Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Diego Souza e Renato Augusto viram alternativas para o Santos

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

Em busca de reforços de peso para a próxima temporada, o Santos está priorizando, conforme pedido do técnico Muricy Ramalho, a chegada de novas peças do meio-campo para frente. Desta forma, os meias Diego Souza, do Al-Ittihad (Arábia Saudita), e Renato Augusto, do Bayer Leverkusen (Alemanha), são mais dois nomes que surgem como alternativas para o clube suprir a ausência de Paulo Henrique Ganso, negociado em setembro com o São Paulo.

O primeiro reclama salários atrasados na equipe saudita e deseja retornar o mais rápido possível para o futebol brasileiro. Os advogados de Diego Souza devem ingressar com o pedido de liberação junto a Fifa. Caso a resposta da entidade que rege o esporte no mundo seja positiva, as negociações envolvendo o ex-jogador do Vasco podem evoluir.

Uma transferência para o Peixe é vista com bons olhos por Diego Souza que, por sua vez, teve o nome aprovado por Muricy. O meia não se trata de um organizador de jogo, como é Ganso, mas a sua experiência foi levada em consideração pelo treinador, no aval dado para a cúpula alvinegra intensificar os contatos com o atleta.

Outro que interessa é Renato Augusto. Porém, se quiserem tirar o jogador do Bayer Leverkusen, os santistas serão obrigados a desembolsar uma compensação financeira para o clube alemão. Renato Augusto, de 24 anos, tem contrato até junho de 2014 com o Leverkusen.

Se por um lado nomes foram adicionados na lista de possíveis novos donos da camisa 10, por outro alguns já podem ser descartados, praticamente. Diego, do Wolfsburg (Alemanha), vive um novo momento com a saída do técnico Felix Magath, seu desafeto, do time. Além disso, o meia ainda está na mira do Atlético de Madrid (Espanha). O argentino Pablo Aimar, do Benfica (Portugal), também chegou a ser cogitado, mas está fora de cogitação no momento.

“Você sempre tem uma série de nomes que são colocados, outros são oferecidos, e vai se eliminando, seja por contrato, custos, etc. A lista vai diminuindo. Mas temos de ter sempre plano B, C, para suprir essa lacuna”, disse o gerente de futebol santista, Nei Pandolfo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade