Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Fabrício revela que teria sido boicotado por Mingone no Guarani

Campinas (SP)

As polêmicas continuam surgindo no Guarani após a equipe ser rebaixada à Série C do Campeonato Brasileiro. Nesta terça-feira, o meia Fabrício revelou que a sua volta ao time foi atrasado por vontade do agora ex-presidente Marcelo Mingone.

“É complicado dizer, mas não posso ficar calado, foi algo que me chateou. Eu vinha treinando bem e sendo elogiado pelo Vadão. Com o Vilson Tadei foi a mesma coisa e já estava pronto desde para o jogo contra o Atlético-PR, mas ele não me levou. Conversei com ele e ele me disse que o presidente Mingone não queria que eu jogasse”, declarou.

No final de outubro, o meio-campista contou que motivos extra-campo atrasaram sua volta ao Bugrino após recuperação de lesão no tendão de Aquiles, mas não havia revelado a causa. O jogador disse que, por conta da má situação, chegou a aceitar abdicar ao salário para ficar no clube.

“Uns dois meses antes de voltar a chegar o Mingone me chamou para tentar rescindir meu contrato. Eu cheguei a me humilhar e pedir para ficar no clube sem receber porque não queria nada do clube, só queria jogar”, contou.

Agora, Fabrício não sabe como fica sua situação até o fim do contrato. “Tenho contrato até dia 31 de dezembro e não sei como vai ficar. Quero ficar, mas tenho outros interesses em vista. Espero que nessa semana possamos resolver, estou aguardando algum contato”, afirmou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade