Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Apesar de derrota, Volpi aprova estreia e projeta futuro no Figueira

Florianópois (SC)

“É gostosa essa sensação”, disse o goleiro Tiago Volpi após a derrota do Figueirense para o Santos por 2 a 0, no sábado. O jovem jogador de 21 anos se referia à experiência de estrear com a camisa do clube alvinegro, mesmo com o amargo gosto de ter sofrido dois gols, um deles de letra.

Com a responsabilidade de substituir Wilson, considerado ídolo pela torcida, no gol do time catarinense, Volpi pensa grande. “Na vida tem que ter esse tipo de desafio. Mas quero construir meu espaço nessa equipe”, comentou o jogador, que também sabe ser modesto. “Se eu chegar a 50% da moral do Wilson estará de bom tamanho”.

Em 2013, no Catarinense e na Série B, o Figueirense terá um novo técnico. Adílson Batista assume o comando do time, o que acirrará a luta por um posto na equipe. Tiago sai na frente por ter estreado sob a batuta de Fernando Gil, mas tem a concorrência de Ricardo, que era reserva imediato de Wilson, e Neto, seu primo.

“Acho que vai ser uma briga sadia, o Ricardo é muito meu amigo e é um baita profissional. Não só com o Ricardo, mas com o Neto que é outro profissional muito bom. Vai ser um ano para colocar uma dúvida na cabeça do Adilson”, destacou.

Contratado pelo Figueirense junto ao São José-RS, Tiago Volpi sofreu uma fratura logo após chegar ao clube e ficou três meses afastado. Apesar da infelicidade, o goleiro aponta o episódio como um aprendizado para o futuro.

Além do Campeonato Brasileiro Série B e do Campeonato Catarinense, o Figueira deve disputar a Copa do Brasil. Com o novo calendário do futebol nacional, mesmo rebaixado o time ainda tem chance de jogar a Copa Sul-americana.

Divulgação/Figueirense
Tiago Volpi (à frente) brigar para ser o substituto de Wilson (fundo), em 2013, no gol do Figueirense

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade