Futsal/Copa do Mundo - ( )

Rumo ao futsal da Rússia em janeiro, Neto enterra trauma de 2004

Thiago Bastos Ferri, especial para a GE.Net Guarulhos (SP)

Eleito melhor jogador da Copa do Mundo de futsal, o fixo Neto terá um novo clube a partir do próximo ano. Já acertado com o Gazpron Ugra, da Rússia, ele irá para o país do leste europeu em janeiro, aliviado por ter acabado com a imagem do jogador que, então aos 22 anos, desperdiçou o pênalti decisivo na semifinal contra a Espanha, no Mundial de 2004.

Quatro anos depois, a primeira chance de apagar a falha, e em casa, já que aquela edição da Copa aconteceu no Brasil. Uma séria lesão no joelho, contudo, o fez prolongar a correção para apenas 2012. E a redenção veio em grande estilo: restando 19 segundos para o término da decisão, mais uma vez diante da Fúria, o fixo fez bela jogada pela esquerda e arrematou, para decretar o 3 a 2 em favor do time brasileiro.

Ao relembrar os momentos complicados que viveu nestes oito anos, Neto afirma: “só minha família sabe tudo o que eu passei. Era jovem e perdi aquele pênalti. Em 2008 estava em meu melhor momento e tive uma lesão séria no joelho. Mas batalhei e sabia que o cara lá de cima tinha algo guardado para mim”.

AFP
Melhor jogador da Copa do Mundo, o fixo Neto (11) jogará no futsal da Rússia a partir de janeiro de 2013
Antes do encontro de domingo, contra a Espanha, o treinador Marcos Sorato conversou com Simi e Neto, que estavam em 2004, mas não em 2008, no título da Seleção. Quando falou da conquista, o comandante não se esqueceu de comemorar pela dupla. “Parece que o esporte fez justiça desta vez e devolveu o título que eles tanto mereciam”, afirmou.

Na chegada da delegação no final da noite dessa terça-feira, Neto só não foi mais assediado do que o ídolo Falcão, eleito três vezes o melhor jogador do mundo. Satisfeito pelo destaque que o futsal recebeu no País em meio à campanha que deu para o time o heptacampeonato na Copa do Mundo, o jogador do Krona/Joinville, clube o qual defenderá até o fim do ano, respirou aliviado ao ver seu estigma se encerrar.

“Eu fiquei marcado pelo pênalti que perdi, mas naquele ano fiz um grande Mundial. Faz parte do esporte. Agora veio este título para apagar tudo. O Neto será lembrado pelo gol que fez em 2012, não pelo pênalti que errou em 2004”, comemorou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade