quer saber, quando a gente não se sente bem , não tem que bater pênalti. E se ele queria orar naquele momento, as preces foram atendidas, poxa!

O Brasil começou muito bem contra a Colômbia, mas continuamos vendo os mesmos problemas de sempre e mais alguns. Os de sempre são Oscar (que não fez uma boa partida novamente) e Fred, melhor colocar um cone no lugar dele. Senti falta de Neymar, que na minha opinião tem que jogar mais enfiado no meio e na frente. O craque não apresentou as mesmas performances excelentes das primeiras partidas.

No segundo tempo, quando a Colômbia pressionava e teve um gol anulado (que susto) apareceu ele, David Luiz, o guerreiro, o futuro capitão, o queridinho do Brasil. O cara fez um daqueles golaços de falta que entram para a história a la Branco e Ronaldinho Gaúcho. Foi o jogo dos zagueiros. Foi memorável.

Aos 32 , pênalti de Júlio César em James Rodrigues e a revelação colombiana converteu com categoria. Começou o drama brasileiro, o sufoco, de novo…

Mas conseguimos passar. Ufa! Dois pontos negativos: a saída de Neymar machucado quando nosso craque tomou uma joelhada criminosa nas costas. E o segundo amarelo de Thiago Silva que está fora do próximo jogo… Felipão fez uma cara de desespero. Dante, a vaga é sua! Que venha a Alemanha! O bicho vai pegar!

Ave, César!

Júlio César (Foto: Sérgio Barzaghi/Gazeta Press)

Sérgio Barzaghi/Gazeta Press

Depois de um segundo tempo sem garra, sem jogadas ensaiadas, sem meio de campo e sem entrosamento por parte da seleção brasileira, que parecia ter sofrido um apagão, foi a vez do contestado Júlio César mostrar a que veio. Sim, ontem ele teve que justificar a confiança de Felipão. Poderia ser a consagração ou a derrocada de uma carreira. Estava nas mãos dele. As lágrimas antes dos pênaltis, a oração de Tiago Silva, o desespero dos brasileiros. E Júlio mostrou duas coisas: competência e sorte.

Pois é, quando preciso foi o cara defendeu duas cobranças de pênaltis e ainda contou com a sorte na última cobrança do chileno que bateu na trave e também naquela outra bola na trave que tomou durante o jogo. Pois é, Júlio César, tem estrela, sorte e foi competente o suficiente para levar a seleção às quartas. Sim, porque o mérito é todo dele.

Eu sabia que o Brasil não teria vida fácil se o jogo fosse para as penalidades. Poucas vezes a seleção treinou as cobranças de pênaltis. Tanto que perderam dois e isso, na minha visão, é inadmissível. Cobrança de pênalti é muito treino, e claro que precisa de sorte, mas é aquela velha história: 99% de transpiração e 1% de sorte.

O time de Felipão fez um jogo muito ruim contra o Chile. Tudo bem que o árbitro ajudou, mas Fred e Jô que me desculpem, essa Copa não é de vocês. Vamos que vamos, sexta é dia de encarar a Colômbia. Acho que dá Brasil!

 

Teresópolis parte 3

foto18

Último dia em Teresópolis e mais uma vez muito trabalho. Hoje começamos cedo, participando do programa Revista da Cidade. Logo em seguida, entrada no programa Super Esporte. À uma da tarde começou o treino da seleção brasileira, em que Fernandinho ficou o tempo todo como titular no lugar de Paulinho, que recebeu o colete de reserva. David Luiz saiu com dores nas costas.

foto17

 

À tarde teve entrevista coletiva com o jogador Fred e depois, foi a minha vez… hehe…brincadeirinha… E assim termina essa semana aqui em Teresópolis. Muito trabalho, muito frio, dor nas pernas e nas costas, mas feliz por ter participado da cobertura da seleção brasileira e estar ao lado de grandes jornalistas esportivos. Beijo e até mais!

foto16

 

foto19

 

Teresópolis: parte 2

foto3

 

 

Hoje o dia foi de muito trabalho. Tomamos café cedo e logo às onze horas da manhã já estávamos posisionados na Granja Comary para o dia cheio de trabalho que estava por vir com treino da seleção brasileira, entrevista coletiva e entradas ao vivo nos programa Super Esporte e Gazeta Esportiva. Paramos para almoçar um lanche frio depois das quatro horas da tarde.

foto4

Na foto, Silvestre e nosso câmera Ricardo.

foto6

Hoje tivemos entrevista coletiva com Luiz Gustavo e Willian.

foto11

Luiz Gustavo é uma das peças chaves de Felipão. Discreto, o rei dos desarmes e roubadas de bola é imprescindível no esquema tático de Felipão. Natural de Pindamonhangaba e ídolo do Esporte Clube Carrapato, clube em que atuou quando garoto, o volante atualmente joga no Wolfsburg da Alemanha. Tem 1,87m e 78 quilos. Seu apelido entre os colegas de seleção é Cid Moreira por causa da voz grave. Perguntei pra ele como faria para administrar para não tomar o segundo cartão amarelo e ficar fora das quartas ou da semifinal e ele me disse que vai jogar normalmente e caso o cartão aconteça, há outros atletas capazes de substituí-lo.
foto7

Casagrande assistiu ao treino da seleção ao meu lado. Simpatia de pessoa, grande ex-jogador, ótimo profissional. Admiro muito. foto8 foto9 foto10

Dia lindo de sol e vento frio. Muito bom trabalhar cobrindo a seleção brasileira. Grande experiência. Nos vemos amanhã na programação da TV Gazeta. Tchau!

 

Direto de Teresópolis

foto

 

Olá pessoal! Agora são quase dez horas da noite e estou na cidade de Teresópolis,  Rio de Janeiro.

Cheguei hoje para cobrir essa semana a seleção brasileira ao lado do repórter Alexandre Silvestre.

Nem consegui conhecer a cidade porque assim que saí do aeroporto do Rio, já fui direto para a Granja Comary participar ao vivo do programa Gazeta Esportiva.

Hoje os jogadores ficaram concentrados e tiveram o dia da folga, mas a estrutura da Granja está espetacular. Foi feita uma reforma a pedido de Felipão para dar mais conforto aos jogadores orçada em 15 milhões de reais. Agora cada atleta tem seu próprio quarto e para abrir a porta nem precisa de chave, basta a impressão digital. Há sala de jogos, de sinuca e playstation.

Todas as piscinas, banheiras e hidromassagens foram reformadas e, para os mais vaidosos, há ainda o serviço de dentista, barbeiro e podólogo. Chique, não?

Hora de dar tchau, tomar banho e descansar porque amanhã o dia começa cedo. Um beijo e ótima semana a todos. Nos vemos na programação da TV Gazeta.

Ah, só uma curiosidade: a cidade se chama Teresópolis em homenagem à imperatriz Teresa Cristina que foi casada com Dom Pedro II. Além disso, daqui saiam carregamentos de ouro para Portugal e Inglaterra na época do império. Poético, não? Agora sim, fui!

 

Nem zebra, nem surpresa, Neymar!

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Terceira apresentação da seleção brasileira. O jogo tão aguardado era a hora da verdade. Afinal de contas, o Brasil foi nota seis contra a Croácia, deixou a desejar contra o México e precisava de uma aparição mais consistente. Não foi a baba que todo mundo esperava, mas o 4 a 1 contra Camarões deu ânimo ao time e confiança ao torcedor. No entanto, os problemas ficaram mais evidentes e as soluções também.

No primeiro tempo, a seleção de Felipão percebeu que a pegada dos adversários não seria fácil. Os africanos estavam com o orgulho ferido e pouco espírito esportivo, Neymar que o diga, foi provocado e deu a melhor resposta de todas, um show de futebol e duas bolas na rede. Foi o melhor em campo, correu, desarmou, marcou, e graças a Deus Felipão tirou ele no meio do segundo tempo. O menino já tinha feito demais.

Fred, apesar do gol, não dá. Lento, sem tempo de bola, precisa sair. Já é a terceira partida que não mostra a que veio. Se bem que no segundo tempo, com a saída de Paulinho (que também está muito mal, errando passes, parece pesado e sem estrela) e a entrada de Fernandinho, até ele se saiu melhor.

Mas vamos falar dele: Fernandinho. Por favor, Felipão, deixa esse menino titular! Alguém finalmente melhorou o meio de campo brasileiro, deu agilidade aos passes e mais ligação às jogadas. Além de tudo, fez um gol. Pronto, é o cara que precisamos, ainda mais quando Paulinho já está na terceira partida muito mal.

Ok, que venha o Chi chi chi, le le le! Não vai ser fácil, mas as deficiências ficaram evidentes e agora as coisas podem melhorar mesmo. Vai Brasil!

P.S: Hoje a torcida chilena me emocionou muito ao cantar em alto e bom som o hino nacional. A capela foi de arrepiar. Lindo demais! Pena que perdeu da Holanda.

Empate com gosto de vitória para o México

Wagner Carmo/Gazeta Press

Wagner Carmo/Gazeta Press

Preparem-se, vai começar a cornetada em cima da seleção! Eu não quero ficar falando mal do time, apenas ressaltar que dependemos muito do talento individual e temos pouca coletividade. Mas vamos lá: eita joguinho complicado e chato! Foi um banho de água fria em cima da torcida brasileira! E aliás, um show da torcida mexicana que empurrou o time em campo.

O Brasil perdeu algumas boas oportunidades, faltou criação e jogadas ensaiadas, não há toque de bola rápido e, além do mais, o time parou no bom goleiro mexicano Ochoa (para mim o melhor da partida). O cara esteve inspirado em campo! Se bem que o nosso goleiro Júlio César foi muito bem quando acionado. Infelizmente ficou claro que dependemos muito do Neymar. O Fred, jogou? Na boa, não dá mais, segunda péssima atuação dele. Paulinho jogou muito abaixo da expectativa. Oscar perdeu o brilho da estreia. Ó céus, o que nos espera? 

Ainda bem que não pegamos uma Alemanha logo de cara porque a coisa ficaria muito feia para nós. A seleção está sentindo o peso de jogar em casa, falta diversão e sobra tensão…

Começamos com o pé direito

Wagner Carmo/Gazeta Press

Wagner Carmo/Gazeta Press

Foi um jogo tenso, mas o Brasil venceu bem a Croácia por 3 a 1.

Apesar do gol contra do Marcelo logo no início, o time conseguiu ter equilíbrio e calma para buscar o empate. A chave da vitória foi essa calma num momento em que o placar era desfavorável.

O Brasil dominou em posse de bola e passes, mas nem por isso foi uma partida fácil.

A torcida apoiou a equipe o tempo todo (isso foi fundamental) e depois os gols brasileiros apareceram com o fantástico Neymar e com o papai Oscar. Aliás, quem foi que disse que o Oscar não estava jogando bem, hein? Disseram que estava dormindo nos treinos… Pois é, o garoto acordou. Não é à toa que tem a confiança de Felipão. Na minha opinião, Oscar e Neymar foram os melhores em campo.

Apesar da festa de abertura ter deixado bastante a desejar (na minha opinião tinha que ter tido mais samba, mais bateria, Olodum e a festa de Parintins) o jogo contra a Croácia foi tudo de bom. O povo está com a seleção, mas não com a presidente. É isso aí, temos que apoiar nossos meninos. Só um último comentário, acho que a equipe de Felipão depende muito de cada jogador individualmente. Gostaria de ter visto um pouco mais de jogadas ensaiadas, mas acho que isso aparecerá com o tempo.

Começou a Copa, galera!

E você, gostou do jogo?

O espaço é seu.

Falta 1 dia!

A seleção brasileira já está em São Paulo e estou muito ansiosa. Hoje nossos meninos já fizeram o reconhecimento do gramado do estádio de Itaquera e parece que o clima de Copa do Mundo finalmente está aparecendo pela cidade. Falta 1 dia, animação pessoal!!!

Falando sobre o jogo contra a Croácia, acredito que será difícil, mais pelo nervosismo do que pela equipe adversária. Se bem que os croatas são conhecidos como “os brasileiros da Europa” por terem muita habilidade com a bola. Vamos ver amanhã… De qualquer forma, o nome de maior destaque da equipe croata é o ótimo Modritic, jogador do Real Madrid. Com esse aí precisamos ter cuidado. Prestem atenção nele amanhã.

Bom, vamos que vamos, está chegando a hora! Depois do jogo tem comentário meu aqui no blog e espero a sua visita!

Beijão e até lá.

Fotos dos bastidores do programa Revista da Cidade, onde eu e Flávio Prado batemos um papo com a Regiane sobre futebol.

foto 1 (3)

foto 2 (1)

 

 

Adeus, Fernandão…

Sábado fiquei chocada com a notícia da morte do Fernandão, nem consegui escrever nada.

Um cara jovem, bonito, campeão, talentoso, gente boa morrer num acidente de helicóptero…. a vida tem cada ironia… Ontem o Flávio Prado disse no Mesa Redonda que o percurso que esse helicóptero tinha que realizar para cruzar o rio levaria o tempo de 2 minutos. 2 minutos que não tiveram tempo de acontecer e representam agora uma eternidade.

Muito triste isso, triste saber que ele deixa esposa, filhos e que perdemos uma pessoa do bem neste mundo.

Fique em paz Fernandão, e muita força à toda família do craque.