Motor/Fórmula 1 - ( - Atualizado )

Domenicali defende privilégio a Alonso e fala em “transparência”

Austin (Estados Unidos)

Satisfeito com os resultados do Grande Prêmio dos Estados Unidos, Stefano Domenicali, chefe da Ferrari, defendeu a posição da equipe de privilegiar o espanhol Fernando Alonso, ainda na briga pelo título mundial, em detrimento do brasileiro Felipe Massa e falou em “transparência”.

Para colocar Alonso do lado limpo do grid, a escuderia trocou o câmbio de Massa que, punido em posições, partiu no 11º lugar, o que permitiu ao espanhol iniciar em sétimo. Beneficiado, o europeu ganhou três posições na largada e contou com o abandono do australiano Mark Webber (Red Bull) para terminar em terceiro, permanecendo vivo na luta pelo título.

“É algo da nossa responsabilidade e sabíamos que a diferença de aderência entre os dois lados seria muito alta. Se quiséssemos continuar na luta no Brasil (última etapa do campeonato), seria muito importante ter o primeiro carro (de Alonso) na frente nas primeiras voltas. Caso contrário, a corrida estaria praticamente encerrada”, afirmou Domenicali.

Ainda antes do final da corrida, a Ferrari emitiu um comunicado oficial sobre o assunto e garantiu que Felipe Massa concordou com a medida. Ao conceder entrevista, o diretor também fez questão de agradecer publicamente ao piloto brasileiro, que cruzou a linha de chegada em quarto, apesar de ser relegado a segundo plano.

“No final das contas, acho que foi a decisão certa. Quando você trabalha na Ferrari, sabe que a equipe está no centro das decisões e os pilotos respeitam isso. Tenho que agradecer ao Felipe por isso. Expliquei a decisão a ele e acho que entendeu”, declarou.

AFP
Prejudicado pela Ferrari, o brasileiro Felipe Massa cruzou a linha de chegada na quarta colocação em Austin
Martin Whitmarsh, chefe da McLaren, alfinetou Alonso ao comentar a artimanha da Ferrari e não escondeu que se irritaria caso tivesse algum de seus pilotos afetados pela manobra da escuderia italiana (eles poderiam passar do lado limpo para o lado sujo do grid). Domenicali, por sua vez, falou em transparência.

“Prefiro ser totalmente transparente, porque em coisas como essa você pode facilmente simular alguma coisa se quiser. Mas senti que era mais correto dizer a verdade. Esse é o nosso estilo, o meu estilo. Devo dizer que se algum outro diretor de equipe disser que não tomamos a decisão correta, estará mentindo”, disse.

Domenicali ainda admitiu que esperou até o último momento para confirmar a troca de câmbio para evitar que a Red Bull adotasse o mesmo expediente com o australiano Mark Webber, que largou em terceiro, para recolocar Alonso do lado sujo. Para completar, reconheceu que a Ferrari não se preocupou com os pilotos que passaram do lado limpo para o sujo do grid.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade