Gazeta Esportiva

Postados por: olimpiadas2012

O Brasil teve papel de destaque na festa de encerramento dos Jogos de Londres, já que Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, sede da próxima edição do evento, recebeu a bandeira olímpica das mãos de Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI). Com o recorde de 17 medalhas, três ouros, cinco pratas e nove bronzes, o País terminou a disputa na 22ª colocação geral.

Autor dos dois gols sobre a Seleção Brasileira na final dos Jogos Olímpicos de Londres, o mexicano Peralta deixou o Estádio de Wembley com uma bola assinada por todos os seus companheiros como recordação. “A verdade é que ainda não acordei”, disse o jogador, assediado intensamente pela imprensa mexicana.

Então com 31 anos, Andrés Sanchez passou alguns meses longe do Corinthians, mas permaneceu sempre próximo de São Jorge, o padroeiro do clube. Entre julho e agosto de 1995, o futuro presidente do Timão e diretor de seleções da CBF viajou a Londres com a finalidade de estudar inglês.

Para aproveitar melhor o período de contato com o idioma, Sanchez planejou se hospedar na casa de uma família britânica e recebeu as orientações fundamentais de seu primo Marcelo, que já morava na cidade. Ainda assim, teve problemas com os costumes locais.

“Desconhecedor da pontualidade britânica, antes de voltar, ao passar pelos pubs, acabava perdendo o último trem para meu destino. Assim, muitas vezes meu ponto final acabava sendo o Pub The St. George’s Tavern, o mais próximo da Victoria Station”, conta Sanchez no livro “O Mais Louco do Bando”, obra sobre sua trajetória.

O tradicional pub frequentado pelo atual diretor seleções da CBF durante sua estadia em Londres foi fundado em 1873 e fica bem atrás da Victoria Station, uma das principais da cidade. O símbolo do estabelecimento, como não poderia deixar de ser, é a clássica imagem de São Jorge com o dragão (verde).

Em minha rápida passagem pela Taberna de São Jorge, tomei um paint da Nicholson’s Pale Ale, sugerida pelo garçom polonês que me atendeu no balcão, por 3,45 libras (aproximadamente R$ 11,00). A bebida é saborosa, porém um pouco quente para os padrões brasileiros.

Em um dia ensolarado, as mesas na calçada estavam com bom movimento. O lado de dentro é amplo e os frequentadores, diversificados: grupos de jovens, homens sozinhos, casais de meia idade e até muçulmanos, que bebiam água. Nos fundos, há um restaurante com ambiente mais tranquilo.

Neste sábado, as televisões do pub, enfeitado com pequenas bandeiras dos países que disputam as Olimpíadas, transmitirão o confronto entre Brasil e México, na decisão do futebol masculino. Em caso de título, o velho St. George’s Tavern é uma boa opção para festejar.

Nomes como Pilar, Francisca e Carmen nos crachás sobre os uniformes denunciam a origem estrangeira. Desde que chegamos a Londres, fomos atendidos com frequência em lanchonetes e restaurantes por jovens espanholas que deixaram o país, em profunda crise econômica, à procura de empregos no Reino Unido.

Pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos, o Japão venceu o Brasil por 2 a 0, em Cardiff. Com o clima instável na capital do País de Gales, a organização resolveu acionar o fechamento do teto do Milleniun Stadium momentos antes do início da partida. Metereologia à parte, as asiáticas avançaram para a semi e provocaram a pior campanha da Seleção na história do torneio.

A competição de judô teve alguns espectadores ilustres. Nas tribunas, o presidente russo Vladimir Putin acompanhou as disputas ao lado de David Cameron, primeiro ministro britânico. Já o príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, acabou ofuscado e ficou em um lugar nada nobre, entre membros da imprensa e de delegações dos países competidores. A presença do Duque de Edimburgo, 91 anos, no local deixou os próprios britânicos surpresos.

Como de costume, os pins com motivos olímpicos fazem sucesso durante os Jogos de Londres. No espaço localizado entre o Parque Olímpico e a Vila que abriga os atletas, é possível encontrar uma infinidade de modelos à venda.

Irreverente, um grupo de torcedores brasileiros acompanhou o confronto com a Grã-Bretanha com máscaras da família real. No entanto, os torcedores canarinhos deixaram o Estádio de Wembley sem motivos para festejar, já que a Seleção feminina de futebol perdeu por 1 a 0. Portanto, na próxima fase o time do técnico Jorge Barcellos enfrenta o Japão, atual campeão mundial.

No dia em que Rodrigo Pessoa desfilou como porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, visitamos o mítico Baloubet du Rouet, parceiro do cavaleiro em suas principais conquistas, como o ouro olímpico de Atenas-2004, mas mais lembrado pelas refugadas de Sydney-2000.

Fomos recebidos em Portugal pelo empresário Dom Diogo Pereira Coutinho, dono de Baloubet. Sônia Oliveira, tratadora exclusiva do animal e única a montá-lo, não confiou muito em mim, como vocês podem ver pela foto acima, mas o temperamental cavalo aceitou passear comigo rapidamente.

Rodrigo e Nelson Pessoa foram os únicos a competir com Baloubet, mas a relação da família brasileira com Dom Diogo foi encerrada de maneira pouco amigável. Para saber detalhes e conhecer a rotina de aposentado do excêntrico campeão em seu haras, clique aqui



Nascido em Santa Catarina, Renan Bardini Bressan, 23 anos, viveu a experiência inusitada de enfrentar a Seleção Brasileira como naturalizado pela Bielo-Rússia. Depois da emoção com o hino nacional, o jogador do BATE Borisov ainda marcou o primeiro gol da partida em jogada de bola aérea. “Foi difícil, até me arrepiei. É engraçado, porque eu raramente faço gols de cabeça”, afirmou o camisa 10, que mostrou habilidade em campo e foi o mais assediado pela imprensa bielo-russa ao final da partida.