Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Após 22 meses na Ponte, Kleina ensina detalhes em treinos secretos

William Correia São Paulo (SP)

O segundo jogo de Gilson Kleina na missão de evitar o rebaixamento do Palmeiras será exatamente contra a Ponte Preta, time no qual trabalhou por 22 meses até chegar ao Verdão na semana passada. E todo o seu conhecimento sobre o adversário deste sábado, no Pacaembu, tem sido repassado em atividades com portões fechados na Academia de Futebol.

Os treinamentos que puderam ser acompanhados pela imprensa nesta semana foram somente trabalhos físicos na segunda e na terça-feira e, na quarta-feira pela manhã, um exercício técnico com o elenco dividido em dois grupos para treinar em campo reduzido antes de praticar finalizações.

Já as atividades visando o ajuste da equipe têm sido secretas. Na tarde de quarta-feira, por exemplo, foram duas horas de novo trabalho com bola e exercício tático. Algo similar ou um coletivo deve ocorrer a partir das 16 horas (de Brasília) desta quinta-feira, novamente sem a presença de jornalistas na Academia de Futebol. A preparação se encerra com treino aberto à imprensa na manhã de sexta-feira, seguido de entrevista de Kleina.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Treinador tem escondido tudo que pode antes de enfrentar sua ex-equipe neste sábado, no Pacaembu
Os atletas que falaram nesta semana não deram pistas sobre as conversas do chefe sobre a Macaca. “Sabemos da qualidade dos jogadores da Ponte, que é um time difícil, brigador e com muita vontade em campo. Qualquer coisa vinda de pessoas que trabalharam lá vai nos ajudar. O Gilson Kleina vai nos acertar para tentar neutralizar os pontos fortes deles”, limitou-se a dizer Henrique.

Em relação à escalação, Valdivia, Correa e Maikon Leite são dúvidas por dores musculares, mas Artur e Obina ficam à disposição após cumprirem suspensão na vitória sobre o Figueirense. A escalação de Luan depende do julgamento desta sexta-feira em relação à sua expulsão na derrota para o Corinthians, enquanto Wesley, João Vitor e Fernandinho seguem vetados por problemas físicos.

Independentemente de quem for escolhido para entrar em campo, o pedido dos jogadores com maior liderança no elenco é de que as ordens de Gilson Kleina sejam obedecidas à risca. Vencer é fundamental para o Verdão, antepenúltimo colocado do Brasileiro com cinco pontos a menos em relação ao Coritiba, primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

“É importante o nosso técnico conhecer bem a Ponte Preta, saber como jogam e o que vamos fazer. Ele vai nos transmitir o que quer e teremos que fazer bem”, cobrou Barcos. “Temos que estar concentrados para fazer o que ele pedirá para nós, senão não adianta. Mas ele passa coisas construtivas, nos dá moral e isso está fazendo com que o grupo se sinta mais confiante”, enalteceu Henrique.

Publicidade

Últimas Notícias

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade