Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Bruno torce para o amigo Cavalieri não ser campeão contra o Verdão

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Formados nas categorias de base do Palmeiras, os goleiros Bruno e Diego Cavalieri não deixaram o tempo apagar a amizade construída na Academia de Futebol. Apesar de seguirem rumos distintos em suas carreiras, os dois atletas se comunicam ao menos uma vez por semana e aproveitam para debater sobre o encerramento da temporada nacional. E foi basicamente este assunto que embalou o diálogo da dupla antes do jogo deste domingo.

Antes apontado como o provável substituto do ídolo Marcos, Cavalieri não resistiu aos milhões de euros apresentados pelo Liverpool e amargou três temporadas de puro ostracismo no Velho Continente. De volta ao Brasil para defender o Fluminense, o arqueiro se tornou um dos principais nomes da posição no País e tem a sua presença nas convocações de Mano Menezes cobrada por torcedores de todos os clubes nacionais.

No Rio de Janeiro, o atleta vive a oportunidade de ser campeão do Brasileiro já neste domingo, contra o ex-clube Palmeiras, em Presidente Prudente. Mas, para isso, Cavalieri teria que contribuir para levar o clube que o revelou de volta à Série B. “No primeiro turno nós tínhamos acabado de ser campeão da Copa do Brasil e o Fluminense arrancava no campeonato. Agora a situação é ainda mais difícil. Mas eu fico feliz por ele e espero que ele seja campeão nestas próximas rodadas”, declarou o goleiro Bruno, atual camisa 1 do Verdão.

Acervo/Gazeta Press
Amigos desde o tempo de Palmeiras, os goleiros Diego Cavalieri e Bruno se reencontrarão neste domingo
Após ser diagnosticado com um leve desconforto no ombro, o arqueiro tricolor havia preocupado o técnico Abel Braga e precisou dar sequência aos treinos para ser garantido na equipe titular. A presença do ex-companheiro de Palmeiras, entretanto, não agradou Bruno. Mesmo amigo de longa data de Cavalieri, o jogador alviverde torceu por seu insucesso no confronto que poderá rebaixar o Verdão pela segunda vez em sua história.

“Ele é um amigo muito querido. É um dos grandes amigos que eu fiz no futebol. Sempre ligo e pergunto como está o filho e a esposa dele. Eu também tinha visto que ele havia sofrido uma lesão no treino e queria saber como ele estava. Quando ele me disse que iria jogar, eu já lamentei. Espero que ele não jogue bem contra a gente”, encerrou o palmeirense.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade