Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Em ‘pré-temporada’, Marcos quer seu adeus como retomada do Palmeiras

São Paulo (SP)

Participando diariamente, desde terça-feira, de treinos específicos para chegar em forma e com a musculatura fortalecida ao seu jogo de despedida, marcado para o próximo dia 11 de dezembro, o ex-goleiro Marcos torce para que a presença maciça de torcedores no estádio do Pacaembu marque a retomada do Palmeiras pouco tempo após o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro.

Anteriormente, Marcos cogitava nem fazer a partida comemorativa em caso de queda do Verdão para a segunda divisão, mas como assumiu contratos profissionais, garantiu a realização do compromisso no dia anterior ao que estava previamente estabelecido. Classificado para a final da Copa Sul-americana, o São Paulo pode precisar do Pacaembu no dia 12, o que tornaria inviável o adeus de Marcos na mesma data.

Com 30 mil ingressos vendidos de forma antecipada, Marcos concedeu entrevista ao site do Palmeiras em dia de treino fechado na Academia de Futebol e descreveu sua nova rotina de trabalhos no clube: “Goleiro precisa de ritmo, precisa treinar um pouquinho. Foi legal esse retorno. Estou fazendo treinos leves, treinando chutes de longa distância. Achei que seria pior, mas fui bem. O importante é chegar para qualquer jogo com confiança. Estou treinando e fortalecendo a parte muscular para não fazer feio”.

O ídolo palmeirense esteve presente ao lado do grupo de jogadores em diversas etapas da conquista da Copa do Brasil e também do rebaixamento à Série B, quando viajou com os ex-companheiros para cidades do interior paulista onde o clube cumpria perdas de mando de campo. Sua aposentadoria havia sido anunciada no dia 4 de janeiro de 2012, então aos 38 anos de idade, com 530 partidas e 12 títulos pelo Verdão.

“É óbvio que, como torcedor, queria me despedir em um momento melhor. Negociamos a partida de despedida no começo do ano, em fevereiro. Não sabíamos que o Palmeiras seria campeão da Copa do Brasil e muito menos que iria ser rebaixado. Tenho que cumprir contrato”, argumentou o ex-goleiro, antes das palavras de esperança: “Não vejo motivo para desespero. O Palmeiras vai dar a volta por cima, eu acredito nisso. Todos os jogadores fazem partidas de final de ano e esse jogo será igual a qualquer outro. E além disso, teremos inúmeros ídolos que fizeram história no clube. O torcedor tem que pensar que esse jogo é um reconhecimento aos ídolos que passaram por aqui”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade