Dana White ataca inveja do “velho bastardo” Bob Arum

Não é a primeira vez, e provavelmente não será a última, que o presidente do UFC Dana White entra em rota de colisão com o octagenário promotor Bob Arum, CEO da Top Rank. Os dois empresários dividirão os interesses (e o dinheiro) dos aficionados pelos esportes em 8 de dezembro com eventos simultâneos com mais uma edição das brigas de MMA com a quarta guerra de Manny Pacquiao e Juan Manuel Marquez.

“Por alguma razão, ele (Arum) odeia o fato de nosso esporte estar indo bem. Outras pessoas são capazes de fazer dinheiro e outros atletas podem ganhar mais dinheiro. Mas algum motivo incomoda esse velho bastardo”, ataca White. O comandante da ascensão mundial do MMA acredita que nunca seja uma boa ideia dois esportes semelhantes se confrontarem desnecessariamente.

White revela sua paixão pelo boxe (“eu amo”), mas lembra que em anos passados o próprio Bob Arum promoveu muitos espetáculos nas mesmas datas que o também veterano Don King, em guerra não produtiva de pay-per-view para nenhum dos dois lados. “Eu não sou Bob Arum que torce para o insucesso dos outros. Quero que ele se foda”, dispara irritado.

CMB descarta revanche imediata Martinez-Chavez Jr.

A intenção dos promotores dos dois atletas era a de realizar a revanche imediata, mas o Conselho Mundial de Boxe (CMB) tratou de esfriar os ânimos. Para o presidente do organismo José Sulaimán dificilmente o organismo concederá a segunda edição entre o argentino Sergio “Maravilla” Martinez e o mexicano Julio Cesar Chavez Jr. em pouco tempo.

Para o dirigente, o combate foi unilateral com domínio total de Martinez, à exceção do último round em que foi derrubado e por pouco não perdeu por nocaute. “Os regulamentos CMB não permitem revanches imediatas, apenas em circunstâncias muito especiais”, explica Sulaimán. Para contribuir ainda mais com a impossibilidade de novo encontro, Chavez Jr. foi flagrado por uso de maconha e deve receber suspensão de alguns meses da Comissão de Nevada.

Mayweather despeja dinheiro em clube de stripper

Sem se importar com o registro de fotos, o americano Floyd Mayweather, 35, esteve na noite de ontem em clube de stripper em Las Vegas (Nevada, EUA) e não se intimidou em arremessar cerca de US$ 50 mil (R$ 100 mil) sobre a mesa para que as dançarinas pudessem apresentar-se nuas na frente de muitos de seus amigos, incluindo o rapper Ray J.

Mayweather carregou a pequena fortuna em uma bolsa de marca reconhecida mundialmente e, segundo relatos, gastou a quantia ao longo de várias horas até sair do local em companhia de seguranças. Depois de permanecer preso por violência doméstica, o multicampeão ianque foi libertado antes do prazo previsto no mês passado, mas já disse que não volta a competir nesta temporada, colocando em dúvida a sequência de sua carreira.

Chris Namús acusa ex-namorado por vídeo sexual

Para preservar seus direitos e sua intimidade, a uruguaia Chris Namús, 24, já fez denúncia policial contra um ex-namorado que supostamente veiculou na internet um vídeo em que os dois aparecem mantendo relações sexuais. Elogiada por sua beleza física e um dos grandes ídolos esportivos em seu país, a atleta avalia que o antigo companheiro postou as imagens como represália depois de séria discussão na semana passada (todas as redes sociais já retiraram o vídeo de circulação).

Namús (17-3-0, 7 KOs) mantinha trajetória ascendente, capaz de atrair milhares de torcedores aos seus combates até perder a primeira oportunidade mundial com incrível nocaute no round inicial para a colombiana Lely Luz Flores, em agosto de 2009. Com potencial mercadológico, seus representantes conseguiram fazê-la acumular mais alguns triunfos até o escândalo do confronto com a espanhola Loli Muñoz.

Mesmo inferiorizada e castigada no combate, a boxeadora foi declarada vencedora, gerando denúncias contra o árbitro Anibal Andrade e os juízes. Após análise rápida, a Federação Uruguaia transformou o resultado em “sem decisão”. Na revanche três meses depois, Namús venceu Muñoz por decisão dividida e novamente controversa.

No ano passado, a uruguaia comunicou seu retiro do esporte por falta de apoio, mas sua palavra não resistiu poucos meses até voltar a competir, inclusive no Brasil. A pugilista tentou em duas ocasiões consecutivas obter o título OMB superleve (63,5k), porém, foi superada pela argentina Fernanda “La Camionera” Alegre. Em junho último, Chris Namús retomou a trajetória de vitórias ao suplantar a brasileira Adriana Salles.

Polícia prende suspeitos de assassinar Corrie Sanders

Graças a uma denúncia anônima, a polícia sul-africana deteve hoje três homens suspeitos de participarem do assassinato do ex-campeão mundial dos pesos pesados Corrie Sanders, morto nas primeiras horas do último domingo por não resistir ao ferimento à bala na região do estômago. Todos os bandidos são de origem zimbabueana.

“Apreendemos celular, chave de carro, bolsa e dinheiro que supostamente foram roubados de vítimas que estavam no restaurante onde Sanders foi atingido”, destaca a polícia em comunicado oficial. Em companhia da filha, o ex-boxeador estava em jantar comemorativo do 21º aniversário de um sobrinho quando os marginais invadiram o local para assalto e dispararam aleatoriamente, atingindo Sanders.

Os três homens serão levados a tribunal na próxima segunda-feira na cidade de Britz (80 km a Nororeste de Pretória) onde serão formalmente acusados de assassinato e assalto à mão armada. Corrie Sanders foi a única pessoa atingida pelos disparos e, encaminhado a hospital, não suportou a cirurgia. Ele tinha 46 anos.

“Touro Indomável”, Jake LaMotta é festejado em NY

Ele foi o primeiro homem capaz de impor derrota ao extraordinário Sugar Ray Robinson, escreveu autobiografia transformada depois em grande sucesso nos cinemas e está entre os maiores pesos médios (72,5k) de todos os tempos. O americano Jake LaMotta foi um dos homenageados do 27º Jantar Anual das Lendas do Esporte, realizada nesta segunda em New York (EUA).

Aos 91 anos, LaMotta (83-19-4, 30 KOs) traz em sua trajetória o grande feito de encerrar a invencibilidade 40 vitórias consecutivas de Robinson – para muitos o maior boxeador da história. Naquele 5 de fevereiro de 1943, ele subiu ao ringue com 72,8k contra 65,5k de Robinson, conquistando muita vantagem física durante o combate, incluindo ter enviado o oponente para além das cordas no oitavo round.

Apenas três semanas os separou de novo encontro. Robinson deu o troco e ganhou por pontos, do mesmo modo como já havia feito na primeira batalha entre eles, em outubro de 1942. Devido à grande rivalidade, Robinson e LaMotta se confrontaram mais três vezes – fevereiro de 1945, setembro do mesmo ano e em fevereiro de 1951, quando Robinson conseguiu o primeiro e único nocaute sobre LaMotta, roubando-lhe também o título mundial dos médios.

Livro e filme

Nascido Giacobbe LaMotta, em 1970 Jake LaMotta viu publicado seu livro autobiográfico “Raging Bull: my story” que conta sua ascensão e queda dentro e fora dos ringues. Dez temporadas depois, consagrou-se nas telas de cinema de todo o mundo como “Touro Indomável” (EUA, 1980, Drama), cujo papel principal foi protagonizado por Robert de Niro. Dirigido por Martin Scorcese, o desempenho deu a de Niro o Oscar de melhor ator, enquanto o filme ainda ganhou outra estatueta pela montagem.

Chavez Jr. recebe multa e sugestão de tratamento

Com certo ar de proteção, o Conselho Mundial de Boxe (CMB) decidiu impor multa de irrisórios US$ 10 mil (R$ 20 mil) e recomendar tratamento médico ao mexicano Julio Cesar Chavez Jr., 26, pego por uso de maconha nos testes antidopagem depois do confronto em que perdeu o título da divisão médio (72,5k) para o argentino Sergio Martinez. O embate foi realizado no último dia 15 de Las Vegas, estado de Nevada (EUA).

Na declaração distribuída à imprensa, o presidente CMB José Sulaimán descartou qualquer suspensão ao filho da lenda, afirmando que a punição “não iria ajudá-lo”, ressaltando que o atleta ficará sem poder atuar pelo organismo enquanto estiver em tratamento de reabilitação.

O dirigente, compatriota de Chavez Jr., deixa as portas abertas para o boxeador brigar mais uma vez pelo cinturão da entidade, sem nenhuma restrição no futuro. Entretanto, o pugilista ainda corre risco de punição mais severa a ser adotada pela Comissão Atlética do Estado de Nevada, com suspensão de até um ano (pois é reincidente) e confisco de parte da bolsa recebida contra Martinez de US$ 3 milhões (R$ 6 milhões).

Lendário Chavez torce para filho aprender com erros

Avaliando o filho como muito jovem e com necessidade de aprender com seus erros, o mexicano Julio Cesar Chavez não vê nenhum motivo para Chavez Jr., 26, mudar de categoria de peso depois da derrota para o argentino Sergio Martinez, no último dia 15 em Las Vegas (Nevada, EUA). O filho da lenda ficou sem o cinto CMB médio (72,5k) e, logo em seguida, foi flagrado nos testes antidoping por uso de maconha.

Chavez Jr. (46-1-1-, 32 KOs) foi criticado pelo próprio pai e também pelo técnico Freddie Roach pelo antiprofissionalismo durante a preparação para o embate com Martinez, incluindo falta a treinamentos. “Na realidade, meu filho não tem problemas em manter-se no peso, mas ele precisa alterar algumas coisas”, analisa Chavez, um dos maiores boxeadores de todos os tempos.

Espera-se para os próximos dias a convocação de Chavez Jr. para depoimento na Comissão Atlética do Estado de Nevada para dar sua versão para os sinais de maconha encontrados em seu organismo. O atleta já admitiu o uso da droga e está sujeito a suspensão de até um ano e elevada multa. Contudo, Chavez pai imagina o filho totalmente recuperado para fazer a revanche com Martinez em 2013.

Em tentativa de assalto, morre ex-campeão dos pesados

No momento em que estava em restaurante comemorando o aniversário de um familiar, o sul-africano Corrie Sanders acabou vítima de bandidos, recebeu um disparo na região do estômago, foi levado às pressas ao hospital, mas os médicos não conseguiram salvá-lo na cidade de Britz, perto da capital Pretória (África do Sul). O canhoto Sanders assombrou o mundo quando nocauteou o ucraniano Wladimir Klitschko para abocanhar o título OMB em 2003. O peso pesado africano morreu hoje aos 46 anos.

Segundo relatos de testemunhas três marginais invadiram o restaurante para assalto e, em determinado momento, iniciou-se um tiroteio. Sanders nunca fez sinal de reação e revelava ferimento também no braço. “Ele estava no lugar errado e na hora errada”, teria dito uma das pessoas que também se encontrava no ambiente.

Sanders (424-0, 31 KOs) se consagrou efêmero campeão mundial ao impor nocaute a Wlad Klitschko, em março de 2003, na Alemanha. Azarão, o sul-africano nunca se intimidou e chegou a derrubar o ucraniano duas vezes no primeiro giro – que atordoado acabou salvo pelo gongo.

Renúncia

Confiante em suas mãos duras e percebendo que o oponente nunca se recuperara integralmente, Sanders partiu decidido na segunda etapa sobre Wlad Klitschko e o enviou ao solo em mais duas ocasiões para ver o árbitro Genaro Rodriguez decretar o fim aos 27 segundos. De modo quase inexplicável, Sanders renunciou ao cetro para desafiar Vitali Klitschko, dono do cinto CMB, e perder por nocaute em abril de 2004.

(*) Assista à maior glória de Sanders quando derrubou Wlad Klitschko e se consagrou campeão mundial dos pesados

Mayweather deve impor termos de luta com Pacquiao

A hipotética realização do megacombate entre o americano Floyd Mayweather, 35, e o filipino Manny Pacquiao, 33, continua a alimentar o sonho dos aficionados e a gerar discussão intensa de representates dos dois lados. Durante essa semana, o astro asiático mencionou o desejo de enfrentar o rival ianque, aceitando a menor fatia na divisão da receita (45-55%) e a promoção de testes aleatórios de sangue e urina.

“Pacquiao não pode falar merda nenhuma sobre Mayweather”, dispara Leonard Ellerbe, principal assessor do americano. O empresário diz que o filipino não está em codições de pedir nada e que todos os termos de eventual contrato devem ser ditados por seu pupilo. Com base nos números registrados em pay-per-view, Mayweather poderia impor rateio de 60-40% a seu favor, se não percentual ainda maior, avalia Ellerbe.

Há muitos anos os torcedores e a mídia aguardam a concretização do combate Mayweather-Pacquiao, mas uma série de fatores transformam-se em obstáculos quase intransponíveis, incluindo a decisão de tribunal federal desta semana em que o americano foi condenado a pagar despesas judiciais a Pacquiao.