Seleção Brasileira/Superclássico das Américas - ( )

Réver e Ralf procuram espaços na Seleção depois de Superclássico

Felippe Rodrigues, especial para a GE.net São Paulo (SP)

Nomes sempre cotados – mas nem sempre chamados – para aparecer nas convocações de Mano Menezes para a Seleção Brasileira, Réver, do Atlético-MG, e Ralf, do Corinthians, foram titulares contra a Argentina na última quarta-feira, pelo Superclássico das Américas. Em busca de presença certa nas listas da CBF, os dois jogadores reconhecem que há grande concorrência.

“É complicado falar da Seleção porque o Mano tem muitas peças. Eu fui várias vezes, outros jogadores foram varias vezes. Todo mundo, se for montar uma Seleção, vai montar de uma forma. O Mano não é diferente”, explicou Ralf, que, em 2012, só jogou as partidas do Superclássico.

Réver, que esteve em campo também contra a China e foi capitão em Buenos Aires, refuta estar garantido no time nacional. Para ele, o Brasil revela muitos jogadores e, nos dois anos até a Copa do Mundo, muita coisa pode mudar.

“Estou sendo convocado com frequência, procurando meu espaço. Sei que tem pouco tempo e, ao mesmo tempo, muita coisa por aí”, comentou o zagueiro do Atlético, que estreou em 2010 com a camisa da verde-amarela. "Em certas posições, ele já deve estar com a cabeça bem feita e se tiver dúvidas, é bem pouco".

Desde que substituiu Dunga na Seleção, Mano Menezes recebe constantes críticas após convocações e aprresentações, o que, segundo Réver, não tem razão. “Ele está fazendo seu papel nas convocações, procurando a melhor equipe para definir o quanto antes. Espero que ele possa ter essa definição. Os torcedores brasileiros estão esperando isso”, defendeu.

Para Ralf, o treinador sabe muito bem quem convoca e o faz com coerência. “Mano procurou dar oportunidade para muitos e vem convocando quem está melhor em cada posição. Quem não está tem a questão de final de competição. Ele não tem parcela de culpa em nada”, afirmou. "A esperança não é só minha, mas de muitos jogadores no Brasil. Vou procurar manter meus pés no chão e trabalhar como eu sempre trabalhar para, assim, voltar à Seleção".

Sem mais compromissos em 2012, a Seleção volta a campo em fevereiro, contra a Inglaterra, em amistoso que será a próxima chance do volante do Corinthians e do zagueiro do Atlético-MG ouvirem seus nomes serem chamados por Mano Menezes.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade