Dinheiro e orgulho levam Alvarez a recolocar as luvas

Ele foi campeão mundial em duas divisões, estava parado há cinco temporadas e decidiu retornar. O nicaraguense Rosendo “El Bufalo” Alvarez, 41, não esconde que “por gostar de dinheiro e por orgulho”, recoloca as luvas no próximo dia 3 de dezembro, em espetáculo programado para Los Angeles, estado da Califórnia (EUA). “Ainda não posso dizer o nome, mas ele é um ex-campeão do mundo”, disfarça.

Alvarez (37-3-2, 24 KOs) não se apresenta desde a derrota por nocaute para o mexicano Jorge Arce, em abril de 2006, em Las Vegas. Algumas semanas depois, a Comissão Atlética do Estado de Nevada o suspendeu pelo resto da temporada por identificar o uso do diurético furosemida no exame antidoping. O nicaraguense, então, decidiu parar.

Garantindo estar treinando sério nos últimos seis meses, em que diz ter perdido mais de 20 quilos, Rosendo Alvarez empolga-se para destacar que “nasci para ser campeão” dentro de um esporte que é sua paixão. Porém, não se coloca em posição de hipocrisia e pensa também no dinheiro que pode receber pelo passado de títulos nas categorias mínimo (47,6k) e minimosca (48,9k).

Sem nenhum receio de fazer papel ridículo, como alguns críticos já analisam sua volta, o nicaraguense residente nos Estados Unidos descarta qualquer pensamento na derrota, apesar do longo tempo inativo. “Recebi as mesmas avaliações antes de superar meus adversários para ser campeão. Confio no poder de Deus e em seu propósito de consagrar-me novamente”.

Com três quedas, Marquez fulmina Concepción

A revanche não teve o mesmo sabor do primeiro encontro. E o maior culpado foi o mexicano Hernán “Tyson” Marquez, 23, que precisou de pouco tempo no primeiro round para derrubar o panamenho Luis “El Nica” Concepción, 26, em três oportunidades e conservar o cetro AMB mosca (50,8k). O rápido embate ocorreu ontem no Centro de Usos Múltiples da cidade de Hermosillo, estado de Sonora (México).

Hernán Marquez (32-2-0, 25 KOs) fez jus ao apelido. Ainda que tenha recebido o primeiro golpe duro do combate, o azteca não desperdiçou as chances de aplicar forte esquerda para enviar o rival ao solo. Corajosamente, Concepción (23-3-0, 18 KOs) se levantou e, de novo, foi ao chão, por combinação – a arma letal de Marquez.

Mesmo sentindo os golpes, o panamenho mais uma vez ficou em pé, mas foi alvo fácil para a fúria de “Tyson” Marquez que o arremessou à lona, obrigando o árbitro Rafael Ramos a encerrar o massacre a 1min49seg. No primeiro confronto entre os dois, em abril, Marquez-Concepción travaram batalha épica já apontada como séria candidata a “Luta do ano”.

Surpreso, Vit Klitschko desmente boatos de retiro

Alertado por um amigo sobre a veiculação mundial de que faria no máximo só mais dois combates para anunciar sua aposentadoria, o ucraniano Vitali Klitschko, 40, se mostrou surpreso com as notícias, incluindo sua saída do esporte para dedicar mais tempo às atividades políticas. “Jamais disso isso”, destaca o boxeador, dono do título CMB dos pesos pesados.

Vit Klitschko (43-2-0, 40 KOs) declara que se sente em ótima forma como sempre e que, somente na próxima temporada, espera realizar ao menos duas lutas. “Acredite em minha palavra. Pode avisar aos meus torcedores que as informações não são verdadeiras”, insiste o ucraniano ainda sem data e adversário marcados para defender seu cinturão.

Pacquiao amplia popularidade com tropas americanas

Aproveitando-se de todos os meios para ampliar ainda mais sua popularidade, o filipino Manny Pacquiao, 32, manteve contato com os soldados da tropa americana, atualmente em atividade no Afeganistão. O astro asiático, ao lado do treinador Freddie Roach, fez uso do computador e, por meio do skipe, conseguiu emitir mensagem de apoio ao grupo do Exército responsável pela chamada “Operação Liberdade Duradoura”, lotado no país árabe.

Pacquiao (53-3-2, 38 KOs) está na parte final de seus treinamentos para defender a coroa OMB meio-médio (66,6k) diante do inimigo mexicano Juan Manuel Marquez (53-5-1, 39 KOs). O terceiro confronto entre os dois está pactado para o próximo dia 12 de novembro no MGM de Las Vegas, estado de Nevada (EUA), em peso limite de 65,3k.

Vit Klitschko aponta retiro em mais uma ou duas lutas

Um dos mais eficientes pesos pesados dos últimos tempos está com os dias contados. O ucraniano Vitali Klitschko, 40, confirmou hoje que deve realizar mais uma ou duas lutas no máximo antes de retirar-se definitivamente dos tablados. “Estou terminando minha carreira esportiva”, sentencia o dono do título CMB que voltará suas atenções à trajetória política.

Vit Klitschko (43-2-0, 40 KOs) pede aos torcedores para não se desesperarem, afinal, o irmão Wladimir – campeão unificado AMB/OMB/FIB – é cinco anos mais jovem e continuará a entreter o público “durante muito mais tempo”. Vitali Klitschko tem índice de 93% de nocautes em relação às suas vitórias e acumulou apenas dois reveses (Chris Byrd, 2000, e Lennox Lewis, 2003) devido a lesões, quando vencia os dois combates nas papeletas dos jurados.

Já atuando como deputado em Kiev (Ucrânia), Vit Klitschko está entre os fundadores do partido oposicionista Aliança Democrática para a Reforma da Ucrânia (Udar). Sua presença política tem sido marcante, inclusive, com a manifestação pública no episódio da prisão da ex-primeira ministra Yulia Tymoshenko neste ano.

Para Pacquiao, trilogia é a “última noite” com Marquez

Até os membros da equipe percebem que algo está diferente. O filipino Manny Pacquiao, 32, aguarda com ansiedade o terceiro confronto com o mexicano Juan Manuel Marquez, 38, para acabar com todas as dúvidas sobre os resultados dos embates anteriores. “Não estou chateado. Estou animado porque ele vive dizendo que ganhou as lutas”, declara o astro asiático sobre o espetáculo agendado para 12 de novembro no MGM de Las Vegas, estado de Nevada (EUA).

Pacquiao (53-3-2, 38 KOs) tem se esforçado além do habitual nos treinamentos, sufoca os rivais nas sessões de sparring e dispara golpes duros como se já estivesse no combate com Marquez (53-5-1, 39 KOs). “Eu não acho que passa do sexto round. Hoje, ele é um animal muito diferente dos combates anteriores”, sintetiza Freddie Roach, técnico do filipino.

Mesmo escolhendo as palavras, Manny Pacquiao transformou a trilogia em desforra pessoal contra Juan Manuel Marquez. “Havia muito tempo que eu não o via tão focado. Tenho certeza de que ele está levando tudo para o aspecto íntimo. Ele está passando pelos sparrings como se estivesse trocando de cuecas”, elogia Alex Ariza, responsável pelo condicionamento e preparação física.

OMB suspeita de veracidade de lutas no Brasil!

As lutas e os resultados falsos objetivando a melhoria de recorde de pugilistas brasileiros não passaram ilesos na rodada de abertura da 24ª Convenção Anual da Organização Mundial de Boxe (OMB), realizada ontem na cidade de San Juan, em Porto Rico. Para o presidente da entidade, Francisco Valcárcel essas ações criminosas resvalaram em sua imagem, a ponto do organismo admitir que deveria ter mais cuidado e reconsiderar algumas das homologações de títulos.

Preferindo não citar nomes, Valcárcel foi duro ao dizer que não podemos “aprovar lutas com vagabundos”. O dirigente reconhece que em alguns momentos se depara com combatentes que se tornam campeões regionais – como latino, Nabo, entre outros – que “não estão qualificados para serem classificados” no ranking do organismo.

Valcárcel reconheceu publicamente que existe uma “infinidade de recordes falsos”, assinalando nominalmente o Brasil e alguns países da Europa. No encontro inaugural da convenção, os jornalistas argentinos Carlos Irusta e Edgardo Rosani aproveitaram para denunciar a falsificação de recordes no site Boxrec.com, optando, porém, por não citarem o nome do editor que publica resultados falsos de seu próprio país e também do Brasil, tudo com a intenção de facilitar a concretização de negócios para pugilistas.

Irmãos Klitschko zombam de desafio de Marco Huck

Os irmãos Wladimir e Vitali Klitschko não estão levando a sério os recentes comentários do alemão Marco Huck de que pretende desafiá-los “mais cedo do que as pessoas imaginam”. Contudo, o gerente de negócios dos ucranianos, destaca que, se quiser, o germânico pode ser o próximo rival de Vitali em embate previsto para fevereiro ou março de 2012. “Estamos à procura de adversário”, disfarça Bernd Boente.

Huck (34-1-0, 25 KOs) já disse aos seus agentes que pretende mesmo subir à divisão dos pesados no mesmo caminho percorrido por outros atletas como David Haye e Tomasz Adamek que já dominaram os cruzadores (90,7k). Irônico, Wlad Klitschko declara que o pugilista alemão pode se dirigir a qualquer momento para seu campo de treinamento e “fazer sparring comigo para começar a se acostumar aos pesos pesados”.

Tentando levar a discussão para pontos mais práticos, Bernd Boente avalia que as chances de um hipotético encontro Huck com um dos Klitschko esbarram nas diferenças de contratos que cada lado mantém com emissoras rivais de TV alemãs. “Se Huck e a Sauerland (sua promotora) abrirem mão do acordo que os une à tevê podemos pensar mais seriamente em um combate”, sustenta Boente.

Dawson chama Hopkins de covarde “sem ser lenda”

Descontente com a medida adotada pelo CMB de alterar o resultado de seu confronto para empate técnico e devolver o cinturão mundial dos meio-pesados (79,3k) ao rival, o americano Chad Dawson, 29, declara que Bernard Hopkins é “um covarde e que não merece ser qualificado de lenda” no esporte. No último dia 15, Dawson foi apontado como vencedor por nocaute técnico no segundo round pelo árbitro Pat Russell, depois que Hopkins caiu no solo e indicou lesão no ombro para não prosseguir no combate.

“(Bernard) Hopkins é falso e um ator”, esbraveja Dawson (31-1-0, 18 KOs) pedindo para as pessoas reverem com atenção o vídeo no momento do anúncio do resultado da luta. Naquele instante o veterano pugilista saltou de seu córner para contestar os jurados e não parecia estar incomodado com o ferimento. “Ele passou três anos sem querer me enfrentar e naquela noite ficou mais uma vez comprovada sua intenção”, destaca Chad Dawson.

O boxeador – agora sem título – espera pela reunião da Comissão Atlética do Estado da Califórnia prevista para dezembro em que se definirá pela manutenção ou não do resultado a seu favor. Dawson, porém, já informou que não pretende fazer revanche com o oponente, pois acredita em outras desculpas de Hopkins.

Irritado pelo tratamento de lenda dado ao veterano pugilista, o mais velho a obter cinturão mundial por organismo importante, Chad Dawson estima que Hopkins não pode ser colocado na mesma vitrine de Muhammad Ali que lutou com a mandíbula fraturada contra Joe Frazier. “Se eu tivesse perdido um braço no combate com Hopkins, ainda assim continuaria a lutar. Como alguém, então, pode chamá-lo de grande?”

Em combate monótono, Donaire se impõe a Narvaez

Foi um dos combates menos emocionantes da temporada. O filipino Nonito Donaire, 28, esteve longe de suas melhores performances e encontrou no argentino Omar Narvaez, 36, apenas um adversário que desejava terminar em pé todos os roundes. O The Flash filipino ganhou amplamente por pontos e reteve pela primeira oportunidade os títulos CMB/OMB galo (53,5k), no evento realizado ontem no WaMu Theater do Madison Square Garden de New York (EUA).

A falta de ação fez o público ofender os dois lutadores durante o último capítulo. Sem lutar desde fevereiro, Donaire (27-1-0, 18 KOs) não demonstrou a mesma potência e velocidade dos embates anteriores, mas o maior culpado pela monotonia foi Narvaez (35-1-2, 19 KOs). De boa qualidade técnica e elogiável sistema defensivo, o portenho descobriu rapidamente que não teria condições de vencer e limitou-se ao desejo de derrota com honra, sem nocaute.

Excetuando-se uma forte direita de Nonito Donaire ao fim do quarto capítulo que abalou Omar Narvaez, o restante da luta resumiu-se à tentativa do filipino em furar o bloqueio do oponente. Os três jurados identificaram a superioridade apontando o mesmo placar em 120-108. Provavelmente, Donaire sobe de divisão já em sua próxima apresentação, ao passo que Narvaez perdeu a invencibilidade de quase 11 anos, mas deve retomar a trajetória para defender seu cinto OMB supermosca (52,1k).