Futebol/Bastidores - ( )

Palmeiras tem confiança em segurar sua “referência”: Hernán Barcos

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O assédio do futebol europeu a Hernán Barcos ainda não preocupa o Palmeiras. Maior acerto do Verdão dentre as contratações da temporada, o argentino é visto pela diretoria como uma “referência” para o elenco e, por isso, segurar o Pirata para 2013 se tornou uma prioridade.

“Temos um vínculo com o jogador até janeiro de 2015. Ou seja, ele tem compromisso aqui. Estamos muito felizes com ele, que também está satisfeito no clube. Chegou a dizer que não tinha noção de ter espaço um dia na seleção argentina, mas conseguiu jogando pelo Palmeiras, com concorrentes como Tevez, Milito, Higuain...”, ponderou o gerente de futebol do clube, César Sampaio.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Hernán Barcos é cobiçado no futebol italiano, mas o Palmeiras espera que cumpra o contrato
O dirigente advertiu que uma eventual transferência para a Europa teria de ser benéfica ao atleta e ao Verdão. “Honramos o que assumimos com ele e só podemos trabalhar alguma saída quando houver uma aproximação em termos de desejo (do jogador) e de remuneração ao Palmeiras. Mas hoje em dia é difícil tirar referências de grandes clubes. E o Barcos é uma referência no Palmeiras”.

São justamente as convocações para a Argentina que podem atrapalhar a permanência do centroavante no time da capital. Se antes de chegar ao Palestra Itália o Pirata pensava até em se naturalizar equatoriano, agora o jogador vê a chance real de tentar uma vaga no grupo que disputará a Copa do Mundo de 2014 por seu País.

Caso o Palmeiras seja rebaixado, Barcos acha que jogar a segunda divisão pode atrapalhar seus planos na seleção. Por outro lado, a Copa Libertadores é um atrativo ao camisa 9, que é observado atentamente pela Fiorentina. À TV Bandeirantes, o presidente Arnaldo Tirone explicou que pensa em segurá-lo usando uma estratégia semelhante à do Santos com Neymar, explorando o marketing.

Já César Sampaio avisa que é necessário qualquer interessado abrir os cofres para conseguir tirá-lo do Palestra Itália. “Se alguém tiver a intenção, existe um preço”, ponderou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade