Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Verdão perde para o vice-líder Galo e afunda na zona de rebaixamento

Belo Horizonte (MG)

O Palmeiras não conseguiu dar prosseguimento ao início de bom momento conquistado após a vitória sobre o Sport e, neste domingo, foi derrotado pelo vice-líder Atlético-MG, por 3 a 0, gols do zagueiro Leonardo Silva e do meia-atacante Bernard, duas vezes. O resultado voltou a afundar o time paulista na zona de rebaixamento: são cinco pontos de distância para o Coritiba, atual 16º colocado e primeiro clube acima da área de perigo.

Depois de um primeiro tempo sem gols, em que o Palmeiras teve a melhor chance, na cabeçada de Luan, o Atlético-MG foi para o abafa no início do segundo tempo, e abriu o placar aos oito minutos. Após escanteio cobrado por Ronaldinho Gaúcho, o capitão do Galo, Leonardo Silva, desviou de cabeça, e abriu o placar. Já no final, Bernard aproveitou contra-ataque para, em chute cruzado, ampliar. Nos acréscimos, o camisa 11 ainda viu o vacilo de Leandro Amaro e Bruno e decretou a vitória dos mandantes no estádio Independência.

Com o resultado, a equipe comandada pelo técnico Cuca não deixou o líder Fluminense disparar. Somando 48 pontos, está a dois do time comandado por Abel Braga, com um jogo a menos. O Palmeiras, por sua vez, caiu uma posição: é o 18º colocado, com 20 pontos conquistados em 23 jogos.

Para o Verdão, pior do que a queda na tabela é o aumento da distância para a primeira equipe fora do rebaixamento. Com o final da rodada, o time, que já perdeu em 13 partidas neste Brasileirão, não conseguirá deixar a zona da degola na próxima rodada, quando enfrentará o Vasco, quarta-feira. O Galo, por sua vez, encara o São Paulo, novamente em casa.

O JOGO - Sem vencer há quatro jogos, o Atlético-MG começou a partida em cima do Palmeiras, tentando incomodar especialmente pelo lado esquerdo com o meia-atacante Bernard, que obteve efeito suspensivo e teve condições de atuar neste domingo. Durante as investidas do atleticano, Artur, lateral direito do Palmeiras, demonstrava dificuldades para conter os avanços daquele lado.

Apesar da maior posse de bola no campo de ataque, o Galo não era perigoso nas jogadas de ataque, especialmente porque Guilherme não conseguia completar as jogadas que o time mandante criava. Diante da falta de objetividade da equipe de Cuca, o Verdão passou a se soltar, mas também tinha dificuldades para chegar ao gol defendido por Victor.

Foi do Verdão, inclusive, a primeira chance de perigo no Independência. Aos 12 minutos, o time paulista desceu bem pelo lado esquerdo e, após bom passe de João Vitor, cruzou para Obina. O camisa 21 desviou desequilibrado e a bola passou devagar, mas bem próxima da meta do Atlético-MG. A resposta, porém, veio em menos de dois minutos.

Depois de cobrança levantada na área, Bruno deu um leve soco e a bola sobrou para Bernard. O camisa 11 bateu no canto direito e a zaga tirou na primeira chance; o rebote ficou com a revelação atleticana, mas desta vez Obina chutou para longe, evitando maiores riscos ao time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari.

Ao Atlético-MG faltava uma referência. Sem Jô, lesionado, o time continuava abusando das jogadas aéreas e ninguém aparecia para completar dentro da área. O Palmeiras, por sua vez, passou a ter mais chances quando Valdivia e Tiago Real aumentaram a movimentação à frente. Foi do chileno o cruzamento para Obina, que marcou aos 21 minutos, mas teve o gol anulado por estar impedido na jogada.

Danilinho, aos 34 minutos, completou escanteio cobrado por Ronaldinho Gaúcho e levou perigo ao gol de Bruno. A melhor chance do primeiro tempo, porém, foi criada pelos visitantes: aos 39, Tiago Real lançou grande bola para Luan. O camisa 11 desviou de cabeça e Victor, no reflexo, fez a defesa e os dois times foram para o intervalo com um empate sem gols.

Para a segunda etapa, o Cuca decidiu tirar Leandro Donizete e Danilinho, para as entradas de Escudero e Leonardo. Com o time mais ofensivo, o Galo partiu para a pressão e teve aos cinco minutos Ronaldinho Gaúcho começou a aparecer: o camisa 49 encontrou Marcos Rocha livre dentro da área, mas o lateral finalizou mal, para fora.

O momento era todo dos mandantes e o experiente armador era a principal peça na criação de jogadas. Aos sete minutos, Ronaldinho bateu escanteio e o zagueiro Leonardo Silva, que já atuou pelo Verdão, subiu mais do que toda a zaga alviverde para abrir o placar no estádio Independência.

Sem conseguir responder à pressão do Galo, Luiz Felipe Scolari decidiu mexer na equipe: saíram Artur e Tiago Real, para as entradas de Márcio Araújo e Maikon Leite. Com as mudanças, o Verdão passou a ter mais velocidade, mas Obina seguia isolado no comando de ataque, e não conseguia chances claras.

Com o placar em seu favor, o Galo aproveitava a desorganização alviverde na defesa e assustava Bruno nas jogadas de Ronaldinho Gaúcho e Bernard. Correa, por sua vez, tentou o chute de fora da área aos 25 minutos, mas a bola passou por cima do gol de Victor, sem grande perigo.

No final da partida, o Atlético-MG encaixou rápido contra-ataque e Bernard, aos 39 minutos, limpou dois palmeirenses e bateu cruzado: 2 a 0 para o Galo. Victor defendeu uma cabeçada no canto esquerdo, que os palmeirenses reclamaram já ter entrado e Correa ainda acertou uma falta na trave. No rebote, o atacante Luan não teve tranquilidade para, sozinho, descontar - o camisa 11 isolou pela linha de fundo.

O Verdão vacilou e diante da falta de comunicação entre Leandro Amaro e Bruno, nenhum dos dois tirou a bola, Bernard dominou dentro da área e, livre, sem goleiro, empurrou para o fundo do gol, decretando o 3 a 0, que não deixa o Fluminense disparar na liderança. O Verdão, por sua vez, não consegue deixar a zona de rebaixamento para a Série B de 2013.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade