Futebol/Mercado - ( )

Corinthians tenta segurar Paulinho, mas não faz força por Liedson

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O volante Paulinho dizia que não pretendia deixar o Corinthians após a Copa Libertadores, mas o assédio do futebol italiano se intensificou com a conquista do título sul-americano, e ele já não garante mais que ficará. Por isso, a diretoria se esforça para segurá-lo.

A intenção do clube é fazer novo reajuste salarial e comprar os 45% dos direitos econômicos pertencentes ao BMG, chegando a 55% e assumindo fatia maior do que o Grupo Pão de Açúcar, dono dos outros 45% e que no momento é o principal interessado em vendê-lo.

“Se eu for embora vou ganhar (dinheiro), se eu ficar, da mesma forma vou ganhar. Não penso no dinheiro, prefiro pensar na minha carreira”, disse o jogador, que prometeu resolver o assunto o mais rápido possível a fim de não prejudicar seu rendimento dentro de campo.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Paulinho é alvo de interesse de clubes italianos
Alguns torcedores chegaram a criticá-lo ao fim da derrota por 3 a 1 para o Botafogo, no Pacaembu. "Se não quer correr, vai embora, Paulinho", gritou um deles, mais exaltado, nas numeradas.

Se o desejo da diretoria é segurar Paulinho, um dos melhores volantes do futebol brasileiro na atualidade, o mesmo não ocorre com Liedson. O contrato do atacante vence no fim deste mês e provavelmente não será renovado.

O jogador já foi avisado de que está liberado para negociar com outros clubes, pois a intenção do Corinthians é estender seu vínculo somente até o Mundial de Clubes, em dezembro. Ao mesmo tempo, há equipes da primeira divisão do Campeonato Brasileiro com propostas de até três anos de contrato.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade