Motor/Fórmula 1 - ( - Atualizado )

Alonso defende artimanha da Ferrari e assume papel de francoatirador

André Sender e Bruno Ceccon São Paulo (SP)

A artimanha usada pela Ferrari para favorecer Fernando Alonso no Grande Prêmio dos Estados Unidos ainda é motivo de questionamentos. Na véspera da etapa do Brasil, além de assumir o papel de francoatirador, o espanhol defendeu a manobra da escuderia italiana em Austin.

“Estou orgulhoso da minha equipe. Foi uma decisão estratégica e funcionou muito bem. Talvez as pessoas não tenham ficado muito felizes, mas estou orgulhoso porque dissemos a verdade e nem todos fazem isso quando tomam decisões do tipo”, disse o espanhol na manhã desta quinta-feira.

Para colocar Alonso do lado limpo do grid em Austin, a Ferrari trocou o câmbio do brasileiro Felipe Massa que, punido em cinco posições, saiu do 11º lugar, o que possibilitou ao espanhol começar em sétimo. Depois de ganhar três posições na largada, ele ainda contou com o abandono do australiano Mark Webber para terminar em terceiro.

Superado pelo britânico Lewis Hamilton e pelo alemão Sebastian Vettel nos Estados Unidos, Alonso permaneceu vivo na disputa pelo título mundial. A 13 pontos do piloto da Red Bull, o espanhol assume papel de francoatirador antes da etapa do Brasil, a última do campeonato.

“Precisamos marcar o máximo de pontos. Vamos cruzar a linha de chegada e ver a posição do Sebastian. O que acontece na Red Bull não está nas nossas mãos e temos pouco a perder. Se vencer, vou ficar muito feliz. Mas sei que preciso de uma combinação de resultados. Se não ganhar, vou dar os parabéns ao Sebastian e tentar de novo no ano que vem”, disse.

AFP
Michael Schumacher ouve Fernando Alonso: o espanhol defendeu a artimanha da Ferrari para ajudá-lo
Bicampeão com a Renault nas temporadas de 2005 e 2006, Alonso será o mais jovem tri da história da Fórmula 1 caso consiga desbancar Sebastian Vettel no Grande Prêmio do Brasil. Independentemente do resultado deste domingo, o piloto espera ter novas oportunidades de brigar pelo título.

“Estou com 31 anos e sinto que terei mais chances. Vou ficar na Ferrari pelo menos por mais quatro anos e isso sempre dá a possibilidade de lutar pelo título. Estou há três anos na equipe e chegamos até a última corrida com chances de ganhar o campeonato duas vezes”, declarou.

Se neste momento Vettel tem 13 pontos de vantagem sobre Alonso, em 2010 o espanhol disputou a última corrida com 15 pontos sobre o alemão, que ainda assim ficou com o título em Abu Dhabi. Lembrado da situação vivida há dois anos, o piloto da Ferrari rejeitou qualquer tipo de comparação.

“As circunstância são diferentes. Como não havia Kers e asa traseira móvel, a dificuldade de ultrapassar era maior”, disse Alonso, que ficou em sétimo e viu Vettel vencer nos Emirados Árabes. “Agora, mesmo se você estiver no final do grid, pode se recuperar. Isso é esporte e tudo pode acontecer até a bandeirada final”, disse.

 

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade