Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Ponte Preta surpreende Cruzeiro no Independência e acaba com jejum

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

A torcida do Cruzeiro que marcou presença em bom número neste domingo, no estádio Independência, foi obrigada a voltar para a casa com um gosto amargo. Isso porque, o time mineiro foi surpreendido pela Ponte Preta e perdeu por 2 a 1, desperdiçando chance de chegar próximo das equipes do G4. No time de campinas, o triunfo acabou com uma série de quatro jogos sem vitórias.

O primeiro gol do jogo foi anotado pelo lateral e armador Cicinho, que aproveitou uma bobeada da zaga celeste. Borges empatou nos acréscimos do primeiro tempo e Marcinho marcou para a Ponte Preta em falha de Fábio. Com a vitória, a Macaca chega aos 19 pontos, na nona colocação. Já o Cruzeiro permanece com 23, cai três posições e vê as equipes do G4 abrirem vantagem.

A curiosidade do jogo ficou por conta do volante Charles, que reclamou das cobranças do técnico Celso Roth e chegou a dizer ao treinador que poderia fazer a substituição. Depois disso, o jogador passou a ser vaiado pela torcida e deixou o primeiro tempo homenageado por Borges no gol de empate e chorando bastante.

Arte GE.Net
Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro vai visitar o Santos, na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro. Já a Ponte Preta terá um dia a mais de preparação, até quinta-feira, quando recebe o Grêmio, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

O jogo – Contando com o apoio da torcida, o Cruzeiro iniciou o jogo pressionando a Ponte Preta, e logo aos dois minutos, Wallyson rolou para Diego Renan, que bateu cruzado pela linha de fundo, em uma boa tentativa da Raposa. Acuada no campo de defesa, a Macaca procurou compactar as linhas de marcação e tentar as jogadas de contra-ataque.

Com maior volume de jogo, o Cruzeiro abusou das trocas de passe no meio-campo, em busca de encontrar espaço na defesa da Ponte Preta. Após os quase protocolores 15 minutos de pressão dos donos da casa, a Raposa diminuiu o ritmo, porém, continuou com as rédeas da partida. Como a estratégia inicial não surtiu o efeito desejado, a equipe mineira passou a chamar a Macaca para o campo de ataque e tentando sair em velocidade.

Com possibilidade de agredir os mineiros, os visitantes chegaram ao gol na primeira oportunidade real que tiveram no jogo. Aos 17, o time de Campinas surpreendeu em uma bobeada da zaga celeste, que deixou Cicinho livre, em condições de receber assistência de Marcinho e tocar na saída do goleiro Fábio, para abrir o placar no Independência.

Após o gol da Macaca, o panorama da partida voltou mostrar o Cruzeiro atacando mais e a Ponte Preta encolhida no campo de defesa e tentando diminuir a velocidade do jogo. Aos 24, Tinga fez boa tabela com Wallyson e mandou uma bomba para o gol, o tiro explodiu nas luvas do goleiro Roberto, que evitou o empate. Aos 26, Borges tentou desviar cobrança de falta, mas chegou um pouco atrasado, assuntando a torcida visitante.

Divulgação/Vipcomm
Isolado nas laterais do campo, Walter Montillo pouco ajudou o Cruzeiro a evitar mais uma derrota em casa
Aos 34, em um contra-ataque rápido, a Ponte Preta perdeu uma oportunidade clara de ampliar o marcador com Marcinho, que apareceu livre, na cara do goleiro Fábio, e tentou deslocar o arqueiro celeste, mas a bola passou rente a trave esquerda e foi para a linha de fundo. A resposta da Raposa veio com duas chances do atacante Wallyson, que errou o alvo na hora do arremate.

Já nos acréscimos brilhou a estrela do atacante Borges, que apareceu na pequena área para completar cruzamento de Montillo, e empatar o jogo. Porém, a alegria do torcedor cruzeirense não durou muito tempo. Isso porque, logo na volta para a etapa complementar, o meia Marcinho cobrou falta de longa distância, a bola bateu no gramado e enganou o goleiro Fábio, que aceitou o gol da Macaca.

O gol dos visitantes parece ter dado mais motivação para o Cruzeiro, que intensificou a pressão, dando muito trabalho para o goleiro Roberto, acionado várias vezes na partida. Para aumentar ainda mais o poder de fogo da Raposa, o técnico Celso Roth resolveu colocar em campo o avante Wellington Paulista, artilheiro do time mineiro na temporada.

Aos 25, Ceará cobrou falta e Borges desviou de cabeça, obrigando Roberto a se esticar todo para fazer ótima defesa evitando o empate. Apesar de algumas chances da Ponte Preta, o Cruzeiro agrediu durante todo o segundo tempo, mas não conseguiu furar o bloqueio imposto pela Macaca e sofreu o revés.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade