Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Orgulhoso por ser polêmico, Mustafá vê tragédia anunciada no Verdão

São Paulo (SP)

Presidente do Palmeiras de 1993 até o início de 2005, Mustafá Contursi ainda é apontado por alguns torcedores como um dos culpados pela grande probabilidade de o clube ser rebaixado pela segunda vez no Campeonato Brasileiro. A primeira foi sob a sua direção, em 2002.

“Isso me enche de orgulho porque mostra que continuo sendo uma pessoa que causa polêmica, mesmo no sentido pejorativo”, rebateu Mustafá, em entrevista à Rádio Globo. “Ninguém se conforma com o fato de o Palmeiras ter crescido tanto comigo, de ter aumentado o seu patrimônio com o seu estádio, que estão entregando a uma empresa agora. Por onde passo, sou reconhecido como alguém que fez o bem para o clube.”

Membro vitalício do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF), Mustafá acredita que seus sucessores fizeram o mal para o Verdão. O ápice do problema, segundo ele, é a dramática situação no Brasileiro. “Isso não é coisa de momento. Foi algo anunciado. Está sendo acumulado nos últimos seis, oito anos”, atacou.

“Fiz um levantamento dos nossos balanços: o Palmeiras gastou R$ 930 milhões para ficar festejando 11º, 16º lugares neste período. Foram contratações em números elevados, com jogadores ficando pouco tempo no clube e com o pagamento de comissões extraordinárias”, disse.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Ex-presidente Mustafá Contursi criticou o pagamento de comissões em contratações de atletas do Palmeiras
O ex-presidente não se recusou a citar exemplos. “Para o Valdivia e o Wesley chegarem, houve uma barbaridade no pagamento de comissões. O Henrique custou € 2,5 milhões e já estava liberado pelo Barcelona, o Luan... Agora, está vindo um atleta desconhecido (Ayrton) do Paraná por R$ 2 milhões. São comissões pagas a empresários. Infelizmente, essa diretoria imitou o que as anteriores faziam”, atacou.

Apesar de considerar que “indiscutivelmente existe má gestão” no Palmeiras, Mustafá apostou na reeleição de Arnaldo Tirone no princípio de 2013. “Ele tem mais de 100 diretores com carteirinha. Muitos deles não vão querer perder a carteirinha e votarão nele. Já eu não votarei nunca mais”, bradou o ex-presidente, apontando outra vantagem para o seu longo comando no clube. “O Palmeiras perdeu totalmente a sua representatividade nos últimos anos. Antes, havia respeito de entidades, associações e até da imprensa.”

Mas Arnaldo Tirone não é o único alvo das críticas de Mustafá Contursi ao Verdão atual. “O elenco do Palmeiras é muito caro para o que produz. É um absurdo se analisarmos o que pagamos de salários e o que eles rendem”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade