Jogos Olímpicos 2012/Ginástica - ( - Atualizado )

Íntimo de Londres, Zanetti aposta em “proteção de avó” e psicologia

Bruno Ceccon
Enviado Especial
Londres (Inglaterra)

Um dos cotados ao pódio nas Olimpíadas de Londres, Arthur Zanetti é íntimo da capital inglesa. Quarto colocado no Mundial-2009, um de seus primeiros resultados expressivos, e ganhador do evento teste para os Jogos realizado em janeiro, o ginasta brasileiro aposta em um amuleto entregue pela avó e na preparação psicológica para triunfar nas argolas.

“Tenho uma corrente que uso há mais de 12 anos e ganhei da minha avó”, contou o ginasta na tarde deste domingo, exibindo a diminuta medalha de Nossa Senhora. “Ando sempre com ela, porque proteção de avó é de grande importância. É meio pequenininha, mas importante”, explicou.

Credenciado pelo status de atual vice-campeão mundial e com a preparação física afinada, o atleta brasileiro acredita que a parte mental pode fazer a diferença na briga pelo pódio olímpico e trabalha há oito anos ao lado de uma psicóloga.

“É de grande importância ter uma psicóloga, porque, como você já treinou o ano todo, o corpo e o físico estão preparados. Na hora, é o psicológico que pega. Algumas vezes, quem tem o lado psicológico fraco acaba errando e a gente trabalha isso de forma intensiva”, declarou.

Divulgação/COB
Ginasta brasileiro Arthur Zanetti (à direita) posa ao lado do compatriota Sérgio Sasaki na Vila Olímpica em Londres
Em Londres, o brasileiro terá a concorrência do chinês Yibing Chen, medalha de ouro em Pequim-2008 e bicampeão mundial nas argolas. Na disputa com o competidor asiático, os resultados alcançados anteriormente na capital inglesa servem como motivação.

“Estou bem situado em Londres, porque um dos melhores resultados que já tive foi aqui. Já estou bem localizado no ginásio também, tenho o mapa do ginásio na cabeça. É uma cidade que eu gosto e espero ter bons resultados”, declarou o brasileiro de 22 anos.

Em Londres, Zanetti disputará uma edição dos Jogos pela primeira vez na carreira. Mais do que garantir que não houve qualquer tipo de deslumbramento ao chegar à Vila Olímpica, ele procura encarar o evento com frieza, chegando a compará-lo ao Pan-americano e até mesmo à Universíade.

ZANETTI EVITA FALAR SOBRE JADE 

A ginasta Jade Barbosa, patrocinada por um banco que concorre com o apoiador da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), ficou fora dos Jogos de Londres de forma polêmica. Questionado sobre o tema, Arthur Zanetti evitou maiores comentários.

“O feminino tem que resolver a parte dele e a gente resolve a nossa. Nós tentamos não interferir. Às vezes, você vai tentando ajudar e acaba atrapalhado”, declarou o competidor.

De acordo com Zanetti, os ginastas brasileiros não chegaram nem sequer a tocar no assunto. “Não tenho nenhuma opinião. A gente deixa elas resolverem os problemas delas”, declarou.

“Tem atleta que fica pensando muito que é Olimpíada e acaba tendo uma pressão a mais. Eu estou encarando como se fosse uma outra etapa de Copa do Mundo, que já competi várias vezes. Estou tentando colocar o mesmo clima para que não ocorra nada de diferente. Já participei da Universíade e do Pan, e a Vila é meio parecida”, disse.

Zanetti costuma postar frases célebres em uma rede social e gosta de ler. Fã de livros escritos por treinadores e ex-esportistas, o ginasta citou “Transformando Suor em Ouro”, obra do técnico Bernardinho, como referência – ele deseja encontrar os atletas do vôlei masculino na Vila Olímpica.

“Li recentemente esse livro e é excelente. Acaba ajudando e muito”, afirmou o atleta, cauteloso. “Estou aqui para fazer a minha parte e não fico pensando em passar para a final. Se vier uma medalha, vai ser consequência e vou ficar muito feliz. Quero dar o máximo e sair satisfeito”, afirmou.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade