Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Broxada, Macaca no MSN e ida ao Japão: as pérolas de Emerson Sheik

São Paulo (SP)

Emerson Sheik não é um jogador de muitas palavras. Habilidoso na hora de driblar repórteres, o atacante optou por encarar a imprensa nesta sexta-feira, no CT Joaquim Grava, e conceder uma entrevista repleta de comentários inusitados. As piadas do ídolo corintiano abordaram o rebaixamento do Palmeiras, a convivência com a sua macaca de estimação, a Cuta, e até os seus planos para a viagem ao Japão.

Entre palavrões e risadas, o atacante também recordou as desavenças com o zagueiro Matías Caruzzo, do Boca Juniors, na final da Copa Libertadores, admitiu torcer para o rival São Paulo ser campeão da Sul-americana e revelou qual será o seu presente para os funcionários que trabalham no Timão. Os melhores momentos da entrevista você confere abaixo:

Rebaixamento e broxada do Palmeiras - A entrevista do técnico Tite à revista Playboy fez o Sheik gargalhar. O treinador disse que ser rebaixado é pior do que uma broxada, já que um clube demora um ano para subir novamente. O comentário teve o respaldo do jogador. “Pô, eu nunca broxei e nem fui rebaixado. A primeira possibilidade é zero também. O Tite é engraçadinho, né? Ele falou isso mesmo? Sei lá, eu acho que broxar não é pior, não. A galera mais velha pode ajudar aí”, disse, rindo, ao apontar para os veteranos repórteres.

Reencontro com Caruzzo - As provocações entre Emerson e os zagueiros argentinos do Boca Juniors, na final da Copa Libertadores, renderam até uma mordida do Sheik na mão de Caruzzo. E o que o Sheik pensa de reencontrar o atleta? “Teve uma empresa que tentou marcar um encontro, mas não aconteceu. Mesmo ele sendo argentino, acabou milho e pipoca. Dentro do jogo é tiro e porrada. Mas também não tenho vontade de falar novamente com ele, não.”

Libertadores ou Mundial? - Questionado sobre a possibilidade de trocar os gols marcados na final da Libertadores pelo título mundial, o Sheik foi enfático. “Eu não vou falar palavrão, que o meu filho vai ver. Eu morei no Japão e essa viagem é f... Aliás, fogo. A Argentina era mais perto, mas eu não trocaria esses gols por nada. Quem sabe Papai do Céu não acha que eu posso fazer mais dois agora.”

Viagem até o Japão - As 24 horas que separam o Brasil do país asiático não incomodam o Sheik. “Eu comprei 12 filmes. Eu já baixei tudo e alguém vai para a resenha comigo quando eu acabar. Mas eu durmo bem e não vou ter problema com isso. Onde eu sento, eu durmo. Espero que ninguém vá querendo papo do meu lado.”

Saudades da Cuta - A Macaca de estimação do jogador também foi assunto nesta sexta-feira. “F... Quando eu cheguei em São Paulo e a Cuta estava no Rio de Janeiro, a gente brincava e conversava pelo MSN (bate-papo pela internet). Ela não entendia porcaria nenhuma e está tudo no mesmo esquema. Eu não consigo. Ela é igual aos meus filhos, eu sou apaixonado por eles.”

São Paulo campeão? - O patriotismo do atleta corintiano também superou qualquer tipo de rivalidade quando o assunto foi a final da Copa Sul-americana entre São Paulo e Tigre, da Argentina. “Eu torço sempre para o Brasil. Mesmo que seja um rival. Eu vou torcer para o São Paulo ser campeão, sim.”

Natal dos funcionários - A tradicional caixinha coletiva para os funcionários do Timão ganhará uma substancial contribuição neste ano. Ao menos foi isso que garantiu o Sheik. “Eu não vou dar presente para jogar nenhum. A caixinha é uma coisa minha e eu vou dar uma graninha para eles dividirem. O pessoal cuida da gente o ano todo, mas jogador não merece presente. Eles ganham bem e podem pagar a passagem para comprar.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade