Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Estrangeiros do Palmeiras tentam fazer frente mais uma vez a Neymar

William Correia São Paulo (SP)

No jogo mais marcante entre Palmeiras e Santos neste século, o colombiano Armero não balançou as redes, mas virou símbolo por comemorar com uma dança peculiar – que ficou conhecida como “Armeration” – um dos gols da virada por 4 a 3 na Vila Belmiro, no Paulista de 2010. Neste sábado, outros estrangeiros são os maiores candidatos a parar Neymar novamente: o argentino Barcos e o chileno Valdivia.

O próprio elenco do Verdão ressalta o meia e o artilheiro como suas maiores possibilidades de vencer o clássico no Pacaembu e evitar a presença na zona de rebaixamento do Brasileiro ao final do primeiro turno. Na disputa particular com o camisa 11 do time alvinegro, a aposta é no Mago. “Tomara que brilhe a estrela do Valdivia e consigamos anular não só o Neymar, mas todo o Santos”, comentou Correa.

O volante até aceitou comparar o brasileiro e o chileno. “São dois jogadores muito técnicos, mas com características diferentes. O Neymar é mais driblador e o Valdivia também dribla, mas coloca mais os companheiros na cara do gol. Mas temos que estar cientes de que o Palmeiras não é só o Valdivia, é um grupo, assim como o Santos não é só o Neymar, tem uma grande equipe.”

Montagem sobre foto de Divulgação e Djalma Vassão/Gazeta Press
Após ver o colombiano Armero dançar na Vila Belmiro, Neymar terá pela frente Valdivia e Barcos no Pacaembu
A análise de que nenhum craque define nada isoladamente também vale para Barcos. Embora Correa admita a óbvia importância do argentino, autor de 21 gols no ano, o meio-campista ressalta a importância da equipe. E será necessário que um time sem 11 desfalques dê condições ao artilheiro de balançar as redes santistas.

“O Barcos é uma referência, faz gols, e gols bonitos. É uma peça importante. Mas sozinho não adianta. Ele tem sido o diferencial porque tem feito gols, mas todas as peças precisam estar bem postadas para ele poder fazer a diferença. O coletivo tem que estar em um dia legal”, definiu.

O coletivo também vai precisar ficar atento a Neymar. Independentemente das vitórias passadas, a ordem é não tirar os olhos da esperança santista de ir à Libertadores novamente. “Agora é outro jogo, temos que estar concentrados. Em um segundo de desatenção, uma bobeada, acabamos perdendo o jogo”, indicou Correa.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade