Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Kleina faz indicações e espera rapidez na busca por reforços

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

A diretoria do Palmeiras já tem a lista de seis nomes que interessam ao técnico Gilson Kleina para a próxima temporada. Porém, até agora, o clube ainda não conseguiu atender aos pedidos do treinador, que pede rapidez à cúpula alviverde, já que os concorrentes diretos estão em busca de opções no mercado.

“Os nomes já estão com a diretoria, mas temos de sair da mesa e começar a execução. As coisas precisam acontecer, delegando poderes e fazendo tratativas. Estou aqui à disposição para trabalhar”, afirmou.

Até agora, o Verdão anunciou apenas o lateral direito Ayrton, do Coritiba, apesar de o preferido de Kleina para a posição ser Cicinho, da Ponte Preta. O treinador indicou o atleta ao Palmeiras em outubro, mas a direção demorou para tentar encaminhar a contratação e viu a concorrência aumentar.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Técnico Gilson Kleina entregou lista com seis nomes para a diretoria e espera a chegada dos reforços
“Não dá para falar as posições, mas fizemos uma reunião nesta semana sobre o planejamento de 2013. O mundo da bola tem bastidores muito concorridos e todo mundo está atento. Estamos em um processo de renovação, que tem um preço caro, e não é fácil”, acrescentou o treinador.

A diretoria palmeirense passa por um momento de incerteza, já que ninguém sabe se continuará no clube na próxima temporada. O gerente de futebol alviverde, César Sampaio, tem contrato apenas até dezembro, enquanto a gestão do presidente Arnaldo Tirone e do vice Roberto Frizzo acaba em janeiro.

O atual mandatário ainda não decidiu se será candidato à reeleição e já se reuniu com três pré-candidatos: Décio Perin, Paulo Nobre e Wlademir Pescarmona. O trio quis saber qual é a real situação administrativa do clube. Kleina, por sua vez, espera que os reforços estejam acertados antes mesmo de ser definido o novo presidente no pleito de 21 de janeiro.

“Viemos para fazer o Palmeiras forte, porque é grande. O futebol é o carro chefe e tem de ser o primeiro objetivo de preocupação, sendo que os presidenciáveis sabem que o futuro do clube também passa pela decisão deles. Se for se preocupar só em 21 de janeiro, até lá já foram três ou quatro rodadas. Não acho que estejam pensando assim”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade