Jogador de Copa do Mundo faz estreia como boxeador

Para quem acompanha futebol, uma das imagens mais marcantes da última Copa do Mundo disputada na África do Sul (2010), ocorreu nas quartas-de-final, quando a seleção de Gana tinha um pênalti a seu favor no último minuto de jogo contra a equipe do Uruguai. O jogador que desperdiçou a penalidade e viu em seguida sua equipe ser eliminada da competição agora planeja sua estreia no boxe. O atacante Asamoah Gyan, 26, treina para subir ao ringue no dia 6 de julho em evento agendado para Accra, capital de seu país.

Gyan não pretende largar o futebol pelo qual joga por empréstimo pelo time do Al Ain dos Emirados Árabes Unidos – e está em período de férias. Ele apenas quer se transformar em referência para os jovens ganenses. “Eu amo boxe e sou grande fã de Floyd Mayweather e de Joshua Clottey (compatriota)”, destaca Gyan, apontado pelas revistas de negócios como o atleta de Gana que acumula a maior fortuna na atualidade.

Mesmo nos momentos em que está concentrado com sua equipe, Asamoah Gyan prefere assistir lutas de boxe a jogos de futebol. “É uma paixão existente desde os tempos de antigos campeões mundiais de nosso país como Azumah Nelson e Ike Quartey”, confirma o irmão mais velho do atleta, Baffour Asamoah.

Com o reduzido número de 300 pugilistas entre amadores e profissionais atualmente no país africano, Asamoah Gyan pretende convidar estrelas da música, da televisão e de outros esportes para comparecerem ao seu evento de estreia na modalidade. “Preciso estimular os jovens para que alcancem seus objetivos. Eu quero que o boxe seja novamente grande e levado a sério em meu país”.

Oliveira espera apagar derrota para Popó Freitas

A revanche já está acertada ainda para esta temporada. Desta vez, porém, o brasileiro Michael Oliveira, 22, espera apagar o duro revés sofrido para o compatriota e ex-campeão mundial Acelino Popó Freitas, 36, que lhe impôs nocaute no nono round no embate realizado no último dia 2 em Punta del Este (Uruguai). “Aprendi que quando você cai não é um perdedor. Mas quando se levanta é um vencedor”, analisa o jovem atleta nacional.

Oliveira (17-1-0, 12 KOs) revela já ter iniciado os treinamentos e o estudo da melhor estratégia para devolver a derrota a Popó Freitas (39-2-0, 33 KOs) e que o sabor amargo preciso ser retirado de sua trajetória. “Aprendi que não gosto de perder e me prepararei ainda mais para tirar esse gostinho de minha vida”, avalia o boxeador.

Residente na cidade de Miami, estado da Flórida (EUA), desde a segunda semana de seu nascimento, Oliveira desembarca em São Paulo (Brasil) onde pretende conceder entrevista coletiva na próxima sexta-feira para promover a revanche com Freitas e mostrar se ainda pode, na prática, ter chance de subir alguns degraus dentro do esporte.

Marido de Christy Martin é condenado a 25 anos

A Justiça apenas confirmou o que já tinha indicado havia dois meses. Jim Martin, 68, foi condenado hoje à pena de 25 anos de prisão pela tentativa de homicídio contra a ex-mulher Christy Martin, 44, em episódio ocorrido em novembro de 2010. Na época, Jim Martin se revoltou ao descobrir que a pugilista mantinha relações bissexuais e que desejava a separação.

Christy Martin (44-6-3, 31 KOs) conseguiu sobreviver ao ataque de fúria do ex-marido e treinador que a atingiu com três facadas e um tiro dentro da casa em que residiam. A lutadora alcançou a rua e pediu socorro a um motorista, foi levada ao hospital e, atendida, não ficou com nenhuma sequela física.

A condenação de 25 anos era a pena mínima obrigatória pelo crime cometido por (James) Jim Martin. Depois da sentença proferida no tribunal de Orange County, estado da Flórida (EUA), Christy Martin gritou em direção ao ex-companheiro pedindo para ele olhar para ela. “Desde o começo (do relacionamento) eu apoiei você, sua família e outros agregados financeiramente. Como fui paga por isso? Deixando ser morta em um quarto!”, desabafou.

Atual parceira da pugilista e principal pivô da confusão, Sherry Jo Lusk revelou que Christy deve abandonar o trágico passado e voltar a utilizar o sobrenome de solteira (Salters). “Em muitas noites ela (Christy) tem inúmeros pesadelos e grita assustada que Jim está tentando matá-la”, revela Lusk.

Em hospital, Ortiz pede tópico de revanche com Lopez

Com prazo completo de recuperação em torno de seis meses, o americano Victor Ortiz, 25, notificou o desejo de revanche frente ao compatriota Josesito Lopez, para quem perdeu no último sábado no Staples Center de Los Angeles (Califórnia, EUA). O ex-campeão mundial desistiu do combate, que ganhava nas papeletas, no fim do nono round devido à fratura na mandíbula.

“Assim que estiver em condições adequadas quero lutar com ele (Lopez) mais uma vez”, declarou Ortiz (29-4-2, 22 KOs) dentro do hospital. Ainda no domingo, ele foi submetido à cirurgia exigindo dos médicos a colocação de placa de titânio e três parafusos para estabilização do local ferido. A Golden Boy Promotions e a rede Showtime concordam com os apelos de revanche formulados por Ortiz, já prevista em claúsula contratual.

Andrew Golota corre risco de ser deportado dos EUA

Com mais de duas dezenas de anos vivendo nos Estados Unidos, o polonês Andrew Golota, 44, corre risco de ser deportado de volta a seu país natal exatamente no momento em que havia solicitado a cidadania americana. As autoridades redescobriram os antigos problemas judiciais enfrentados pelo ex-boxeador como posse de armas sem licença e utilização falsa de distintivo policial.

“É uma nuvem negra (a deportação) que paira sobre nossa família”, desabafa a mulher do lutador Mariola Golota, advogada e cidadã americana. A previsão é a de que a Justiça defina a situação no próximo mês de setembro. Golota (41-8-1, 33 KOs) vive com visto permanente no subúrbio da cidade de Chicago, estado de Illinois.

Depois de grande sucesso no amadorismo, culminando com a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Seul (Coreia do Sul, 1998), Andrew Golota se casou e emigrou para os EUA em 1990 com a intenção de trabalhar como motorista de caminhão. Curiosamente, um funcionário da emigração o estimulou a retornar ao ginásio e iniciar a carreira como profissional.

Diferente do antigo estilo europeu, ele se configurou em forte pegador e a sucessão de vitórias o levou a embates importantes, incluindo a disputa de três títulos mundiais, nos quais perdeu para Lennox Lewis, John Ruiz e Lamon Brewster. Também são memoráveis (e questionáveis) suas duas derrotas por desclassificação para Riddick Bowe.

Boxeador morre depois de vencer e manter título

Em período nada feliz para o boxe mundial, o filipino Ermelito Alim Jr., mais conhecido por Jog Alim, 20, morreu na última quinta-feira. Dois dias antes, ele havia conservado um título regional da categoria supergalo (55,3k) ao superar por pontos o compatriota Al Grumo na cidade de Rosário, província de Agusan del Sur (Filipinas). O lutador caiu no ringue logo após o anúncio do resultado a seu favor.

Alim (12-6-1, 8 KOs) havia conquistado o cinturão no último mês de março e, na primeira defesa diante de Grumo (7-2-0, 1 KO), foi melhor e chegou a derrubar o rival uma vez no sexto giro. Até onde se pôde apurar com dirigentes e mesmo com o manager do pugilista, Jog Alim não sofreu golpes poderosos no confronto.

Depois do colapso ainda no tablado, ele foi levado imediatamente a hospital local e, em seguida, transferido para a cidade de Tagum e mais uma vez para outra unidade em Davao City. A família diz ter aceitado o infortúnio devido aos riscos intrínsecos ao esporte. Jog Alim foi o terceiro boxeador filipino a morrer somente nesta temporada.

Adriana Salles é valente em derrota para Chris Namús

Ela havia prometido ser guerreira e desejava vingança contra a única rival a lhe impor nocaute na carreira. A disposição da brasileira Adriana Salles, 42, acabou sendo freada na pontuação pela uruguaia Chris Namús, 24, no embate terminado nos primeiros instantes de hoje e válido pelo pequeno título WPBF (Federação Mundial de Boxe Profissional) da categoria superleve (63,5k). O cenário foi o Estádio Cr. Gastón Guelfi, Palácio Peñarol, da capital Montevidéu (Uruguai).

Salles (12-7-1, 6 KOs, a confirmar) atacou com pressão a adversária e foi melhor nos dois primeiros episódios com a aplicação de bons diretos. No entanto, Namús (17-3-0, 7 KOs) encontrou a melhor distância a partir do terceiro giro, fez chegar seus jabs, diretos e cruzados que alcançaram com frequência o rosto da brasileira.

“Fui de menos a mais no combate”, admite Chris Namús, reconhecendo a durabilidade da rival. “(Adriana) Salles nunca se dá por vencida, caminha sempre à frente, dificultando para qualquer adversária”, elogia uruguaia que se recuperou de duas derrotas consecutivas para a argentina Fernanda Alegre.

Lopez quebra mandíbula de Ortiz e prejudica Alvarez

É uma das grandes reviravoltas de uma temporada muito interessante. O americano Josesito Lopez, 27, saiu da condição de azarão para aceitar o confronto intenso com o compatriota Victor Ortiz, 25, obrigando o rival a desistir antes do início do décimo round com suposta fratura na mandíbula. O encontro foi realizado ontem no Staples Center de Los Angeles (Califórnia, EUA) e Ortiz se vê afastado da luta pelo cetro mundial, cujo contrato já estava assinado para desafiar o azteca Saul “Canelo” Alvarez.

Lopez (30-4-0, 18 KOs) havia manifestado o desconforto por saber que a Golden Boy Promotions fechara acordo antecipado para Ortiz (29-4-2, 22 KOs) enfrentar Alvarez pelo título CMB supermeio-médio (69,8k), em setembro. Disposto a estragar a festa, Lopez em nenhum momento se colocou como inferior e protagonizou uma guerra.

Os dois atletas mal permitiram momentos de descanso em qualquer rodada. Lopez chegou a ficar com o olho esquerdo visivelmente ferido e inchado, porém, nunca se deu por vencido. Ele teve bons instantes e, no nono capítulo, viu o oponente favorito sinalizar a desistência. Até ali, Ortiz liderava as papeletas em 86-85; 87-84 e 88-83.

Neste ano, o mundo pôde presenciar outras reviravoltas como as derrotas de Manny Pacquiao para Timothy Bradley e a de Bernard Hopkins para Chad Dawson – em que perdeu a condição de mais velho boxeador a ostentar título por um dos principais organismos do esporte -, e o triunfo apenas por pontos do nocauteador Vitali Klitschko sobre Derek Chisora.

Mike Tyson dá apoio a Barros para superar dos Santos

Ele ficou estático e quase sem voz. O brasileiro Laudelino “Lino” Barros, 35, recebeu chamada telefônica surpreendente nesta tarde de New Jersey (EUA), pois do outro lado da linha estava o lendário Mike Tyson. O ex-campeão mundial dos pesados queria dar seu apoio formal ao combate em que Barros faz frente ao compatriota Julio Cesar “Gaspar” dos Santos, 34, dono do cinto latino OMB cruzador (90,7k). O embate ocorre no dia 29 no ginásio da Sociedade Esportiva Palmeiras, em São Paulo (Brasil).

“Não pare de movimentar a cabeça e o tronco. Faça a sua luta. Estarei torcendo por você”, disse Tyson que mantém contato com Lino Barros (35-2-0, 30 KOs) desde o início dos anos 2000. Na época, o mais jovem detentor do cetro dos pesados da história profetizou uma carreira de sucesso para Barros no momento em que foram apresentados pelo empresário português Mário Costa.

Emocionado com as palavras de apoio, Laudelino Barros acredita ter recebido incentivo em momento importante. Atual #4 AMB e #13 OMB, ele faz com “Gaspar” dos Santos (21-0-0, 19 KOs) o que o site Liga de Boxe foi a primeiro a classificar como séria candidata a Luta do Ano no país. “É um grande desafio e sinto-me em perfeitas condições. Mal vejo a hora de subir ao ringue”, comenta Barros.

Tarver se diz inocente e espera contraprova de exames

Do mesmo modo como o mundo do esporte ficou estupefato, o americano Antonio Tarver, 43, revelou ser atingido com surpresa pela divulgação do seu teste positivo antidoping pela substância drostranolona (anabolizante) depois de seu combate com o nigeriano Lateef Kayode, no último dia 2, em Carson (Califórnia, EUA). O atleta se declara inocente e quer obter exames mais apurados para identificar a origem da droga em seu organismo.

“Sempre fui defensor do esporte limpo e um advogado para os testes mais rigorosos de drogas no boxe”, desabafa Tarver (29-6-1, 20 KOs) por meio de redes sociais. Ele promete recorrer à Comissão da Califórnia e se colocar à disposição para informar todos os produtos que consumiu antes do confronto com Kayode.

A estratégia de Tarver é tentar descobrir as causas potenciais para os exames positivos para substância proibida, pois “quero mostrar aos meus fãs que nunca quis obter vantagem desleal e desonesta para melhoria de desempenho”. A confirmação do doping do lutador veterano se soma nas últimas semanas aos dos compatriotas Lamont Peterson e Andre Berto.