Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Tite não entende ataque de sindicato de atletas a Paulo André

Helder Júnior São Paulo (SP)

O técnico Tite ficou surpreso com as críticas do Sindicato de Atletas Profissionais do Estado de São Paulo (Sapesp) ao zagueiro Paulo André. Nesta semana, o jogador do Corinthians cobrou que a entidade agisse em defesa de seus colegas de profissão do Palmeiras, ameaçados por torcedores por causa da grande probabilidade de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Foi atacado em seguida.

Paulo André fez cobrança
Sapesp rebateu o zagueiro

“Chamaram o Paulo André de covarde?”, espantou-se Tite. “A ideia que ele quis transmitir é muito maior do que qualquer outra coisa. Não consegui entender a manifestação do sindicato, mas respeito”, acrescentou, balançando a cabeça em sinal de negação.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Técnico Tite controlou a boca para não ser mais crítico ao sindicato que atacou postura de Paulo André
Em comunicado, o Sapesp classificou a manifestação de Paulo André como “característica do pseudopolitizados” e “desastrosa”. O sindicato ainda citou que age na defesa dos direitos de jogadores em casos de atrasos de salários, períodos de férias e horários de jogos, por exemplo, mas não na proteção da integridade física dos profissionais fora dos campos.

Tite tentou não alimentar ainda mais a polêmica. “Não vou dar uma resposta ao sindicato. Absolutamente. Prefiro olhar sob outra ótica, a do Paulo André, e entender que agir contra a violência é uma questão de princípios”, disse.

O treinador fala sobre o problema enfrentado pelo Palmeiras por experiência própria. No ano passado, quando o Corinthians foi eliminado da pré-Libertadores pelo colombiano Tolima, ele e seus comandados também sofreram com cobranças violentas de torcedores. “A paixão da torcida tem limite”, ensinou Tite.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade