Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Rotina de Ganso na capital tem restaurante, cinema e pouco trânsito

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A correria da maior cidade do Brasil, Paulo Henrique Ganso não sentiu na troca de clube. O agora são-paulino tem mais opções de lazer na capital paulista do que em Santos e enfrenta pouco trânsito por morar em uma região bem localizada, próxima de dois grandes shoppings e também do centro de treinamento do seu novo time, na Barra Funda.

O flat em que ele está hospedado com a noiva Giovanna Costi é provisório, apenas até o casal terminar de decorar um imóvel comprado no mesmo bairro. Caseiros, saem pouco de lá, a não ser para jantar com amigos - churrasco é a comida favorita - ou ir ao cinema e ao teatro. Na semana passada, o programa escolhido pela futura esposa foi um pouco mais longe, o show do cantor Roberto Carlos, no Ibirapuera.

Nova estrela da companhia, Ganso estreia sob pressão por Copa-2014
Bom moço introspectivo, ex-santista já teve seus deslizes
Como Pedro Rocha, meia pode ter a camisa 10 de Jadson em breve
Planejamento de Ganso é jogar no futebol europeu depois da Copa
Após ajudar Neymar, psicóloga percebe Ganso com motivação instável
Craque almeja ser médico e elogia estrutura do 'Hospital São Paulo'
Ídolo de Ganso, Muricy acha que meia "vai arrebentar" no São Paulo

Evangélico desde pequeno, Ganso gosta de ouvir em seu carro músicas gospel, mas não dispensa pagode, estilo predileto no futebol. Aliada à dedicação ao relacionamento, a opção religiosa, de acordo com as pessoas com quem convive mais proximamente, explica o porquê de não beber álcool (nem fumar) e, por consequência, recusar convites para festas e baladas.

Reprodução/Instagram
Jogador tem dividido flat com a noiva Giovanna em uma região bem localizada da capital paulista
Diferentemente de alguns atletas, o meia não faz cursos de idioma, embora tenha o sonho de jogar no exterior - o projeto traçado por ele e o DIS, grupo de investimentos que detém a maior parte de seus direitos econômicos e agencia sua carreira, é de retornar à Seleção Brasileira jogando bem de novo e ir para o futebol europeu após o Mundial de 2014.

A semelhança com outros craques está na agenda de compromissos com patrocinadores. Neles, tem sempre a companhia do assessor e de Francisco Carlos Ferreira, o Chico, contratado na época do Santos para fazer sua segurança particular. O funcionário ainda vive no litoral e só sobe à capital nessas ocasiões especiais. Até porque Ganso não se aborrece com fãs. Por mais de uma vez, abaixou o vidro do carro no CT para conceder autógrafos.

E é no CT que o jogador mais tem ficado, porém a rotina de trabalho já não é tão desgastante quanto no começo, quando, com a coxa esquerda lesionada, fazia cerca de oito horas diárias de fisioterapia no Reffis, divididas em dois períodos. Para piorar, o intervalo dado para o almoço, de uma hora e meia, algumas vezes era parcialmente consumido por entrevistas e fotografias exclusivas.

Desde que foi contratado, em setembro, o ex-santista não foi a nenhum dos seis jogos do São Paulo como mandante, um deles no Pacaembu. A única vez em que esteve no Morumbi foi em sua apresentação oficial, antes da partida contra o Cruzeiro. O importante, para a torcida, é que ele estará lá no domingo, para finalmente estrear a camisa 8 tricolor, contra o Náutico, e tentar mostrar que está adaptado ao novo lar, que Santos ficou no passado.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade