Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Cássio revive rivalidade com o Inter: “É um adversário especial”

Helder Júnior São Paulo (SP)

O técnico Tite e a maioria dos seus jogadores encaram a partida contra o Internacional como somente uma preparação do Corinthians para o Mundial de Clubes de dezembro, no Japão. Cássio, não. Revelado pelo Grêmio, o goleiro gaúcho levará ao Beira-Rio, no domingo, a rivalidade que alimentou no Rio Grande do Sul.

“Sempre fica alguma coisa disso. Passei sete anos no Grêmio. O Inter é um adversário especial. Para mim, continua sendo o meu rival”, avisou o agora corintiano, com um largo sorriso no rosto.

Apesar da longa trajetória no Grêmio, Cássio pouco foi a campo como profissional pelo time tricolor. “Mas, ainda assim, acompanhei Gre-Nais marcantes”, ressalvou. “Em um clássico em que eu estava na reserva, fomos campeões gaúchos no mesmo ano em que o Inter ganhou a Libertadores, em 2006”, lembrou. Na ocasião, os gremistas, então dirigidos por Mano Menezes, ficaram com o título estadual após empates por 0 a 0 e 1 a 1 na decisão contra o rival histórico.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Ex-gremista Cássio não deixou para trás a rivalidade com o Internacional, próximo adversário do Corinthians
No ano do título gaúcho, Cássio também começou a se destacar. Foi convocado para defender a Seleção Brasileira no Sul-americano sub-20 do ano seguinte e ganhou a vaga de Muriel, que estava doente e hoje é titular do Internacional. “O Muriel é um cara tranquilo, bom goleiro, e merece estar aonde chegou”, comentou.

Mas não foi apenas a rivalidade gaúcha – com um time ou com um corrente de posição de categorias de base de Seleção Brasileira – que Cássio reencontrou em São Paulo. O atual capitão do Corinthians é um amigo feito na mesma época. “Tive o prazer de jogar com o Alessandro no Grêmio. Ele sempre foi querido. É uma grande pessoa, um líder, que tem o respeito de todos”, elogiou.

No fim de semana, Cássio e Alessandro estarão do mesmo lado para reviver uma antiga rivalidade. “Sei que o Internacional é um grande time. Jogar lá é difícil. Por mais que a equipe deles não esteja bem, sempre decide na garra”, advertiu o goleiro, por experiência própria.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade