Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Vinícius constata dificuldade maior para garotos no Palmeiras

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O atacante Vinícius está marcado na história do Palmeiras como o jogador mais jovem a vestir a camisa do clube em uma partida profissional. Porém, desde que estreou aos 16 anos, em março de 2010, o jogador pouco evoluiu no Verdão e ainda luta por um espaço na equipe, admitindo ser mais difícil para as promessas vingarem no Palestra Itália em comparação aos rivais Santos, São Paulo e Corinthians.

“Pode ser que sim. Tenho amizade com garotos de outros times, como Rodrigo Caio e Casemiro, que se firmaram no São Paulo e estão bem. Quando ganhamos a Copa do Brasil, conversei com o Valdivia e falei que imaginava entrar no time com mais tranquilidade, mas a equipe foi caindo e aconteceu o que todos sabem. Mesmo assim, não podemos parar e sei que o ano que vem inteiro será de conquistas”, ponderou.

Em 46 partidas que disputou pelo Verdão, Vinícius balançou as redes apenas duas vezes, mas adverte que geralmente tinha chance apenas nos minutos finais dos confrontos.

“O Palmeiras não tinha tradição de revelar jogadores. Um dos últimos foi o Gabriel Silva, mas faz tempo que o clube não consegue ficar estável por muitos anos. Não me firmei ainda e não sou reconhecido, é complicado subir mesmo”, ponderou.

Vinícius vem sendo aproveitado com frequência desde que Gilson Kleina chegou, mas alega que tinha também o apoio de Luiz Felipe Scolari, apesar dos desentendimentos entre seus empresários e o treinador pentacampeão. Durante todo o tempo de treinos no clube, o garoto seguiu os conselhos dos mais experientes para se manter apto a entrar em campo a qualquer momento.

“O Barcos, o Marcos e o Obina sempre me falaram que não importava se não estava indo para os jogos, pois eu tinha de continuar trabalhando, porque uma hora a chance apareceria. Do nada, entrei contra o Náutico e tive que dar o melhor de mim. O elenco pode até ter um monte de atacantes, mas uma hora a oportunidade aparece”, argumentou.

O garoto deve ser mantido entre os titulares no clássico contra o Santos, no sábado, na Vila Belmiro, seguindo todas as ordens do treinador. “Mudei muito desde que subi. O Kleina falou que eu não marcava, mas hoje consigo”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade