Futebol/Mundial de Clubes - ( - Atualizado )

Técnico do Chelsea enfrenta própria torcida antes do Mundial

Marcos Guedes* São Paulo (SP)

Rafael Benítez estreou no comando do Chelsea, no domingo, em um cenário hostil. No empate em casa com o Manchester City, o técnico ouviu muitos xingamentos e vaias da torcida azul, que manifestou seu apoio ao demitido Roberto Di Matteo, campeão da Liga dos Campeões com o clube há seis meses.

“Nós não queremos você aqui”, gritaram os torcedores, em um de seus poucos cantos publicáveis, antes mesmo do início da partida no Stamford Bridge. Eles não se esquecem do período do espanhol como treinador do Liverpool, entre 2004 e 2010, no qual alimentou a rivalidade com o time londrino, sobretudo com o técnico José Mourinho.

AFP
Não é preciso ser proficiente na língua inglesa para perceber que a torcida do Chelsea não gostou da contratação do técnico espanhol
“O bom é que eu não entendi o que as pessoas estavam cantando. Perguntei: ‘O que eles estão falando?’. E não me importo, estou concentrado no jogo. Quero mudar a percepção da torcida. Como? Trabalhando duro, fazendo o meu melhor e ganhando jogos”, comentou o espanhol.

Ele entendeu bem o que estava cantando o público. Nem era necessário ter trabalhado por seis anos na Inglaterra para compreender o significado dos cartazes com a frase “Rafa out”. “De quantas pessoas você precisa para escrever um cartaz? Talvez uma. E duas para segurá-lo”, minimizou.

De qualquer maneira, o técnico sabe o que é necessário para conquistar a torcida: vencer. Os resultados são justamente o que faz os torcedores do Chelsea se recusarem a protestar diretamente contra o russo Roman Abramovich, cujo dinheiro tornou a equipe importante no futebol europeu.

Vencer manterá Benítez no comando do Chelsea ao fim da temporada 2012/2013, quando outro espanhol, Pep Guardiola, poderá estar disponível no mercado. O primeiro passo é bater o Corinthians na decisão do Mundial, uma competição à qual o clube azul vem dando bastante importância.

AFP
Rafael Benítez conta com um bom Mundial para permanecer no Chelsea ao fim da temporada 2012/2013
Sua preocupação inicial é ajustar a defesa, que caiu demais depois de ser decisiva na conquista da Liga dos Campeões. Na estreia de Benítez, o time londrino passou longe da criatividade mostrada em seus melhores momentos sob comando de Di Matteo, mas mostrou firmeza para segurar o 0 a 0 com o City. Frear Sheik e Paulinho será ainda mais importante para o espanhol.

*Com agências internacionais

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade