Futebol/Seleção Brasileiro - ( - Atualizado )

Tímido, Durval destaca trajetória e vê chances remotas de jogar Copa

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

Convocado para a Seleção Brasileira, o zagueiro Durval vive um novo momento na carreira. O experiente defensor, que fala pouco até mesmo entre os companheiros de time, durante os treinos, e prefere ser notado pelo seu desempenho em campo, compareceu na tarde desta quarta-feira a Sala de Entrevistas do CT Rei Pelé.

Um dia após ter sido chamado para defender o Brasil contra a Argentina, na próxima quarta, em Buenos Aires, no segundo e decisivo jogo do Superclássico das Américas, Durval parecia já estar recuperado do “susto” que teve quando recebeu a notícia e, também, mais acostumado com a ideia de vestir a camisa canarinho.

“Me sinto realizado por ter sido convocado, mas no futebol a gente não pode se acomodar nunca. Você tem sempre que vencer, ganhar, porque só os vitoriosos são lembrados. Acredito que eu tenha sido chamado porque, até hoje, ganhei muitos títulos durante a minha trajetória e sempre jogando como titular”, afirmou o camisa 6 do Peixe, relembrando o seu currículo, recheado de conquistas, que inclui dez títulos estaduais, além de duas Copas do Brasil (uma pelo Sport, em 2008, e outra pelo Santos, em 2010) e uma Copa Libertadores da América (em 2011), dentre outros.

Tímido, Durval chegou a brincar com os jornalistas ao declarar que era mais fácil enfrentar o argentino Lionel Messi, com quem esteve frente a frente na decisão do último Mundial de Clubes da Fifa, no Japão, vencido pelo Barcelona (Espanha), do que diante de câmeras e microfones.

“É melhor enfrentar o Messi de novo do que vocês (repórteres). Prefiro jogar contra os melhores atacantes do mundo do que enfrentá-los aqui”, destacou o zagueiro, entre risos, para depois revelar certa “pressão” do assessor de imprensa do clube para comparecer a entrevista coletiva nesta quarta.

“Acho que a última vez que eu tinha vindo tinha sido depois de um clássico contra o Corinthians, no qual eu fiz gol. Daquela vez, me trouxeram a força (risos). Hoje eu fui ‘forçado’ também. É brincadeira... foi em comum acordo. De vez em quando faz parte do nosso trabalho vir falar com vocês”, comentou.

Voltando a falar sobre a sua convocação, Durval ressaltou que pretende continuar trabalhando forte no Alvinegro Praiano, mas reconhece as dificuldades que deverá ter para garantir o seu espaço, visando fazer parte do grupo da Seleção que irá disputar a Copa do Mundo em 2014, no próprio Brasil.

Na opinião do defensor santista, a idade pode pesar contra ele nesse aspecto. “Isso está longe, distante ainda. Foi só a minha primeira convocação. Espero que eu possa ser lembrado mais vezes. Só que sou muito cauteloso com relação a isso. Na Copa, eu vou estar com 34. Acho bastante difícil (ser convocado para o Mundial)”, emendou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade