Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Sampaio não pensa em ‘mala branca’ e vê salvação “quase impossível”

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

A diretoria do Palmeiras não esconde mais que a situação do clube está dramática neste Campeonato Brasileiro. O gerente de futebol alviverde, César Sampaio, reconheceu que ficou muito complicado escapar da degola, mas não pensa na hipótese de oferecer um incentivo financeiro por vitórias dos adversários de Portuguesa, Bahia e Sport, que são os concorrentes diretos na briga contra a degola.

“Não gosto disso, mas não vou dizer que não existe, porque já convivi com mala branca. Mas nós queremos cair ou permanecer por nossos próprios méritos. Isso não seria digno da grandeza de nossa marca e da instituição. Às vezes, temos de pagar o preço de nossa incompetência sem transferir responsabilidade”, comentou.

A três rodadas do término da competição, com 33 pontos, o Palmeiras precisa vencer seus confrontos (Flamengo, Atlético-GO e Santos) e ainda torcer por tropeços do Sport. Além disso, o Verdão também tem de ultrapassar Bahia ou Portuguesa, que têm 40 pontos.

“O futebol é uma guerra mesmo, em que nem sempre vence quem tem a melhor arma e mais munição. Está muito difícil, não vou mentir para os torcedores. É uma causa quase impossível, mas grandes heróis surgem quando aparecem esses momentos”, ponderou o dirigente.

Com os matemáticos apontando 99% de chance de rebaixamento, o próximo desafio da equipe de Gilson Kleina será no domingo, diante do Flamengo, em Volta Redonda.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
César Sampaio admite a existência de mala branca no futebol, mas não acha digno ao Palmeiras

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade